Finalmente terminou o Steam Summer Camp Sale. Foram 11 dias durante os quais muitas coisas que discutimos aqui mesmo no  XboxPlus se concretizaram. O Steam, como sempre, descarregou sobre nós uma carga massiva de jogos, e mais uma vez muitos de nós fomos expostos a títulos e/ou promoções muitas vezes danosas a nossos bolsos e mentes. Filas de games para serem jogados aumentaram ainda mais, compras desnecessárias, quem sabe, foram realizadas, e ao final de tudo o site de distribuição digital da Valve volta a ser o que era antes.

É engraçado, e notável, realmente, como o Steam consegue nos fazer gastar. Outros serviços, como o Direct2Drive, por exemplo, tentam realizar promoções semelhantes, mas falta algo. Falta algo que “arranque” o nosso dinheiro mesmo contra a nossa vontade, muitas vezes. É preciso muita força de vontade para resistir a certos itens, situações, combinações e preços que apareceram nestes 11 longos dias de “promoções gamers” no Steam. Muitos jogadores compraram por pura compulsão, e eu mesmo me vi checando o site diariamente à espera de títulos que já tinha por certo serem destinados à minha fila.

O que faz com que sintamos tamanha vontade de comprar? Estaria a Valve, o Steam e sua maneira de trabalho criando um novo tipo de vício (ou alguma variante), o qual devido à agilidade da entrega e ao altíssimo “fator barganha” faz com que o viciado se sinta cada vez mais tentado a comprar, mesmo que já esteja com seus bolsos cheios?

Eu fico tentando imaginar qual foi o faturamento do Steam durante o “Steam Summer Camp Sale”. Pouco não foi, com certeza. E, mais uma vez, aprendemos algo que a distribuição digital, em especial o serviço da Valve, nos mostra com poucas palavras há tempos: vale a pena esperar. Portal 2, o triste Duke Nukem Forever, Red Faction: Armageddon, Terraria e inúmeros outros títulos recentes “apareceram” durante o acampamento de verão, com descontos muito bons.

Muitas vezes necessidades as mais diversas fazem com que um jogador obtenha e/ou tenha de comprar um jogo antecipadamente, como é o meu caso. Foi o caso, por exemplo, de Duke Nukem Forever, o qual recebi para review. Entretanto, não deixo de perceber o quão benfazeja pode ser a espera, neste caso. Digo isto com meu lado racional, digamos. Pois o lado gamer, o lado impulsivo, o lado que adora um lançamento, este é uma fera quase indomável. Parece que a interatividade e a imersão imbuídas nos jogos eletrônicos vão além do “simples” ato de jogar, e nos transformam em NPC’s controlados sabe-se lá por qual máquina distante e com certeza alheia às nossas necessidades.

É óbvio que todos adoramos estas promoções. Ninguém pode negar este fato. O que creio cada vez mais, porém, é que estratégia nestes momentos é essencial. Usei uma estratégia sugerida por um dos leitores do XboxPlus, e esta me ajudou bastante, aliás. Fui adicionando em minha wishlist alguns jogos pelos quais possuía interesse e a partir dela, então, observava diariamente os preços e suas oscilações. Foi assim que consegui, por exemplo, Twin Sector de US$ 4,99 por US$ 1,70, Dreamkiller de US$ 29,99 por US$ 7,49, “Penny Arcade Adventures: Precipice of Darkness Combo Pack” de US$ 11,99 por meros US$ 1,80, etc. Não são games “top”, digamos, mas este é um mero exemplo de como podemos gastar menos.

Cada vez mais percebo que o próprio Steam, em si, requer muita cautela e estratégia por parte do cliente. Me arrependo, aliás, amargamente, de ter comprado Frontlines:  Fuel of War por seu preço full sendo que poucos dias antes do acampamento de verão ele entrou nos “daily deals” por um preço muito camarada. Não me arrependo de ter comprado o game, claro, pois ele aparenta ser fenomenal. Me arrependo de não ter aguardado.

Mas aí entra, também, outro fator. O outro lado da questão, melhor dizendo. Uma promoção não aproveitada agora pode também resultar em frustração e, de certa forma, sabe-se lá quando o mesmo game vai ser vendido por aquele mesmo super preço. Me parece que com o advento da distribuição digital, estejamos falando de consoles ou PC, o risco de nos vermos em maus lençóis devido a gastos excessivos aumentou bastante. Quando comparamos nossa vida de gamer antes e depois das compras via download notamos claramente o “estrago”. Financeiro e psicológico, pois acabamos não jogando por falta de tempo e ao mesmo tempo nos sentindo mal por não aproveitar algo pelo qual pagamos.

A agilidade, a praticidade e as vantagens que obtemos por um lado acabam nos prejudicando de diversas formas. E não estamos falando de algo  isolado, aliás, pois compulsões estão presentes em diversas “áreas”, e diversos tipos de pessoas sofrem (ou não) com este “mal”.

E cá estamos nós, findo o “acampamento de inverno”. Cheios de jogos em nossas filas, cartões de crédito, quem sabe, repletos de “vapor”, cabeças, talvez, cheias de culpa, e “alguns” jogos a mais para jogar. E o ciclo não pára, é claro. Em relação ao Steam Summer Camp Sale, um de seus fatores positivos foi o fato de, através dele, termos tido a oportunidade de perceber diversos price drops: Star Wars: The Force Unleashed II, Borderlands: Game of the Year Edition (aliás, sua versão “normal” de Borderlands agora é GOTY), etc.

Senti falta também, desta vez, de um melhor “balanceamento” na criação de cada “rodada”, e até mesmo na variedade de jogos apresentada durante cada um dos 11 dias de promoção. Onde estavam, por exemplo, os simuladores? Trainz Simulator 12? Com um catálogo tão grande, por que ocorreram tantas repetições? E os pacotes indies? E o desbloqueio/bloqueio de Alpha Protocol?

O Steam cometeu alguns errinhos, em minha opinião. Mas talvez isto tenha sido bom. Gastamos menos (ou não) e agora tempos mais tempo, mesmo que pouco, para colocarmos em ordem nossas filas. Eu agora entrarei em meu abrigo e tentarei ficar livre de qualquer tentação gamer além das necessárias. E vocês? 🙂

Poderá gostar também

Pin It on Pinterest