Mafia II estava na minha wishlist há tempos. Mesmo após as notas não muito boas que o título recebeu por aí, ele não saiu da minha lista. Não sou do tipo de gamer que costuma levar muito a sério notas dadas em reviews. Em minha opinião um review é a análise de um gamer. Um gamer que pode possuir mais gabarito que eu, por exemplo, em determinados aspectos, e analisar um game mais a fundo. Mas isto não me impede de gostar de um jogo nem tampouco de comprá-lo, principalmente após baixar sua demo e perceber que gostei do que vi e joguei.

Foi o que ocorreu com Mafia II. Após a compra durante o período de pré-venda, fiquei em uma ansiedade tremenda, aguardando o dia de lançamento. Quando este ocorreu, corri para realizar o download do game, e como os problemas com a nova versão da nVIDIA PhysX já haviam sido resolvidos quando instalei a demo do game, tudo transcorreu da maneira mais tranquila possível, durante a instalação do game.

E posso dizer uma coisa a vocês: Mafia II é fantástico. É claro que muitos tentam compará-lo a GTA IV, e isto pode provocar algumas decepções. Mafia II também possui um cenário totalmente aberto, mas com ressalvas. Diferentemente do título da Rockstar, a liberdade em Mafia II não é tão grande. Você deve realizar as missões, e em algumas delas você terá um tempo pré-definido. Por exemplo, em uma delas você deve concretizar a missão antes da meia noite, e um relógio muito desesperador aparece no canto superior direito, sempre te lembrando de que o tempo urge (aliás, foi ao jogar esta missão que gravei o vídeo de gameplay ques segue mais abaixo, a qual se passa durante a noite).

Mas comparações deste tipo são inevitáveis entre games que possuem alguma semelhança entre si, mesmo que estas similaridades estejam presentes basicamente na temática. Mesmo assim, Mafia II está me prendendo. Literalmente. Apesar da liberdade limitada, perambular por Empire Bay é maravilhoso, seja andando seja dirigindo um dos diversos carros que você pode pegar na garagem do seu amigo Joe ou então simplesmente roubar, nas ruas. É possível se apossar de qualquer veículo, até mesmo de caminhões. A sensação de realidade que se sente enquanto na cidade é muito grande. As pessoas andam tranquilamente pela rua, por exemplo, e você consegue perturbá-las, se desejar, e muitas vezes causar algumas reações um tanto quanto hilárias.

É possível, também, entrar em lojas de armas e incrementar o seu arsenal. É possível até mesmo atirar contra civis inocentes. É claro que neste caso a polícia é acionada e você terá de lidar com as consequências. Aliás, vale ressaltar que os carros possuem um limitador de velocidade que você pode ativar ou desativar. É que para uma “boa convivência”, digamos, e principalmente para evitar que a polícia fique na sua cola, você deve evitar ultrapassar os limites de velocidade. “Passe voando” por um cruzamento cujo farol está vermelho, tendo o azar de ter um carro de polícia por perto, e você verá que bela perseguição será iniciada. 🙂

Um game com uma grande parcela sandbox como Mafia II é algo que eu aprecio muito, mesmo que uma certa linearidade no tocante à execução das missões esteja presente. O protagonista Vito Scaletta, um italiano que passou por maus bocados na Itália durante a segunda guerra mundial como uma espécie de castigo por ter participado de atos ilícitos, sendo ele próprio um imigrante italiano cujo pai enxergava uma grande oportunidade na América, pretende “fazer seu nome” na máfia italiana em Empire Bay, e o game conta sua história, com você no papel do Vito.

Gráficos belíssimos e trilha sonora típica da época ajudam a criar um clima mais do que perfeito para um game “mafioso”, e um dos fatores que mais me impressionou em Mafia II foi a questão das mudanças climáticas, que ocorrem dinâmicamente, bem como as variações entre os diversos períodos do dia. Ocorre muito frequentemente de você entrar em determinado local, por exemplo, para conversar com algumas pessoas, tendo deixado lá fora um belíssimo dia ensolarado, e dependendo do tempo que levar a tal conversa ou o que quer que seja que você tenha realizado no interior do local, você se deparar com uma também belíssima noite quando sair em direção ao seu carro. Até com neve você se depara, em algumas destas situações, e é tudo muito bonito.

A variação climática e a mudança entre o dia e a noite são muito realistas em Mafia II, e a 2K realizou um belíssimo trabalho no tocante à ambientação, além de tudo. Digamos que Empire Bay seja uma versão fictícia da Nova Iorque dos anos 40-50. Os cidadãos se vestem de acordo, e você mesmo pode escolher diversos trajes muito bonitos para vestir, quando sair às ruas. O sistema de cobertura de Mafia II é perfeito, em minha opinião, e não sofre dos problemas que o sistema de cobertura de Kane & Lynch 2: Dogs Days sofre (aliás, outro título mostrando o mundo do crime, porém de modo muito mais brutal).

Mafia II também pode ter seus defeitos, e talvez muito disto esteja relacionado com a grande espera (cerca de 8 anos) e com a expectativa criada em torno do jogo. Muitas vezes, nestes casos, as pessoas se esquecem de olhar para as qualidades do trabalho e se focam somente nos defeitos, se esquecendo de que nenhum game é perfeito.

Mafia II me surpreendeu bastante, e continua me surpreendendo. Ontem à noite mesmo ele me “tomou” 3 horas de jogatina. Brincando. E, como sou muito fuçador, e como se trata de um título “aberto”, em essência, é muito provável que eu demore muito tempo para terminá-lo, principalmente devido à minha grande e sempre crescente fila de games.

Mas se você procura um jogo divertido, belíssimo, e que permite uma “liberdade com ressalvas”, além de oferecer um gameplay intenso e variado, colocando você em diversas missões diferentes e ainda permitindo que você passeie por uma cidade fictícia, de carro, dirigindo tranquilamente e inclusive respeitando o trânsito e a sinalização, não deixe de pelo menos conferir a demo de Mafia II.

Agora, se você se decidir pela compra e não ver problema algum em jogar o game no PC (como eu), aconselho a compra da Mafia II: Digital Deluxe Edition. Esta edição acompanha um belíssimo art book, trilha sonora gravada pela Orquestra Filarmônica de Praga, um mapa completo de Empire Bay e alguns itens in-game. A Digital Deluxe Edition, para PC, sai bem mais em conta que a Collector’s Edition, para o Xbox 360 ou para o Playstation 3, e a diferença (desconsiderando a questão “digital versus mídia/caixa), está justamente no lado “palpável” da coisa: uma caixa metálica.

Gravei um pequeno vídeo de gameplay de Mafia II, o qual segue abaixo e no qual procurei demonstrar algumas coisas interessantes a respeito do game, sem me preocupar com a missão nem tampouco com cuidados em relação ao carro e/ou à polícia. Não me preocupei nem mesmo com o fato de roubar e utilizar um carro que já era procurado pelo departamento de polícia (é por isso que a polícia vem com tudo para cima de mim, quando paro no posto de gasolina). 🙂

Eu poderia ter utilizado meu próprio carro, o qual estava estacionado na porta do restaurante (ou melhor, um carro emprestado pelo Joe), mas quis mostrar a vocês como era o “processo” de roubar um carro em Mafia II. Vale ressaltar que batidas causam danos a você, e estes podem ser “curados” através da ingestão de comida e bebidas (inclusive alcoólicas).

Fiquem com o vídeo. Espero que gostem:

Link direto para o vídeo:

http://www.youtube.com/watch?v=qrV1tzwxmQk

Poderá gostar também

Pin It on Pinterest