Recebi da Ashampoo uma cópia para review da nova versão de seu software para gravação de CD’s, DVD’s e Blu-Rays, o Ashampoo Burning Studio 10, lançado há 3 dias atrás. A Ashampoo é uma empresa alemã de desenvolvimento de softwares, que possui mais de 10 anos de estrada e desenvolve softwares dos mais variados tipos e voltados às mais diversas finalidades: suítes para escritório, utilitários, CAD, soluções de segurança, etc.

Considerar o Ashampoo Burning Studio 10 simplesmente como um software pra gravação de CD’s, DVD’s e Blu-Rays é levar em consideração apenas uma de suas inúmeras e ricas funcões. A Ashampoo com sua linha “Burning Software” conseguiu realizar algo inimaginável, até há alguns anos atrás: desbancar os gigantes do mercado, nesta área, com preços justos, qualidade e recursos muitas vezes encontrados somente mediante a compra de mais de um aplicativo.

O Burning Studio 9, e seu sucessor, o Burning Studio 10, lançado em 26 de Maio de 2010, são grandes exemplos disto. Como este review é a respeito do Burning Studio 10, passarei a comentar sobre ele, portanto. A nova “suíte de gravação” da Ashampoo apresenta ao usuário uma interface belíssima e organizada, e ainda é possível escolhermos dentre 3 skins diferentes, sendo que o skin padrão do Burning Studio 10, o Evolution, permite que o usuário personalize ainda mais o programa: é possível escolher qualquer um dos 37 esquemas de cores disponíveis.

Dentre as novidades e/ou melhorias em relação à versão anterior, podemos destacar o seguinte:

  • Editor de vídeos em DVD e Blu-Ray totalmente redesenhado, o qual conta com um completo e amigável wizard prévio, que permite que o usuário defina o sistema de cores, o formato da tela (4:3 ou 16:9) e  escolha dentre diversos temas para o menu do disco (com pré-visualização inclusa);
  • Melhorias nas ferramentas de criação, as quais estão mais simples de se utilizar. Aliás, vale ressaltar o lado “criador” do Burning Studio 10. É por este motivo que eu disse acima que ele é muito mais que um simples software para gravação;
  • Criação de discos Blu-Ray com vídeos em 720p ou 1080p;
  • Criação de discos auto-inicializáveis, sendo possível até mesmo a criação de menus interativos para os mesmos;
  • Player de áudio integrado;
  • Melhorias no “encoding” dos vídeos;
  • Temas novos e aperfeiçoados para os menus dos DVD’s e Blu-Rays;
  • Possibilidade de utilizar os menus prontos inclusos no aplicativo ou criar os seus próprios;
  • Melhorias e novos recursos no “ripador”;
  • Performance mais rápida;

O Ashampoo Burning Studio 10 possui tradução para 26 idiomas diferentes, incluindo o Português do Brasil. Sua interface organizada e livre de opções/ícones/botões desnecessários, que tornariam a utilização do aplicativo difícil, faz com que o software seja a solução ideal para usuários inexperientes na utilização deste tipo de aplicativo.

O software está dividido em 9 seções principais, e ao passar o mouse sobre cada uma delas, são exibidas as diversas ferramentas inclusas na mesmas, as quais vão desde a simples gravação de CD’s, DVD’s e Blu-Rays até um completo wizard para a criação e impressão de encartes, caixas e “selos” para os discos. Vale ressaltar que o Burning Studio 10 possui suporte a LightScribe, desde que, é claro, o seu drive ofereça esta funcionalidade, você utilize os discos adequados e também possua o software LightScribe System Software instalado em seu computador.

Todos os recursos do Burning Studio 10 são oferecidos através de práticos wizards, que guiam o usuário durante todos os principais pontos de todas as tarefas. Vamos dar uma olhada nos recursos oferecidos pelo software:

Gravação de arquivos e/ou pastas em CD, DVD e Blu-Ray

Através deste menu, você obtém acesso às funções do Burning Studio 10 que permitem a gravação de um novo disco, da maneira mais simples possível, e também ao recurso que permite “atualizar” um disco, ou seja, incluir ou remover dados. Existe um recurso adicional muito interessante, aqui: a possibilidade de criar discos auto-inicializáveis.

Durante todo o processo de adição de arquivos, o software exibe na parte inferior de sua interface o total de espaço disponível e o quanto já foi utilizado, conforme você vai adicionando dados. A partir do próprio Burning Studio 10, também, você pode gerenciar a maneira como os dados serão organizados no disco, criando pastas e subpastas e inserindo os arquivos onde bem entender.

