A THQ anunciou que Homefront vendeu, nas primeiras 24 horas após o seu lançamento, nos Estados Unidos, 375 mil cópias. Brian Farrell, CEO da empresa, disse o seguinte: “Estamos muito satisfeitos com as vendas de Homefront em seu primeiro dia, e já estamos atendendo a novas encomendas para o game, de muitos varejistas“.

Segundo Danny Bilson, também da THQ, 200.000 pessoas compraram o game durante a pré-venda. Isto representou, de certa forma, uma marca e tanto para a publisher. Um recorde. Homefront foi o game da THQ mais vendido durante períodos de pré-venda. Se isto quer dizer algo em relação à qualidade do game ou não, não sei dizer ainda. Se fizermos algumas comparações aqui, e nos lembrarmos de que StarCraft II: Wings of Liberty vendeu mais de 3 milhões de cópias em um mês, chegamos ao número de mais ou menos 100.000 cópias por dia.

Agora, se considerarmos as vendas de StarCraft II durante as 48 primeiras horas pós lançamento (1,5 milhão de cópias), a coisa toda muda de figura. São mais ou menos 750.000 unidades em 24 horas, curiosamente (sem esquecer, entretanto, dos “arredondamentos”), o dobro das vendas de Homefront nas suas primeiras 24 horas.

Temos de levar em consideração alguns fatores, entretanto. Fiz as comparações acima apenas como uma espécie de “brincadeira númérica”, pois trata-se de games, gêneros e empresas totalmente diferentes. Homefront representa uma nova IP, enquanto que StarCraft II pertence a uma série consagrada, por exemplo. Além disso, para você, gamer que joga por prazer: você deixa de jogar algum game que esperava com ansiedade só porque ele recebeu um Metascore “na casa” dos 70, principalmente se existir alguma demo disponível? É algo para se pensar, pois cada jogador possui expectativas diferentes em relação a qualquer game.

Ainda segundo a THQ, estas 375 mil cópias de Homefront vendidas durante suas primeiras 24 horas representam as vendas realizadas para o consumidor, e não para os varejistas. Homefront vem sofrendo com alguns reviews negativos nos últimos dias. Tenho acompanhado todo o burburinho em torno do título desde antes de seu lançamento, e percebi, com grande espanto, que sua parcela multiplayer tem sido muito elogiada. Aliás, o site ComputerAndVideoGames deu nota 8,6 ao game, em seu review. Tire suas próprias conclusões disto, é claro. 🙂

A desenvolvedora Kaos Studios também disse que Homefront 2 poderá contar com uma campanha mais longa: tudo depende do feedback dos fãs. Opa, já mencionaram um Homefront 2. Quer dizer que as coisas não vão tão mal assim. Mesmo com a queda das açõs da THQ em 25%, e com algumas reduções de preço em alguns varejistas, ainda há luz no fim do túnel, se é que existiu este túnel algum dia. O futuro dirá, é claro.

O fato é que muitos “gurus” da indústria de games, bem como alguns determinados sites especializados, geralmente escrevem textos e reviews que fazem com que as pessoas tomem o que ali está escrito como a “suprema verdade”. É claro que isto é balela: o que vale é a experiência de cada um, a diversão que cada gamer obtém de um jogo, o prazer que cada um sente ao jogar seu título preferido. Eu mesmo gostei bastante de um título meio que massacrado em alguns reviews e sites: TRON: Evolution.

Ok, podem rir se quiserem, mas eu gostei. O jogo da Disney tem falhas? Tem. Mas isto não me impede de me divertir com ele. Isto não me impede de extrair seus pontos positivos, mesmo percebendo seus problemas. Isto não me impede, em nenhum momento, de apreciá-lo mesmo notando suas deficiências. Afinal: existe algo perfeito neste mundo?

O fato de Danny Bilson (acima mencionado) ter dito, pouco tempo antes do lançamento de Homefront, que a série Mass Effect é uma “coletânea de clichês” (algo que soou muito mal, pelo menos para mim, enorme fã da série) pode ter contribuído, de certa forma, para gerar uma impressão negativa a respeito do título. Mas veja bem: eu disse “pode”. Temos também de fazer distinção entre a “pessoa Danny Bilson gamer” da “pessoa Danny Bilson da THQ”. Para mim, as frases de Bilson nada mais representam que sua opinião pessoal. Pode ser que ele tenha falado “em nome da empresa”, entretanto, mas isto não muda o que saiu de sua boca.

Se ele aprecia ou não Mass Effect, se ele joga ou não os títulos desta fantástica franquia, e se ele tentou ou não, de alguma forma, atrair a atenção de seja lá quem for, não interessa. Para mim, suas palavras foram “soltas ao vento” e não mudaram minha opinião a respeito de Mass Effect. Assim como não mudaram minhas expectativas a respeito de Homefront. Confesso: possuo grandes expectativas em relação ao título.

O mesmo Danny  Bilson também disse algo que já pode ser, talvez, corroborado por quem já está jogando o último lançamento da THQ:

A excelente experiência do multiplayer de Homefront, combinada com nosso compromisso com servidores dedicados, fazem do título um must have para os gamers“.

Aliás, um dos ítens elogiados no review do site ComputerAndVideoGames é justamente o multiplayer de Homefront (“excelente multiplayer”, consta no review). E todos nós sabemos que, atualmente, games que possuem modos de jogo multiplayer bem desenvolvidos e cativantes conseguem angariar enormes bases de jogadores e fãs.

Bilson ainda menciona o fato de que a demanda pelo multiplayer em Homefront está muito grande, e continua crescendo; devido a isto, a empresa continua melhorando a infra-estrutura de servidores dedicados. Acredito que ainda é muito cedo para decretar a morte ou a continuidade de uma nova franquia como esta, apesar de tudo o que esta sendo dito, negativa ou positivamente.

Eu prefiro apreciar o “produto final”, por enquanto. Jogá-lo. Extrair o máximo que puder dele, principalmente da campanha pois, como já disse por diversas vezes, sou um jogador que prefere, na maioria das vezes, “a solidão do singleplayer à multidão do multiplayer“. Prefiro, aliás, uma campanha de 4-6 horas forte e impactante do que uma enfadonha de 24. Claro, uma campanha maravilhosa de, digamos, umas 14 horas, seria algo fenomenal.  Quando compro um game, não compro horas de jogo, compro a experiência.

Aliás, experiência fantásticamente divertida estou obtendo em Bulletstorm. Há tempos um game não me divertia tanto. Há tempos um título não me proporcionava tantos bons momentos, risadas e beleza. Voltando ao assunto do artigo, acredito que ainda ouviremos falar muito a respeito de Homefront. Por um bom tempo. O título, ambientado em 2027, que mostra os Estados Unidos da América em situação desastrosa lutando contra uma hipotética e poderosa Coréia do Norte, foi lançado para Xbox 360, Playstation 3 e PC.

E você, o que pensa disto tudo?

(Via: ComputerAndVideoGames e Eurogamer)

Poderá gostar também

Pin It on Pinterest