A cópia de Far Cry 5 utilizada nesta análise foi gentilmente cedida pela Nuuvem, a maior loja de jogos digitais para PC da América Latina. Lá você pode encontrar não apenas FC5, mas também uma série de outros games, incluindo muitas ofertas bacanas. Dê uma olhada!

Far Cry 5 é o mais recente título de uma franquia da Ubisoft que já conta com sete jogos (cinco principais e dois spin-offs – Far Cry 3: Blood Dragon e Far Cry Primal). O jogo foi lançado em 27 de Março de 2018, para PC e consoles, e entra agora no XboxPlus na categoria “Análises especiais“, na qual analiso títulos que não são lançamentos mas que no entanto chegaram ao mercado há não muito tempo (geralmente menos de um ano).

Ambientado no interior dos Estados Unidos, em um local fictício chamado Hope County, no estado de Montana, Far Cry 5 coloca o jogador em contato com um culto religioso chamado Portão do Éden, liderado por alguém chamado Joseph Seed. Tal culto conta com uma verdadeira legião de fanáticos seguidores, tendo dominado a região através do uso de armas e, consequentemente, de violência e crueldade extremas.

Far Cry 5

Muitas polêmicas envolveram Far Cry 5 desde seu anúncio (petições contra o jogo chegaram a ser criadas)mna, justamente devido às questões religiosas envolvidas e também à presença de um grupo de brancos cristãos como vilões. A Ubisoft, no entanto, optou pelo caminho mais tranquilo, e não enveredou pelo caminho de tais polêmicas. Deus, a própria religiosidade em si, assim como o cristianismo, além da questão das armas, são todos elementos abordados no game, mas tudo acontece de forma suave, de maneira tal que bem poucas pessoas serão capazes de se ofenderem com aquilo que é apresentado em tela.

Dito isto, partamos para análise do game em si. No jogo, Joseph Seed é um fanático extremamente inteligente e carismático, o qual, em companhia de seus irmãos John, Jacob e Faith, acredita na chegada de um apocalipse iminente. Ele, juntamente com sua família, tomou conta de Hope County através de diversas técnicas, as quais incluem o uso de violência gratuita e também drogas e tortura. Tais métodos têm por objetivo “purificar” as pessoas de maneira tal a salvá-las.

Far Cry 5

Vale ressaltar que cada um dos três irmãos de Joseph controla uma região específica no condado de Hope. O mapa do jogo é bastante vasto, assim como as regiões controladas por cada um dos Seed, sendo que Joseph está “entrincheirado” em sua igreja, bem no centro do mapa.

Tudo começa quando o protagonista sem nome, um novato, em companhia de alguns outros policiais, chega de helicóptero em Hope County com a missão de prender o líder dos cultistas. Existe inclusive um mandado de prisão contra o líder religioso, o qual parece se submeter, a princípio.

No entanto, bem rapidamente tudo começa a dar errado, e o personagem principal foge e se separa de seus companheiros, contando então com a ajuda de Richard “Dutch” Roosevelt, membro da resistência que começa a se levantar contra os irmãos Seed. É Dutch quem dá as primeiras coordenadas ao aturdido recruta, alguém que vai crescendo como personagem de maneira bastante interessante ao longo do jogo (apesar de nunca falar nada). Temos aqui também, mais uma vez e como já de praxe na franquia, o elemento “exército de um homem só”, vale lembrar.

Far Cry 5

Joseph Seed é alguém realmente maluco. Mas, diferentemente de Vaas Montenegro em Far Cry 3, por exemplo, ou de Pagan Min em Far Cry 4, temos aqui alguém bem mais centrado e racional.

Trata-se de um vilão que realmente acredita naquilo que prega, que fala em paz e ordem, que prega muitas vezes o amor, a despeito de seus métodos questionáveis, que sempre se mantém sereno (salvo algumas exceções, todas elas relacionadas a seus 3 irmãos), que sempre sussurra palavras doces pelo rádio, e que não hesita em perdoar, mesmo que tal perdão incorra na inserção dos perdoados nos grilhões de sua seita e de seus fanáticos.

Joseph é carismático, também, capaz de arrastar consigo pessoas aparentemente estáveis mentalmente e livres de quaisquer problemas psicológicos. Obviamente, ele conta com a ajuda de Faith e sua “droga de recrutamento” (chamada Bênção), além das torturas e da lavagem cerebral levadas a cabo por Jacob.

