Razer lança o Edge, poderoso tablet gamer (ex-Project Fiona)

Nos últimos dias temos sido meio que bombardeados com anúncios e mais informações a respeito de novos consoles. O Project SHIELD da NVIDIA, o unu e até mesmo o tão falado Steam Box, ou Piston, são alguns deles. Tudo indica que o mundo dos games está mudando. Em alguns aspectos bem lentamente, mas em outros muito rapidamente, e os jogos para dispositivos móveis são parte importante deste processo todo.

Cada vez mais pessoas descobrem que sacar seu smartphone no ônibus e se divertir com um Zen Pinball, um Silent Ops ou um Need for Speed: Hot Pursuit é algo simples, que ajuda a passar o tempo e que pode ser também muito empolgante. Cada vez mais jogadores descobrem o quão prazeroso pode ser utilizar um tablet em um sofá e alternar entre jogos, redes sociais e navegação web.

Razer Edge

E diversas empresas já perceberam que unir vários estilos de jogadores, consoles e equipamentos e periféricos os mais diversos  é uma boa. Que tornar os mobile games mais acessíveis e ao mesmo tempo fazer com que a experiência por eles proporcionada seja mais cômoda e cativante é importante. Que fazer com que o jogador acostumado a jogar em seu PC  ou em seu console possa ter a mesma experiência em seu sofá, em sua sala, na rua, etc, é algo que pode ser vantajoso a ambos os lados.

Bem, a Razer apresentou durante a CES 2012 um tablet gamer chamado Project Fiona. Já naquela época achei o equipamento muito interessante. O tablet chegou a receber diversos prêmios, dentre eles “Best of CES 2012”, da CNET (via voto popular), “Hot Stuff”, da revista Stuff, “Best of CES”, da IGN, e “Best of CES”, da revista Laptop.

E agora a empresa de Robert “Razerguy” Krakoff anunciou que o equipamento está sendo produzido e estará disponível na América do Norte e no leste da Ásia no primeiro trimestre de 2013. Renomeado como Edge, o equipamento será capaz, segundo a Razer, de rodar qualquer jogo para PC ou aplicativo.

Razer Edge

Quando decidimos desenvolver um tablet, nosso objetivo era criar uma experiência fenomenal para jogos portáteis. Unindo o melhor do PC e jogos de console com o Windows 8, nós chegamos a um verdadeiro tablet gamer. Obviamente, as ótimas críticas e grande apoio da comunidade gamer deram suporte ao Razer Edge e nos trouxeram muitas contribuições. Agora precisamos comemorar a transformação de um sonho em realidade junto ao público, para quem esse projeto inovador foi desenvolvido“,  disse Min-Liang Tan, cofundador, CEO e diretor criativo da Razer.

Razer Edge contou com a participação de vários PC gamers durante seu desenvolvimento, em um grande esforço de crowdsourcing. Milhões de jogadores foram consultados, tudo para ajudar a determinar as especificações finais do Edge. Jogadores tiveram a oportunidade de opinar em relação a detalhes como chipset, peso, espessura, recursos e preço do Edge (eu adoraria ter participado deste processo, falando nisso).

Razer Edge

O Razer Edge parece realmente algo impressionante, além de bonito (sua tela terá 10,1 polegadas). O tablet mais poderoso da atualidade? É o que diz a Razer. Suas especificações parecem corroborar esta afirmação, aliás. Trata-se de um tablet que também utiliza tecnologia da Intel e da NVIDIA, equipado com processadores Intel Core de terceira geração. A promessa feita pela Razer é que o poderoso tablet rodará qualquer jogo para PC “com tudo no máximo”.

Os jogadores estão entre o público mais exigente quando se trata de desempenho de processadores. Estamos felizes por trabalhar com a Razer para satisfazer os desejos dos gamers, ajudando a criar um dos tablets mais poderosos com produtos da terceira geração da família de processadores Intel Core. O Razer Edge é uma prova do que pode ser alcançado com verdadeira inovação entre empresas líderes de mercado“, disse Brad Graff, diretor de Marketing, Mobile e Comunicações do Grupo Intel.

