Electronic Arts retira Medal of Honor de rotação; Battlefield ganha mais atenção

Medal of Honor carrega um nome de grande peso. É uma das séries de tiro mais conhecidas do mercado e uma das raízes dos principais shooters militares atuais. São 14 títulos, começando em 1999, com Medal of Honor para PlayStation, e terminando em 2012, com Medal of Honor: Warfighter. Em 2007, a série entrou em um hiato nas grandes plataformas e só retornou três anos depois, quando a Electronic Arts resolveu dar um reboot na franquia, abandonando a Segunda Guerra Mundial e entrando nos conflitos militares atuais.

Medal of Honor, de 2010, chegou de fininho em um mercado já praticamente dominado por Battlefield e Call of Duty, alcançou alguns números muito bons aqui e acolá e, com algumas ressalvas, agradou a crítica. Animados com o relativo sucesso do retorno da franquia, agora ambientada no conflito recente no Afeganistão, a Electronic Arts lançou a continuação Medal of Honor: Warfighter, ano passado. Não deu certo.

Na sua recente entrega do relatório fiscal, a EA anunciou que retirou a franquia de rotação — muito provavelmente não veremos um novo MOH tão cedo assim, talvez nunca mais. Segundo o chefe de operações da empresa, Peter Moore, Medal of Honor: Warfighter, o título mais recente, ficou muito abaixo das expectativas em termos de críticas e vendas.

“O jogo era sólido, mas o foco na autenticidade dos combates não agradou os consumidores”, disse Moore, que ainda insistiu em acreditar que o jogo era bom apesar das péssimas notas dadas pela crítica especializada. “A crítica foi polarizada e deu notas que eram francamente mais baixas do que era merecido. Agora isso ficou para trás. Nós estamos tirando Medal of Honor de rotação e trazendo uma continuidade da oferta ano-após-ano de shooters“. Essa última parte provavelmente significa que a empresa tentará alternar anualmente o lançamento de shooters militares, numa política semelhante ao que a Activision faz com Call of Duty. Das duas, uma: ou Battlefield se tornará anual, ou teremos um shooter militar totalmente novo. Como se o mercado já não estivesse extremamente saturado…

O presidente de marcas da empresa, Frank Gibeau, assumiu a culpa da empresa pelo fracasso — quem sabe o fim — dessa famosa franquia. “Nosso negócio é orientado pelo sucesso de grandes hits onde tudo se resume ao que você consegue realmente construir em um certo período de tempo e entregar ao mercado, e francamente nós falhamos com Medal of Honor. Nós tomamos a responsabilidade disso.”

Com Medal of Honor riscado do mapa, todos os recursos da empresa do ramo devem seguir para a franquia-irmã, Battlefield, que está se saindo muito bem. Recentemente, a edição premium de Battlefield 3, que conta com todos os seus cinco pacotes de mapas, alcançou 3 milhões de assinantes desde que foi lançada em maio de 2012. Battlefield 4 já está prometido e deve sair só em 2014, segundo o site VG24/7.

Artur Carsten

Catarinense, amante da música eletrônica, estudante de medicina e jogador nas inexistentes horas vagas. Ocasionalmente, escreve artigos e coloca em dia a pilha interminável de jogos comprados em promoção no Steam. Já passou pelo Campo Minado, Continue, Guia do PC, Gemind e Oxygen e-Sports.

Twitter  

Poderá gostar também

30 Comments

  1. isso me cheira a mais bf por ai sem nenhuma história, like a cod, bf era de 6 em 6 agora de 2 em 2 e depois vai ser anual?

    Reply
    • @matheus,

      A EA na verdade levou o que merecia…rs Pena terem estragado a franquia. Estragado e, quem sabe, acabado com ela, mesmo. Agora bem capaz de tentarem transformar o BF em COD. Lançamentos anuais, etc. Call of Battle: Modern Field…hehehe

      Reply
  2. Embora eu não tenha jogado os jogos atuais do MMH,eu sempre gostei do estilo do jogo,mas como a concorrência é acirrada e o que importar é vender o jogo provavelmente fica rá na geladeira por um bom tempo.

    Concordo que está ficando muito tenso o mercado de jogos.lançam um jogo atrás do outro,não deixam nem respirar direito! rsrs

    Agora quem não tem condições de comprar todo lançamento,fica difícil de acompanhar.é a industria que sempre visa o lucro primeiro rs.

    Reply
    • @Rafael,

      Eu também. E esse lance de muitos lançamentos, de diversos gêneros, ao mesmo tempo, também acaba com a gente, mesmo. Não dá tempo de acompanhar tudo, e isso vai formando filas (ou frustrações). Mas é triste ver essa franquia sendo destruída, viu.

      Reply
  3. calma @rafael, é só a EA estragando mais uma franquia………..