Far Cry 5

Far Cry 5 não é muito diferente daquilo que vimos nos títulos mais recentes da série. Felizmente, tivemos a retirada das famigeradas torres que liberavam porções do mapa (agora podemos coletar pedaços do mapa em locais os mais distintos além de descobrir novidades simplesmente conversando com NPCs), e também contamos com a introdução de algumas novidades muitíssimo bem vindas.

Far Cry 5

Uma delas chama-se “Armas de Aluguel”, e diz respeito a uma ajuda muitíssimo bem vinda durante o gameplay. Através do recurso, o jogador pode optar entre jogar a campanha na companhia de um amigo ou então na companhia de diversos NPCs, os quais vão sendo desbloqueados ao longo do game, através da realização de determinadas missões.

Algo digno de nota aqui é o fato de que cada NPC possui habilidades distintas, o que faz com que alguns sejam melhores em determinados tipos de missões do que outros. Jess, por exemplo, é sempre furtiva, utilizando um arco como arma, enquanto Nick Rye oferece ajuda através de seu avião, à partir dos ares, despejando bombas sobre os inimigos ou então disparando rajadas de metralhadora.

Far Cry 5

Vale lembrar que está em nossas mãos o controle de tais NPCs em campo. Podemos ordenar que eles nos acompanhem e também que eles avancem até determinada posição. Ou então, podemos ordenar, no caso de NPCs “terrestres”, que eles ataquem determinados alvos. Confesso que na campanha utilizei Jess durante a maior parte do tempo, principalmente durante a invasão de postos avançados, devido à sua furtividade.

Tais NPCs também atacam alvos que representam perigo, sem nossa ordem, além de serem capazes de nos reviver quando, após sofrermos muitos danos, permanecermos em um estado de “quase morte” durante algum tempo (o oposto também é verdadeiro, vale lembrar, e vez ou outra temos de revivê-los).

Far Cry 5

Far Cry 5 mantém muito daquilo que já vimos em títulos anteriores da série. Temos de destruir propriedades dos inimigos (no caso, do Portão do Éden), temos de atacar alvos aleatórios que transitam pelas estradas, temos de libertar reféns e também temos de atacar e dominar completamente postos avançados (uma das atividades mais divertidas do jogo, e também uma ótima oportunidade para agirmos furtivamente).

Obs: vale lembrar que postos avançados dominados passam a fazer parte da resistência, funcionando à partir daí também como ponto para a compra de novas armas, upgrades e equipamentos, além de veículos, sem falar na presença de NPCs capazes de nos fornecer uma ou outra missão secundária.

Vale lembrar que tudo o que fazemos dentro de cada região tendo em vista desestabilizar a seita (destruir caminhões de suprimento, salvar reféns, liberar outposts, destruir santuários, eliminar alvos importantes, etc), rende pontos de resistência. Tais pontos são importantíssimos para o desenrolar da história, uma vez que trata-se de algo que mina a força da seita na região onde realizamos tais atividades e, por consequência, a força de seu respectivo líder.

Far Cry 5

Mapa do modo Arcade – Posto avançado

Atingidos pontos de resistência suficientes em cada uma das três grandes regiões, somos então levados a um embate com seu respectivo líder (John, Jacob e Faith), o qual assume ares de uma espécie de boss battle. Mas não se preocupe, pois tais lutas são bastante simples e não atrapalham em nada o fluxo da história (para aqueles preocupados com batalhas difíceis e longas). Vale até mesmo destacar o fato de que tais lutas são simples demais, além de um tanto quanto estranhas e insossas (vide o combate contra Faith sob a ação de sua droga, a Bênção – é uma batalha um tanto quanto maluca e “viajante”, até).

Em FC5, além de sermos capazes de comprar (ou roubar) veículos como sedans, picapes, caminhões e quadriciclos, também podemos utilizar aviões e helicópteros, alguns deles equipados com armas, os quais podem ser “chamados” à partir de diversos pontos em Hope County (todos devidamente identificados no mapa). Também é possível utilizarmos um grande e bonito caminhão equipado com metralhadoras, o Widowmaker, veículo este que é dado de presente ao protagonista tão logo este complete uma das missões ligadas à história.

