Antes de qualquer coisa, vale ressaltar que estas são apenas minhas impressões iniciais sobre Subnautica. Ainda estou bem no início, com pouco equipamento e recursos. Bem, subnautica permaneceu em desenvolvimento por quase 5 anos. Obra do estúdio Unknown Worlds Entertainment, responsável também pelo mod de Half-Life Natural Selection, o título é surpreendente. Trata-se de um título presente em meu backlog no Steam já há bastante tempo: quase desde o início de seu lançamento em Early Access.

O jogo, em Acesso Antecipado por alguns anos, recebeu atenção constante da desenvolvedora, com atualizações frequentes e novidades. Ele também contou, durante tal período, com uma grande base de jogadores. E ele foi finalmente lançado no último dia 23 de Janeiro, estando neste exato momento entre os mais vendidos no Steam.

Comecei a jogar Subnautica a sério dois dias atrás, e confesso que fiquei extremamente empolgado. Vale ressaltar que por muito tempo me mantive afastado de jogos de sobrevivência (gênero ao qual Subnautica também pertence). Me mantive afastado principalmente por acreditar que não iria conseguir me adaptar, que não teria paciência, que não teria tempo. Veja bem, trata-se de jogos que exigem uma grande dose de dedicação, coleta e gerenciamento de recursos, crafting, atenção a detalhes que em outros títulos são irrelevantes, etc.

Subnautica

Mas o mais recente título da Unknown Worlds parece que me fisgou. Nele, o jogador faz parte de uma organização chamada Alterra, e à bordo de uma gigantesca nave chamada Aurora, cai em um planeta desconhecido.

A nave Aurora é praticamente destruída, você escapa dela à bordo de um lifepod, e é à partir dele que você terá que iniciar suas aventuras. Vale lembrar que o lifepod é realmente pequeno, contando com pouco espaço e poucos equipamentos.

Subnautica

Vale lembrar também que, até mesmo conforme dito no review do game no Rock, Paper, Shotgun, Subnautica não é um game adequado para quem sofre de talassofobia. Se o oceano te perturba ou assombra, afaste-se do jogo. Se você tem pavor de grandes massas de água sobre sua cabeça, afaste-se. Sim, afaste-se, porque o lindíssimo oceano retratado no jogo, apesar de alienígena, é realmente crível, incrível e fascinante, além de assustador e opressor.

A Unknown Worlds conseguiu realmente criar algo digno de nota. Um jogo ambientado em um mundo aquático repleto de biomas, de criaturas estranhas, de paisagens fantásticas, de monstros assustadores, de perigos inumeráveis. Em meio à imensidão do oceano, é até mesmo bastante perturbador, no início do jogo, pensar que tudo o que nos mantém à salvo é aquele pequeno lifepod, o qual no início conta inclusive com alguns equipamentos quebrados (incluindo o rádio).

Subnautica

Algo que me perturbou no início de Subnautica foi o sistema de crafting, e creio que por preguiça, mesmo. Buscar por blueprints, correr atrás dos materiais necessários e então fabricar matérias-primas ou equipamentos e utensílios os mais diversos: tenha certeza de que tudo isto é primordial, e tudo isto me deixava extremamente assustado. Eu iria dar conta? Eu iria conseguir? O que fazer com os itens excedentes, ocupando espaço no inventário?

Bem, é necessário mergulhar, e muito, para obter os materiais necessários. Titânio, cobre, ouro, restos de destroços que podem ser convertidos em titânio, chumbo, silicone, algas, sementes de algas, vidro, cogumelos, etc: tudo isto e muito mais está espalhado pelo oceano, pronto para ser coletado, e dependendo da situação, muito esforço de sua parte será exigido.

Durante os mergulhos, você se vê em meio a paisagens fascinantes. Criaturas estranhas e belas nadam em meio à vegetação aquática, em meio às rochas e corais, e você percebe que não faz parte daquele mundo, que é ali um intruso, um intruso com pouco oxigênio e frágil, passível de mortes frequentes por asfixia.

Ontem recebi um aviso do meu PDA ao vislumbrar a entrada de uma caverna submarina. Tal aviso alertava sobre os riscos de tais cavernas, mencionando mortes horríveis por asfixia e desorientação. Mais adiante pude experimentar um pouco disso, ao buscar por determinado elemento, necessário para a criação de um certo equipamento (leia mais abaixo).

Subnautica

Há também no bioma próximo ao lifepod uma criatura hostil chamada “Perseguidor”: trata-se de uma espécie de tubarão. E, acredite, já fui atacado por tais criaturas diversas vezes, inclusive dentro de cavernas.

Vale também a pena mencionar uma experiência com cavernas que eu tive. Eu tinha de buscar um material chamado Cave Sulfur, necessário para a criação da ferramenta de reparo. Fiz algumas pesquisas rápidas no Google e parti, então, em busca de alguma caverna.

Subnautica

Vale a pena ressaltar que bem próximo ao lifepod (cerca de 200 metros) existe um conjunto de cavernas um tanto quanto perigoso, próximo ao qual existe uma espécie de gêiser. Tal  gêiser é perigosíssimo, por motivos óbvios, e o segredo para acessar as cavernas dele próximas é calcular o intervalo entre uma e outra erupção e então realizar as paradas necessárias, se escondendo em sulcos nas laterais.