    Reply
  4. eu ri do Call of Battle: Modern Field
    e não duvido que eles façam isso, não um anual, mas bianual, o que é uma falta de respeito pq o lançamento é 100+US$, eu não compro battlefield desde o 2142 por falta de grana mesmo, não tenho coragem de gastar quase metade de um salário em um game que exija dlcs constantes(mesmo sendo alguns bons, mas o preço…), eu gasto até 400R$ em um GTA por que tenho a certeza de que vai durar anos a diversão afinal a história que vem nele é completa e não vendida aos poucos como forma de dlc, ou como um “novo” game anual like cod…….

    Reply
    • @matheus,

      Hahahahahaha…

      Nem eu duvido, Matheus. Sabe, isso que é duro. Um jogo desses, por exemplo. Ouvi falarem muito, muito mal do Warfighter. Aí, você compra, pelo mesmo preço (não mais agora), um Skyrim, ou um Far Cry 3. E vê o seu dinheiro render. Muito. Pior que a Activision é dura na queda e dificilmente reduz o preço dos COD. Já a EA: viu o preço que está atualmente o Warfighter? hehehe

      É complicado mesmo. E se pensarmos, por exemplo, em um sandbox gigantesco como o Minecraft, e compararmos o preço dele com um COD? Não estou dizendo aqui, longe de mim, que não jogo e/ou nunca joguei COD. Seria mentira. Até hoje o Black Ops II está instalado na minha máquina, mas ainda não consegui terminar. Falta saco, sei lá. Talvez eu comece a dar uns tiros no multiplayer pra desestressar (mas mesmo nessa parte, o Far Cry 3 é tão BOM). O que quero dizer é que existem diferenças gritantes que doem muito no bolso.

      Reply
  5. verdade, no fim das contas os indies vão dominar o mundo.
    ps mudei pra cryengine3 simplismente pelo fato de editaro mundo dos games mais rápido.

    Reply
    • @matheus,

      É. Ou, no mínimo, grandes publishers vão ter que rever seus conceitos. A EA, então, vai ter que ser reconstruída, talvez…hehehe

      Opa, CryENGINE 3? Bacana!

      Reply
  6. É uma pena. Eu que joguei os jogos antigos e era muito fã, lamento. Mas concordo com o lado comercial: Battlefield dá MUITO mais retorno. Eu nem joguei os jogos mais recentes de MoH…

    Reply
    • @Erick Mendonça,

      Realmente. Eu também. Eu joguei o último, de 2010. Foi legal, mas sem comparação com os antigos. Triste isso.

      Reply
  7. vdd, a EA deixou o poder subir… ai a merda que deu, ah e achei a cryengine3 mais fácil que udk pra iniciantes como eu, já estou terminando a primeira ilha, é muito fácil, é como se estivesse usando o starcraft ou simcity pra colocar as coisas e modifica-las.

    Reply
    • @matheus,

      Subir e extravasar…rsrsrs

      Poxa! Sério? Mas de qualquer forma, “imergir no código” sempre é necessário, né. Agora, a versão free também tem aquele lance de pagar royalties, como a UDK, né? Deve ter, os caras não dão ponto sem nó…rsrs Ou só pode mesmo ser usada para projetos não comerciais?

      Reply
  8. para distribuir de graça não tem cobrança, mas se for vender é 20% do valor do produto, mas o que fico feliz é que de graça é mais gostoso e não tem cobrança….

    Reply
    • @matheus,

      Bacana pra caramba, hein. E a screenshot está sensacional. Gostei muito! Que gênero de jogo é?

      Reply
  9. vou começar com fps, e depois que estudar mais vou mudar pra rpg-fps em 1 e 3 pessoa

    Reply
    • @matheus,

      Sensacional! Não deixa de postar aqui qualquer novidade. 🙂

      Reply
    • @matheus

      Poxa, já foi pros favoritos. 🙂 Mas acho que é demais pra mim…rs

      Reply
  10. ele mostra as ferramentas básicas, mas o resto fica a cargo da imaginação.

    Reply
    • @matheus,

      Ah, sim. Mas, grande parte de conhecimentos em programação, design, e mais uma série de coisas também é necessária…rsrs

      Reply
  11. nem tanto, com a cryengine tem que saber lógica apenas, é surpreendentemente fácil de fazer, fico imaginando as possibilidades com a completa U_U

    Reply
    • Olha, Matheus, você está quase me fazendo tentar…hehehe 😀

      Reply
  12. tenta, é fácil, com os primeiros tutoriais dá pra fazer algo legal(com um pouco de imaginação)

    Reply
    • @matheus,

      Quase convencido…hehehe Tive algumas experiências não muito legais com a Unity e algumas outras, daí esse medo. Mas acho que vou tentar. 😀

      Reply
  13. eu não tive foi com a udk, mas com a cry foi como the sims 3, agora eu estou aprendendo maya, 3dmax, auto-cad, e mudbox, e por ultimo vou no photoshop paraas texturas. XD

    Reply
    • @matheus,

      Poxa. Quanta coisa, cara. Que bacana!

      Bem, com a Unreal free nunca cheguei a ter contato algum…rsrs Vamos ver…rs 🙂

      Por falar em Auto Cad, há uns 10 anos atrás eu trabalhei com o software. Só que em desenho industrial. Adorava.

      Reply

Submit a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Pin It on Pinterest