Far Cry 5

Mapa do modo Arcade – Posto avançado

Existem diversas missões secundárias, também, dos mais variados tipos. Podemos participar de sidequests envolvendo a destruição de comboios de suprimentos da seita e também de algumas que pedem a libertação de determinados reféns importantes para a resistência.

Podemos também destruir reservatórios de Bênção, ajudar a levar uma NPC grávida a uma parteira, e por aí vai. São diversas as missões, e elas podem ocupar uma boa parte do seu tempo caso você resolva a elas se dedicar com afinco. Algumas das missões paralelas também envolvem o uso de veículos aéreos, e são bem interessantes (você ganha um avião armado ao completar uma delas, vale lembrar).

Far Cry 5

Algo muito bacana no jogo é o fato de que nunca há ausência de ação (em regiões ainda não controladas totalmente pela resistência). Você está, de repente, dirigindo tranquilamente por uma estrada e se depara com um bloqueio imposto pela seita (liberar tais bloqueios também rende pontos de resistência).

Você está observando a paisagem, posicionado na arma montada de sua picape, com sua arma de aluguel ao volante, se dirigindo para o local de início de alguma missão importante, e carros da seita passam atirando contra você: você pode fugir ou então resolver lutar e eliminar alguns fanáticos. Você encontra moradores sendo mantidos como reféns em diversos pontos do mapa, e pode sempre salvá-los e eliminar seus captores. A ação nunca para, e isto é uma grande virtude do jogo.

Far Cry 5

Outra novidade muito bem vinda (mas que pode causar grandes dores de cabeça ao jogador) é a possibilidade de ser caçado pela seita, além do uso de apoio aéreo contra você. De vez em quando, dependendo da quantidade de problemas que você causa aos seguidores de Joseph Seed, grupos de caça são enviados contra você, e você é então raptado e levado a seus respectivos QGs, onde então passa por tentativas de doutrinação, dependendo do caso, ou por torturas.

Já em relação ao apoio aéreo, aviões e helicópteros podem ser enviados em seu encalço, e até mesmo te levarem à morte caso você não fuja ou não seja capaz de responder de acordo. Aviões inimigos, por exemplo, dão verdadeiros rasantes despejando saraivadas de balas que podem matar o personagem principal bem rapidamente caso você não tome cuidado. Tudo isto adiciona uma camada extra de dificuldade e de variedade ao game, algo que realmente fazia falta.

Far Cry 5

O fato de que estamos agora participando de um grupo de resistência, com mensagens encorajadoras enviadas constantemente pelo rádio, também conta bastante a favor do game, pois temos a sensação de fazer parte, realmente, de um grupo, lutando em prol de um objetivo em comum.

A progressão do jogo, além disso, não é tão linear como nos anteriores. Agora, temos de conversar com NPCs os mais diversos para iniciar missões primárias. Temos de atacar a seita e seus elementos dentro das várias regiões do enorme mapa, desestabilizando-a, de maneira tal a fazer com que missões da história apareçam no log. Vez ou outra, também, missões primárias aparecem apenas após a realização de determinadas missões secundárias importantes para o progresso na história.

Tudo isto deixa este novo Far Cry um tanto quanto diferente de seus anteriores, e acaba dando ao jogador uma sensação de dúvida e aleatoriedade muitíssimo bem vinda: você, com bastante frequência, perceberá que missões principais são iniciadas em momentos não esperados, em momentos em que você, talvez, estivesse pensando em fazer outra coisa.

Far Cry 5

Entretanto, apesar disto tudo, Far Cry 5 não consegue se desligar de muitas coisas que acabam cansando o jogador e que são extremamente parecidas com muito do que já vimos em títulos anteriores da série. Ele não consegue se desapegar de muitas mecânicas e repetitividade, algo que certamente muitos de nós sentimos desde que Far Cry 4 foi lançado.

Apesar de suas novidades, estas acabam sendo suplantadas pela repetição e pela mesmice, muitas vezes: você irá destruir construções e frustrar os planos dos inimigos, terá de fazer de tudo para avançar na história realizando missões que envolvem a liberação de postos avançados (uma atividade divertida, mas que acaba vez ou outra sendo muito ligada a objetivos principais), deverá destruir caminhões pelas estradas, deverá eliminar alvos importantes da seita, e por aí vai.

