Xbox Live Arcade

Li um artigo bem interessante no Kotaku, que fala a respeito do aumento no decorrer dos anos dos valores praticados na Xbox Live Arcade para os games ali comercializados. Tal artigo me fez meditar por um certo tempo a respeito do assunto, e então me sentei para escrever este artigo. 🙂

Na verdade, trata-se de um estudo que menciona e relaciona o aumento nos preços dos XBLA’s também com o “evento” anual Summer of Arcade, e o “impacto”, se podemos considerar assim, que este último iniciado em 22 de julho com Splosion Man (da mesma produtora de The Maw, outro jogo que adorei) terá sobre o futuro da tabela de preços da Xbox Live Arcade.

Na verdade o Kotaku parece considerar apenas o aumento de preços por si só, e apesar de mencionar o aumento de tamanho dos jogos vendidos através de download pela Microsoft, isola o fator “aumento” de qualquer outro parâmetro e assim parece definir que os jogos estão ficando cada vez mais caros, e só. Ponto final. E tal maneira de pensar não é exclusiva do autor do artigo: já vi muita gente pensando desta forma.

Preço dos jogos vendidos na Xbox Live ArcadeSim, os XBLA’s estão realmente ficando cada vez mais caros, e já existem jogos custando 1600 Microsoft Points (ou US$ 20,00), como por exemplo “Watchmen: The End is Nigh“. Mas o trabalho e o investimento necessários para a produção de jogos de tal porte, como um Braid, por exemplo (1200 Microsoft Points, ou US$ 15,00), não justifica tais preços?

Pode-se até argumentar que Braid foi desenvolvido por uma única pessoa (não que isso tire seu mérito e/ou seu valor), mas e Shadow Complex, por exemplo, que será lançado em 19 de agosto próximo? Tudo o que já ouvimos falar do jogo não nos leva a crer que os US$ 15,00 (R$ ± 30,00) cobrados não serão mais do que justos?

Ou será que alguém ainda acredita que um produto e/ou game deve ser avaliado também ou tão somente pelo fato de ser ou não disponibilizado “fisicamente”, em uma caixa com manuais, encartes e um DVD? Não sei, sempre quando vejo alguém criticando o valor dos jogos vendidos através de download apenas e tão somente mencionando este fator me fica aquela sensação de que “falta algo” na linha de raciocínio desta pessoa.

Poxa, uma mídia custa barato. Um DVD virgem pode ser conseguido por até meros R$ 1,00. Então, onde está o valor aqui? Se formos avaliar bem o “valor físico” (nome estranho, não?) de um jogo full, retail, como um Halo 3, por exemplo (considerando-se apenas o valor da mídia, da caixa, do manual e dos encartes impressos, etc), chegamos facilmente à conclusão de que este não ultrapassa meros R$ 10,00, quando muito. E isto “chutando alto”. Onde está o “real valor”, portanto?

Acredito que este esteja na obra, independentemente da maneira como ela é disponibilizada, do meio através do qual ela é vendida e/ou armazenada. Chegamos a um ponto onde temos de considerar o “ser” pelo “ser”, e pronto. Conteúdo é tudo, como dizem por aí, e em tempos de web 2.0, ele vale ouro. E é por este “ouro” que pagamos quando compramos um XBLA.

GamesCompramos o jogo, não uma caixa de plástico e/ou um DVD. Estes são meros acessórios. Compramos o direito de utilização do resultado do trabalho e do investimento de outras pessoas. Pagamos por algo de qualidade (ok, nem sempre é assim) mas em suma, é isto. Em minha modesta opinião, Braid vale cada um de seus 1200 MS points. O mesmo pode ser dito de Battlefield: 1943. Kodu vale muito mais do que os 5 dólares por ele cobrados.

Shadow Complex parece ser fantástico, e não me importo em pagar 15 dólares por algo assim. Trials HD vai pelo mesmo caminho. O que ocorre é que os XBLA estão ficando cada vez mais complexos, grandes e custosos. Cada vez mais dinheiro, tempo e pessoal está sendo investido nas produções. A distribuição eletrônica elimina algumas limitações físicas que o jogo “in the box” ainda possui, como entrega, frete, etc. Tais vantagens trazem consigo diversos “adicionais”, e é natural que alguém tenha de pagar por eles.

Não questiono a opinião pessoal de cada um aqui, que fique bem claro este ponto. Apenas defendo meu ponto de vista de que vejo a XBLA e os preços ali praticados com bons olhos, haja visto a qualidade do que está sendo oferecido. Jogos que nos fazem pensar não em um XBLA, mas sim em um jogo “normal”, comprado em uma loja. Gráficos fantásticos, jogabilidade apurada, diversão garantida. Tudo isto tem um preço, e não é só porque não tenho o DVD do jogo comigo que o valor de tal obra deve ser diminuído.

A diversão e o prazer de jogar são os mesmos. 🙂

Poderá gostar também

Pin It on Pinterest