Não é segredo para ninguém que Peter Molyneux, o “cabeça” por trás da série Fable, da Lionhead Studios, tem uma garganta fenomenal, e costuma falar bastante a respeito de Fable, dizendo maravilhas a respeito dos games da série, principalmente quando algum lançamento da franquia está por vir. É claro que ele quase sempre tem razão naquilo que diz, salvo determinadas  ressalvas quanto às prometidas e alardeadas “grandezas”.

De qualquer forma, o cara é uma espécie de guru da área de games/RPG’s, além de ser um visionário, e sempre faz promessas e mais promessas quando comenta a respeito dos lançamentos de sua empresa, dentre elas a de que Fable 3 fará uso do Projeto Natal. Bom, o fato é que Fable 2 é um grande RPG, e já começa a se formar um certo burburinho em torno de sua sequência.

Temos um grande RPG vindo por aí?

O Site IGN fez uma lista com “cinco coisas que a Lionhead precisa fazer para criar o maior RPG de todos os tempos“:

  • História e personagens mais complexos, e aumentar a qualidade da narrativa;
  • Personagens mais críveis, expressando reações mais humanas;
  • Incremento na quantidade de escolhas;
  • Consequências mais impactantes, baseadas nas escolhas do jogador;
  • Aumento na quantidade de monstros presentes no game;

Eu concordo em gênero, número e grau com a colunista do IGN que montou a lista, Hilary Goldstein. Ao jogar Fable 2 sempre tive a impressão de que algumas coisas eram meio infantis e que determinados aspectos do game eram meio que travados. Não que o RPG não seja fantástico, mas algumas coisas não estão de acordo com tudo aquilo que Molyneux disse antes do lançamento do game, e a ansiedade (ou decepção) por tudo isto foi magistralmente resumida na lista acima.

Fable 3: uma evolução natural

É claro que o próximo Fable será infinitamente melhor que seu antecessor, tendo este servido como aprendizado, e a evolução é algo natural neste campo, quando se lida com mentes brilhantes como a de Molyneux. Fico aqui imaginando que talvez tenhamos algo similar (porém melhorado) a “The Elder Scrolls IV: Oblivion”.

Pelo menos, é o que eu espero para Fable III: um mundo enorme para ser explorado, personagens cativantes com reações bem mais humanas, consequências variadas baseadas em inúmeras possibilidades de escolha, gráficos belíssimos e, é claro, uma jogabilidade sem igual, com ou sem o Projeto Natal.

O que faz um grande RPG

É claro que o que faz um grande RPG não são seus gráficos: estes são apenas parte do conjunto. Um grande RPG deve dar ao gamer a possibilidade de trilhar seu próprio destino “in-game”, de sofrer ou desfrutar as consequências de suas ações. Ele deve ir além da simples linearidade, sempre, mesmo em detrimento da curva de aprendizado e/ou da dificuldade.

Um grande RPG é, antes de tudo, uma história na qual temos o poder de decisão, e a interação com o ambiente e os personagens deve ser total (ou quase). Isto está bem expresso e presente em Fallout 3 e em Oblivion, ambos da Bethesda: virá Fable 3 com estas mesmas características, ou irá o novo RPG da Lionhead superá-las? Eu creio que sim, e você? 🙂

Poderá gostar também

Pin It on Pinterest