Não há nenhuma inovação importante ou significativa que faça com que nos surpreendamos da mesma maneira que nos surpreendemos positivamente com Assassin’s Creed Origins (análise aqui), por exemplo. Muito foi reaproveitado, muitos elementos dos jogos anteriores continuam presentes, temos as mesmas mecânicas de jogo, o mesmo tipo de armamento e equipamento, consumíveis similares e bastante repetição em missões primárias e secundárias.

Far Cry 5

Além disso, temos um grande problema relacionado a missões primárias meio que sem sal, as quais não representam ganho ou importância alguma dentro da progressão no jogo. Por exemplo, existe uma missão primária na qual temos de pescar um salmão que servirá como isca para a captura de um urso negro da resistência chamado X-Burger. Tal urso, verdade seja dita, passa a fazer parte, a partir de então, de nosso seleto grupo de armas de aluguel.

Mas a pergunta que fica é: que importância tal missão teve dentro da história? Jacob queria o urso para realizar experimentos, é verdade, mas mesmo assim ficam grandes dúvidas na cabeça do jogador: “o que eu estou fazendo aqui?”, ou, “qual o impacto de tal missão na história?”. E esta não é a única missão principal sem sentido, vale a pena destacar.

Agora, falando a respeito de problemas e bugs, existem alguns muito chatos. Não existe como, por exemplo, deixar o jogo com o áudio em inglês (como eu gosto) e com legendas (em inglês ou em português, tanto faz). Em relação à dublagem em pt-BR, aliás, vale ressaltar que ela não é ruim, e dificilmente percebemos entonações, por exemplo, que não “casam” com aquilo que os personagens estão experimentando, com suas ações no momento, com suas expressões faciais, etc. É óbvio que a dublagem poderia ser melhor, principalmente quando lidamos com alguns NPCs não lá muito importantes, mas tudo bem.

Mas temos problemas relacionados a NPCs e veículos que simplesmente desaparecem na nossa frente, sem qualquer razão aparente, para logo depois reaparecerem, como que por mágica. A IA de nossas armas de aluguel, além disso, vez ou outra dá diversas mancadas. Não foram poucos os momentos em que eu desejava invadir um posto avançado furtivamente e meu companheiro de armas resolvia sair quebrando tudo, falando alto e disparando tiros para todos os lados.

Far Cry 5

Certa vez, também, com Jess, fui obrigado a dar um tiro em sua cabeça para que ela liberasse o assento do motorista para mim (revivendo-a em seguida), pois o comando para tomar posse do veículo (“E”) não funcionava de forma alguma.

Existem bugs, além disso, que fazem com que NPCs deslizem pelo chão, e em determinados momentos, NPCs importantes com os quais você precisa conversar para poder iniciar determinada missão simplesmente entram em estado de conflito, o que inviabiliza temporariamente a conversa. Alguns problemas também estão ligados à forma como as missões são apresentadas ao jogador. Por exemplo, em uma delas, eu deveria pilotar um avião armado e os diversos objetivos eram apresentados paulatinamente. O grande problema era que, morrendo no meio do caminho, eu reaparecia em locais distantes do local onde o avião estava pousado (algumas vezes eu dava spawn dentro do avião, mas isto não era uma regra), tendo então de percorrer vários quilômetros para nele entrar e decolar.

Os controles quando estamos pilotando um avião, além disso, não são muito amigáveis, e em uma das missões aéreas confesso que fui obrigado a literalmente lançar meu avião contra o inimigo, para assim então acabar com tudo. Obviamente, ambos os aviões foram destruídos, e eu tive a sorte de poder ejetar e pular com meu paraquedas.

Há também um recurso em Far Cry 5 que exibe um indicador luminoso na pista tão logo você marca um objetivo no mapa, de maneira tal que você saiba realmente para onde está indo. Pois bem, tal marcador, com bastante frequência, simplesmente desaparece, mesmo você abrindo o mapa e fixando novamente o objetivo. Isto atrapalha bastante, pois muitas vezes acabamos indo pelo caminho mais longo e demorando mais tempo para chegar ao objetivo.