OBS: vale aqui agora mencionar algo importantíssimo – oxigênio. Não se esqueça, você precisa de maior autonomia, pois começa o game sem cilindro, com pouquíssimo tempo de oxigênio disponível durante os mergulhos. E como estamos falando a respeito de um game onde mergulhar é essencial, corra em busca dos materiais necessários (titânio, vidro e minério de prata) e crie o quanto antes o cilindro padrão e o cilindro de alta capacidade.

Voltando à experiência, fui descendo lentamente, entre uma e outra erupção do gêiser, e consegui acessar uma das cavernas (perdi tempo valiosíssimo, também, aí – não vejo a hora de conseguir construir os tais veículos). Ora, aí tudo ficou um tanto quanto mais complicado, pois a caverna era algo bastante intrincado, cheio de plantas fosforescentes, e eu não tinha lá tanto tempo de oxigênio disponível (atualmente disponho de cerca de 135 segundos).

Subnautica

Além disso, o tal Cave Sulfur estava protegido por alguns Crashfishes, os quais me atacaram. Mas tudo bem, consegui pelo menos pegar um pouco do material. O problema é que me perdi na hora de voltar, e não achando a saída, morri por asfixia. Foi desesperador, e eu confesso que senti até um pouco de falta de ar durante tais momentos desesperadores, principalmente ao pensar no quão fundo estava (cerca de 70 metros), e no tamanho da massa de água sobre mim.

A sorte é que o jogo salva tudo aquilo que captamos automaticamente em nosso inventário, mantendo os itens aí mesmo em caso de morte. Foi assim que, ao renascer, continuava com o caro material em minha “mochila”. Voltei então para meu lifepod e “craftei” minha ferramenta de reparo.

Subnautica

Subnautica é desesperador, muitas vezes. Fui pego de surpresa (que burro eu fui) ao usar minha lanterna indiscriminadamente sem sequer parar para pensar que ela utilizava baterias, as quais deviam ser feitas através de crafting, em minha unidade fabricadora.

Ora, mergulhando à noite, me vi pego de surpresa quando a energia acabou, a lanterna apagou e eu fiquei imerso na escuridão angustiante, sem saber para onde ir em meio às plantas gigantescas onde estava. Felizmente, consegui sair desta situação com vida, retornei ao lifepod e criei as tais baterias (duas ou três, por segurança – uma série de equipamentos as utiliza, vale lembrar).

O fato é que Subnautica nos deixa sem fôlego. Ele é bem capaz disso, ao nos colocar imersos, literalmente, em ambientes lindíssimos, com fauna e flora alienígena, e longe da superfície. Você mergulha, se encanta (ou se assusta) e logo percebe que o oxigênio está acabando: a única solução, pelo menos no estágio em que estou, é voltar à superfície ou ao lifepod, e se não der tempo, bem, você já sabe.

Atualmente, já estou com uma lista de equipamentos e utensílios bem interessantes, todos obtidos através de crafting: lanterna, sinalizador, scanner (para obtenção de informações a respeito de equipamentos e formas de vida, com a possível e eventual obtenção de diagramas), faca e ferramenta reparadora.

Subnautica

Isto sem falar no traje com proteção contra radiação, no cilindro de oxigênio de alta capacidade e nas nadadeiras aprimoradas (para maior velocidade – valendo lembrar que o peso dos equipamentos afeta sua velocidade embaixo d’água).

Ah, sim: houve uma explosão na Aurora, a nave, logo no início do game. Com isto, a água próxima a ela encontra-se repleta de radiação. Agora que já criei meu traje protetor, pretendo visitar a área embaixo da nave (não sei se é possível adentrá-la) para escanear escombros em busca de possíveis blueprints. E, sim, também desejo visitar esta área, acho que cerca de uns 2 quilômetros de onde estou atualmente, em busca de mais material para crafting.

Subnautica

Mas Subnautica é um jogo que também pode ser enquadrado no gênero horror: é realmente horripilante mergulhar à noite. Você corre riscos diversos, incluindo ficar sem energia para a lanterna. Você observa formas indistintas ao longe e imagina que tipo de criatura será, se ela será ou não hostil. É assustador, dá falta de ar olhar para cima enquanto se está a 100 metros de profundidade (e, sim, com meu equipamento atual, a esta profundidade a eficácia do O2 é reduzida) e perceber o quão longe estamos da segurança.

O jogo nos faz pensar à todo momento no quão somos frágeis, no quão poderosa é a natureza e no quão indefesos somos frente a ela. Com meus poucos recursos iniciais, então, me pego constantemente pensando em como será minha próxima morte. Mergulhar à noite é uma experiência fabulosa, embora assustadora, e você poderá então se ver constantemente se dirigindo a seu lifepod para aguardar que o ciclo dia-noite traga novamente o sol.

Subnautica

Pretendo agora explorar com mais cuidado e atenção as cavernas que mencionei acima. Para isto, irei criar dois itens, já disponíveis no fabricador: canos e bomba de ar flutuante. Assim, terei sempre lá embaixo uma fonte de oxigênio disponível (desde que eu não me perca – e para isto, talvez seja interessante fabricar uma ferramenta guia, que solta discos holográficos e mapeia o terreno).

Subnautica é um jogo espetacular. Mas há muito, muito mais a ser visto.

Dê uma olhada no trailer cinemático e também no trailer de gameplay:

 

Pin It on Pinterest