Quem joga no PC geralmente gosta de capturar screenshots e vídeos, seja para guardar, seja para mostrar aos amigos, seja para publicar no Youtube. Isto acontece comigo, é claro, e há bastante tempo procuro por uma alternativa ao FRAPS. Não que este software seja ruim, não se trata disso. Ocorre que ele não nos oferece muitos recursos, parece meio que ter “parado no tempo” e, além disso, principalmente em configurações mais modestas, pode fazer com que jogadores sofram bastante devido a quedas bruscas no desempenho do sistema (vários leitores do XboxPlus, por falar nisso, chegaram a relatar este tipo de problema).

Como já disse, procuro há bastante tempo por uma outra solução para captura de vídeos e screenshots. Existem algumas bastante interessantes no mercado, claro, inclusive softwares que incluem estas funcionalidades como um “extra”, como por exemplo o Razer Game Booster e o famoso software/rede social gamer Raptr. Mas, veja: aqui estamos falando a respeito de “extras” – não se trata de algo dedicado à gravação de vídeos ou imagens.

Nesta minha busca por um bom aplicativo que pudesse substituir o FRAPS em minha rotina diária, me deparei com o PlayClaw, da Sytexis Software, o qual inclusive será lançado no Steam. Após alguns testes, após alguns dias utilizando o aplicativo diariamente (todas as screenshots que utilizei em meu review de Metro: Last Light foram capturadas com o aplicativo), posso dizer que temos aqui uma solução sensacional.

PlayClaw

É interessante ressaltar o seguinte: com o aplicativo da Sytexis (e isto é até mesmo reforçado pelos próprios desenvolvedores), se o seu computador é capaz de rodar um game, ele também é capaz de rodar o software simultaneamente, sem quedas de framerate, sem lentidões, sem travamentos, etc. Estive conversando com Edward Kozadaev, principal responsável pelo programa, e através dele fiquei sabendo que a primeira versão do PlayClaw foi lançada em 2008, sendo que a desenvolvedora está sediada em Tambov, na Rússia.

Segundo Kozadaev, ele e sua equipe também são jogadores de videogame, e a ideia para o projeto surgiu como resultado de suas próprias experiências e necessidades. Atualmente na versão 4 e com uma nova versão já em desenvolvimento, o software para captura de screenshots e vídeos desenvolvido por Edward Kozadaev já é algo muito bacana. A versão 5, então, ainda sem uma data de lançamento definida, contará com mais funcionalidades e com uma interface aprimorada.

PlayClaw foi criado por um programador experiente. Troquei muitas ideias com Kozadaev, e o principal desenvolvedor do programa é alguém que já trabalha com informática desde o ZX Spectrum. Tudo foi feito de maneira tal a utilizar o máximo possível do hardware disponível, inclusive utilizando todos os núcleos do processador. Temos, portanto, um aplicativo rápido e compressão de vídeo muito eficiente; o programa é extremamente light, dentre outros detalhes.

Veja abaixo algumas screenshots do aplicativo (clique para ampliar):

O PlayClaw também trabalha com mjpeg (a respeito do encoder, é possível inclusive determinar a qualidade, aqui – de 50 a 100), o que pode agradar bastante a muita gente, principalmente quando nos lembramos do quesito “espaço em disco”. Você pode também trabalhar sem compressão, claro: tudo depende.

Vale lembrar que a solução da Sytexis Software leva em conta realmente o equipamento do jogador. Ou seja, se você possui um computador cuja configuração seja adequada para rodar Crysis ou Crysis 2, por exemplo, você conseguirá utilizar a ferramenta sem problemas. Se, no entanto, seu computador não for capaz de rodar determinado jogo, o PlayClaw também não desempenhará seu papel a contento. Simples assim.

Utilizei a solução com os seguintes jogos, além do supracitado Metro: Last Light, gravando vídeos e capturando screenshots:

  • GRID 2;
  • Remember me;
  • Far Cry 3;
  • Far Cry 3: Blood Dragon;
  • Call of Juarez: Gunslinger;
  • Mafia II;
  • Defiance;

Durante todas as sessões de gameplay acima, a taxa de quadros por segundo se manteve bem estável, salvo uma outra queda não muito significativa, e não ocorreram “engasgos” ou travamentos (bem diferente do que acontece com o FRAPS). O PlayClaw também conta com recursos adicionais muito interessantes e úteis. Ele trabalha com perfis, ou seja, você pode criar e utilizar diversos profiles, para todos os games que está jogando.