Os gráficos de Far Cry 5, além disso, não representam nenhuma evolução em relação aos jogos anteriores da franquia. Eles são bonitos, verdade seja dita, mas não se trata de nada surpreendente. Creio, aliás, que todos esperam por melhorias gráficas em sequências de jogos, principalmente em sequências pertencentes a franquias famosas, desenvolvidas por verdadeiros gigantes da indústria dos games. Se você jogou Far Cry 3 ou Far Cry 4, bem, espere por gráficos do mesmo nível em Far Cry 5. Isto não atrapalha a diversão, obviamente. Trata-se apenas de algo que poderia ter sido melhorado, mas não o foi (o interior dos veículos, por exemplo, conta com texturas bem feias).

Acredito sinceramente que a Ubisoft precisa fazer com esta franquia o mesmo que fez com a franquia Assassin’s Creed em Assassin’s Creed Origins (valendo lembrar que Assassin’s Creed Odyssey vem aí, também, com mais novidades ainda): é necessária uma revitalização. É preciso dar uma revigorada na série, introduzindo elementos novos, para evitar esta mesmice que acaba cansando um pouco ao longo do gameplay, algumas vezes fazendo com que você anseie pelo final.

Mas Far Cry 5, mesmo assim, é um jogo divertidíssimo. Bonito, com um enredo que poderia ter sido melhor desenvolvido (principalmente com uma maior exploração dos elementos “religião” e “armas”) mas que ainda assim reserva várias surpresas ao jogador (como por exemplo o grande drama vivido pelo protagonista em determinado momento junto à milícia dos Whitetails).

Far Cry 5

Trata-se de um título com um enorme mapa, com inúmeras atividades e missões, com inimigos cativantes e capazes de proporcionar ótimos momentos dentro da narrativa, e com um vilão principal que está, talvez, no mesmo nível de um Vaas Montenegro, guardadas as devidas ressalvas no que diz respeito a elementos exclusivos de cada um dos 2 jogos.

Há também o modo Arcade, é importante destacar, o qual conta inclusive com um poderoso editor de mapas, capaz de dar origem a verdadeiras obras primas. No Arcade, podemos participar de divertidas partidas multiplayer ou cooperativas, em diversos mapas e pertencentes a vários tipos (mata-mata em equipe, mata-mata, etc), e também podemos baixar e jogar mapas muito bacanas criados pela Ubisoft ou então pelos próprios jogadores.

Tais mapas podem ser jogados no modo solo e também na companhia de um amigo, vale lembrar, e é possível, dentro do Arcade, baixar e jogar vários mapas da categoria “Posto Avançado”: ou seja, também aqui é possível exercitar suas habilidades stealth, nesta que é uma das atividades mais divertidas da franquia. Ainda em relação aos mapas criados pelos jogadores, vale ressaltar que existem muitos deles, pertencentes a várias categorias (ataque, posto avançado, jornada e caça à recompensa).

O Arcade é capaz de aumentar bastante a vida útil do jogo, isto não podemos negar, além de contar com ferramentas para que o jogador dê asas à sua imaginação, criando mapas malucos e contendo elementos até mesmo de outros jogos da Ubisoft (um dos postos avançados que invadi no Arcade, por exemplo, continha uma pirâmide).

De qualquer forma, Far Cry 5 é uma bela adição à franquia. Um jogo com um enorme mundo aberto pronto para ser explorado pelo jogador, o qual tem de lidar com uma seita de fanáticos religiosos cruéis e malucos, liderados por um personagem com o qual, muitas vezes, chegamos até mesmo a simpatizar, tamanho é seu carisma e o cuidado com o qual ele foi construído. O jogo não conta com muitas novidades em relação aos títulos anteriores da série, mas as existentes são dignas de nota e capazes de aumentar bastante a diversão.

E o final do jogo, ou melhor, os dois finais possíveis, bem: eles são verdadeiramente impactantes, capazes de sacudir até mesmo os jogadores que já estavam meio cansados da campanha. Eles deixam também algumas questões em aberto, vale ressaltar, além de contarem com doses de drama e ação intensas. Vale a pena curtir a brincadeira até o final, isto eu posso garantir.

Ficha técnica

Título: Far Cry 5

Gênero: ação, mundo aberto, FPS

Desenvolvedora: Ubisoft Montreal

Publisher: Ubisoft

Data de lançamento: 27 de Março de 2018

Plataformas: PC, PlayStation 4 e Xbox One

Versão analisada: PC

Pin It on Pinterest