Exploit proposital em Dead Space 3: falha ou jogada de marketing?

Bugs existem em todos os jogos, por mais bem polidos que sejam — não há como evitar. Quando eles são utilizados para obter vantagem indevida, passam a ser chamados de exploit. Agora que você já sabe disso, vai ficar mais fácil entender o que aconteceu com Dead Space 3, o aguardado jogo de terror da Visceral Games, que saiu semana passada. No mesmo dia do seu lançamento, jogadores descobriram uma falha que permite acumular um número infinito de suprimentos e itens utilizados na montagem de armas e outros elementos do jogo. Um bug.

Isso não seria grande coisa se não fosse por um pequeno detalhe: Dead Space 3 costuma cobrar por tais suprimentos — com dinheiro real, exigindo cartão de crédito e tudo, através de um polêmico sistema de microtransações (aquele que normalmente vemos em jogos Free-to-Play). Logo, utilizar o tal bug seria o mesmo que roubar da Electronic Arts, uma vez que você está tendo uma vantagem indevida, que apenas um jogador que pagou por isso deveria ter. Um exploit, portanto. Quase um cheat.

A falha funciona de modo bastante simples e, com um pouco de atenção durante a jogatina, é possível encontrá-la. Eu mesmo estou jogando Dead Space 3 no momento e encontrei o infame bug sem nunca ter visto onde ele acontecia. O vídeo abaixo, de pouco mais de 1 minuto, mostra como funciona o exploit. Consiste basicamente em entrar e sair de um abrigo: toda vez que você deixa o abrigo, os itens lá dentro “respawnam”. Logo, basta apenas ficar entrando e saindo para recolher os itens que ressurgem na sala.

Uma falha tão absurda como essa levou os jogadores a acreditar que ela seria corrigida rapidamente pela Visceral Games. Afinal de contas, o exploit burla o sistema de microtransação do jogo e causa prejuízos a produtora. Ou pelo menos assim se pensou. O site GameFront, responsável pela descoberta, contactou a Electronic Arts, esperando alertá-los sobre o problema. Porém, a resposta que veio foi completamente inesperada.

“A mecânica de obtenção de recursos/suprimentos em Dead Space não é uma falha. Nós não planejamos corrigir esse aspecto do jogo. Nós encorajamos os jogadores para que explorem o jogo e descubram áreas onde os itens ressurgem gratuitamente. Nós deliberadamente construímos Dead Space 3 para permitir que jogadores coletem recursos enquanto jogam. Para quem desejar acumular recursos instantaneamente, nós incluímos um sistema opcional para a compra de recursos por um preço mínimo (US$ 1 – US$ 3)”, disse Jino Talens, relações públicas da EA.

Dá pra acreditar? Foi tudo planejado!

“Additional Resources Required” = Os US$ 60 que você pagou pelo jogo foi pouco, queremos mais.

Vale lembrar que os tais suprimentos, que podem ser coletados infinitamente utilizando esse exploit, aparecem ao longo de todo o jogo. Trata-se de itens necessários para a construção de armas, upgrades, pacotes de munição e kits médicos. Acumulando-se uma certa quantidade deles, basta prosseguir para uma estação de montagem (chamadas no jogo de benchs) e construir os itens desejados. Para quem é apressado e não gosta de explorar os cenários atrás de itens, é possível comprá-los diretamente através do sistema de microtransação do jogo e recebê-los na hora.

Com o exploit, fica fácil reunir uma quantidade enorme de suprimentos em pouquíssimo tempo, anulando qualquer necessidade de pagar por itens in-game em um jogo que já é pago. Em qualquer outro jogo, essa falha seria escandalosa. Em Dead Space 3, a “falha” nunca existiu, segundo a EA. Jogada de marketing ou não, esse acontecimento foi o suficiente para abafar a polêmica sobre o sistema de microtransação do título.

Well played, EA.

Artur Carsten

Catarinense, amante da música eletrônica, estudante de medicina e jogador nas inexistentes horas vagas. Ocasionalmente, escreve artigos e coloca em dia a pilha interminável de jogos comprados em promoção no Steam. Já passou pelo Campo Minado, Continue, Guia do PC, Gemind e Oxygen e-Sports.

Twitter  

Poderá gostar também

8 Comments

  1. nem comento essa da ea VS visceral

    Reply
  2. né…. eu já não me importo mais de terminar ele com trainers, mas pagar por itens que não vou, pra que pagar por algo que faz parte do jogo que já paguei?

    Reply
    • @matheus,

      Negócio ridículo, esse. Tudo já está no jogo. Caramba, pagar pra liberar itens para montagem de armas e outras coisas? Nem estamos falando de DLCs que adicionam novas armas (outra praga). O negócio é pior ainda. Ainda bem que “desenvolveram” esse bug…hehehe

      Reply
  3. estou no forum, essa versão alpha esta sendo feito na sdk, e depois vai ter um kickstarter pra eles comprarem a engine completa, mas como o criador disse, eles querem mostrar algo já em mãos antes de pedir algo

    Reply

Trackbacks/Pingbacks

  1. Sim, você quer sua Cidade virtual. EA praga do DRM não deixa! - [...] Se a própria Ubisoft, outrora utilizadora de um DRM similar, deixou isto de lado, porque a Electronic Arts lançou…
  2. Electronic Arts, humildade, bons jogos e preços baixos - […] se você não gostou das “novidades” e da forma como este game chegou ao mercado, pagar um dólar pode…
  3. (Review) Tom Clancy's Splinter Cell: Blacklist - […] ou “blindagem”, por exemplo. E pode ficar tranquilo, para tudo isto não existem microtransações absurdas: basta utilizarmos o dinheiro…

Submit a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Pin It on Pinterest