Cada um destes perfis pode contar com pastas destino diferentes, intervalos de captura automática diferentes, hotkeys diferentes, formatos de imagem diferentes, além de detalhes específicos no tocante à compressão. Praticamente todos os recursos existentes no software podem ser configurados de maneiras diferentes e independentes em todos os perfis que você criar.

Além disso, podemos utilizar overlays extremamente úteis durante o jogo. Diversos tipos de informações podem ser exibidas em tela, como por exemplo framerate, temperatura e nível de utilização da placa de vídeo e do processador, timer, data e hora, etc. Cada um destes elementos pode ser customizado pelo usuário, por falar nisso. Podemos definir o posicionamento de cada uma destas informações, de maneira tal a não atrapalhar nosso jogo, podemos definir o tamanho do espaço/frame ao qual eles ficarão limitados, podemos brincar bastante com o tipo e a cor da fonte, e também com o grau de transparência dos diversos itens.

A posição de cada um destes elementos pode ser ajustada pelo jogador, no PlayClaw, de maneira bem simples, aliás: basta arrastá-los para o local desejado, com o mouse. “Fotos de tela” também podem ser capturadas automaticamente, sem que você precise pressionar tecla alguma. O intervalo de captura pode ser pré-configurado, e é possível também recebermos um aviso sempre que uma “foto” é tirada.

Para usuários preocupados, existe um tipo de aviso que lança um quadro que pisca na tela rapidamente sempre que uma imagem é capturada (podemos definir inclusive sua cor), e também existe algo mais discreto: uma mensagem de texto (imagens nos formatos PNG e JPG podem ser obtidas, vale lembrar). Vídeos capturados com o PlayClaw também podem ser redimensionados automaticamente.

Por exemplo, digamos que você esteja jogando em 1920×1080 e deseje gerar um vídeo, porém, em 1280×720: sem problemas, o software realiza todo o trabalho pesado pra você, e ao final da jogatina você terá o vídeo de gameplay conforme deseja.

Todos os overlays disponíveis podem também ser exibidos no próprio vídeo ou nas screenshots, caso o usuário assim deseje, e para ajudar o jogador, um pequeno overlay azul pode ser exibido no início de cada sessão, indicando o tamanho do frame, a versão do DirectX e o perfil em utilização.

Uma hotkey também pode ser escolhida previamente para gravar um determinado trecho de gameplay (em vídeo), e o PlayClaw é capaz de transmitir uma sessão de gameplay via web, ou seja, você pode criar seu próprio livestreaming através do recurso virtual webcam.

Finalizando, o PlayClaw se mostrou, durante meus testes, um excelente aplicativo. Sua interface pode ser ainda um tanto quanto espartana, e ele ainda não é capaz de realizar benchmarks, como o FRAPS, por exemplo (existem softwares específicos para isto, entretanto, como os da Futuremark).

Porém, o software conta com opções muito interessantes e diversos ajustes que podem fazer a alegria dos jogadores que adoram colocar a mão na massa e criarem vídeos de gameplay e capturarem imagens e mais imagens de seus jogos favoritos.

Os overlays são muitos bacanas, por falar nisso, e segundo a Sytexis Software, também é possível que usuários com conhecimento em programação desenvolvam seus próprios plugins. O programa pode ser testado gratuitamente, e está disponível em 3 versões: “Light (US$ 17,77)”, “Standard (US$ 37,77)” e “Hardcore (US$ 47,77)”.

Temos aqui um produto que, se ainda não é um FRAPS Killer (lembrando que para muitos jogadores ele já pode ser um FRAPS Killer, como no meu caso), está muito próximo de assumir esse “posto”. Gostei bastante do PlayClaw, e durante todos estes cerca de 30 dias em que o testei, não abri o FRAPS um dia sequer.

Pin It on Pinterest