O sistema não precisará ser otimizado nem tampouco modificado para rodar os jogos mais atuais, o que ao mesmo tempo levanta uma questão que pode vir a indicar um futuro problema e também representa uma vantagem. Um sistema pronto, com tanto poder e com especificações tão bacanas, é algo extremamente tentador, principalmente para aquelas pessoas que detestam abrir suas máquinas e trocarem peças.

Porém, quem joga no PC sabe muito bem que a plataforma requer atualizações de hardware frequentes (e o Razer Edge também não deixa de ser uma espécie de computador) para ser capaz de acompanhar a evolução dos jogos, e aqui as coisas se complicam um pouco com o ex-Project Fiona. Em partes, é claro.

Fico me perguntando como a Razer tratará a questão dos upgrades, no futuro, uma vez que, obviamente, jogos cada vez mais bonitos e exigentes serão lançados, e quem investir em um equipamento destes certamente desejará obter o máximo que ele pode oferecer. É claro que os compradores deste aparelho não pretendem passar pelos problemas experimentados por quem joga em consoles, e permanecer por anos com o mesmo hardware desatualizado em mãos. Fica aqui uma grande dúvida.

Vale lembrar também que duas versões do Razer Edge serão vendidas. Veja abaixo:

  • Razer Edge padrão: processador Intel Core i5, GPU NVIDIA GT 640M LE, 4 GB de memória RAM DDR3, SSD de 64 GB, wi-fi 802.11b/g/n + BT4, webcam 2MP;
  • Razer Edge Pro: processador Intel Core i7, GPU NVIDIA GT 640M LE, 8 GB de memória RAM DDR3 RAM, SSD de 128 GB  ou 256 GB, wi-fi 802.11b/g/n + BT4, webcam 2MP;
Razer Edge

Haverá também um bundle contendo o Razer Edge Pro e um gamepad, tanto na versão com SSD de 128GB quanto na versão com SSD de 256GB. Os dois modelos ainda contam com portas USB 3.0 e suporte a Bluetooth 4.0. Versatilidade parece também ser o foco da Razer, aqui. Quatro configurações dedicadas permitirão que os jogadores utilizem o aparelho em uma grande variedade de situações.

O modo tablet permitirá a utilização do Razer EDGE com capacidade multi-touch para qualquer aplicativo do Windows 8. Navegação web, filmes, música, etc. Tudo aquilo que você realiza hoje com seu tablet iOS ou Android. Já o modo Keyboard Dock meio que transforma o aparelho em um laptop, com teclado, mouse e suporte a bateria removível de 40Wh (uma bateria extra poderá ser conectada tanto ao Keyboard Dock quanto ao Gamepad Controller, e assim a autonomia será duplicada). Os usuários também poderão utilizar seus próprios periféricos para jogarem seus jogos prediletos.

Já o Gamepad Controller transforma o Razer Edge em um console portátil. Uma interface dupla com controles totalmente programáveis e analógicos precisos permitirá que o Edge, sem sombra de dúvidas, vá além daquilo que um tablet normal oferece atualmente. Os controles contam inclusive com resposta vibratória, ou seja, temos aqui um console portátil de primeira.

Finalmente, vale ressaltar que o aparelho poderá ser acoplado em sua docking station e funcionar como um desktop completo. A docking station também serve como fonte de recarga e possui 3 portas USB, porta HDMI, min-in e stereo-out. O tablet-pc-videogame da Razer também poderá ser ligado a um monitor, por exemplo, e outros controles poderão ser introduzidos na brincadeira, permitindo que várias pessoas joguem ao mesmo tempo.

Razer Edge

Acelerômetros extremamente precisos e telas multi-touch altamente sensíveis também fazem parte do conjunto. A Razer também menciona algo bem empolgante. Segundo a empresa, novos jogos serão produzidos exclusivamente para o equipamento, os quais aproveitarão ao máximo todas as suas funcionalidades.

Um tablet. Um PC. Um console. É, o negócio parece ser muito bacana. Infelizmente seu preço é um tanto quanto salgado. Ou, pelo menos, pode vir a se tornar salgado em terras tupiniquins: a brincadeira começa a partir de US$ 999,00. Mas vamos deixar estes “detalhes” chatos de lado. Dê uma olhada no trailer do produto e também em mais algumas imagens:

Poderá gostar também

1 Comment

  1. interessante e incrível menos o preço.

    Reply

Submit a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Pin It on Pinterest