Caso você tenha escolhido a opção para criação de discos auto-inicializáveis, no último passo antes da gravação própriamente dita você pode optar entre criar um disco auto-inicializável sem ou com menu. Neste último caso, você será então redirecionado ao editor de “splash screens”, para que você possa definir título, música de fundo (se desejar), escolher dentre os diversos temas inclusos no software para a criação de uma “splash screen” ou então carregar uma imagem criada préviamente, e até mesmo definir o tempo de duração de sua “splash screen”.

Logo após finalizar sua “splash screen” você é encaminhado a um completo editor, onde poderá utilizar diversos temas inclusos no Burning Studio 10 ou então criar o seu próprio, para inserir no menu do seu disco. As opções aqui são bem vastas. Clicar e arrastar, com muita facilidade, é uma constante. Você pode escolher vários formatos de layout para o menu, inserir botões, nomeá-los e definir “dicas” para os mesmos, e pode inclusive especificar qual ação deverá ser executada quando alguém clicar no botão.

É possível definir a execução de qualquer arquivo presente no disco, a abertura de uma pasta, a abertura de um website (você define a URL), o envio de um e-mail ou até mesmo a saída do menu/disco, por exemplo. Você pode inserir imagens de fundo, texto em qualquer área do menu, formas geométricas e, o mais interessante, criar quantas páginas desejar, “linkando” uma à outra através dos botões e das ações que é possível definirmos para os mesmos.

Ou seja, seu menu pode possuir uma página inicial e várias “sub-páginas”, sem qualquer tipo de limites, a não ser a sua imaginação e o espaço disponível no disco que você está utilizando. 🙂 É possível até mesmo visualizar, sem sair do editor, como as páginas se comportarão, bem como a aparência das mesmas. Customização e liberdade é o que não falta no Burning Studio 10. O software também avisa caso você tenha inserido algum botão e não tenha definido nenhuma ação para o mesmo. Além de avisar, ele não permite que você prossiga. Ou seja, nada de “menus inúteis” no seu disco auto-inicializável.

Feito isto, o Burning Studio 10 já solicita que você insira o disco (caso ainda não o tenha inserido), e o processo de gravação transcorre tranquilamente. Vale ressaltar que no “último passo”, antes da gravação, você pode alterar o drive (caso possua mais de um em seu PC) e também pode especificar a velocidade de gravação. É possível, também, especificar a quantidade de cópias e definir se o Burning Studio deverá ou não realizar uma verificação de integridade no disco, após a gravação. A utilização desta última opção, é claro, tornará o processo mais lento.

Fazendo e restaurando backups

O Burning Studio 10 também permite a realização de backups em CD’s, DVD’s e Blu-Rays, bem como a posterior restauração dos mesmos backups, caso necessário, através do próprio software e dos discos que você criou. É possível definir o que será incluído e excluído do backup, e o aplicativo permite inclusive que os backups sejam feitos em dispositivos USB.

Ele gera um único arquivo, com a extensão .ashbak, permite a proteção dos backups mediante a utilização de senha e ainda divide automaticamente o backup em quantos discos forem necessários, dependendo do volume de dados a ser copiado. Caso seja necessário restaurar qualquer um dos backups, o Burning Studio 10 lista automaticamente todos os backups gerados e suas respectivas datas, bem como sua localização, e permite que você escolha qualquer um deles.

“Ripando” e gravando músicas

Gravar um CD de áudio no Burning Studio 10 é muito simples. Você escolhe a(s) música(s) que desejar e o software vai, naturalmente, determinando o quanto ainda resta de espaço no disco, através de um mostrador através do qual você pode acompanhar em tempo real, conforme vai adicionando as músicas, o “tempo total de duração” das músicas no CD.

Também é possível gravar CD’s, DVD’s ou Blu-Rays com arquivos nos formatos .mp3 ou .wma, e “ripar”, ou “extrair”, faixas de áudio, de um CD.

Gravação, cópia e edição de filmes, e criação de imagens ISO

Aqui o Burning Studio 10 dá um verdadeiro show. Você pode criar e editar filmes e slideshows em CD, DVD ou Blu-Ray, e no caso de Blu-Ray pode inclusive criar discos em HD ou Full HD. Escolha o sistema de cores, o formato da tela, adicione o(s) arquivo(s), defina se deseja criar um menu para o disco, edite este menu de maneira muito simples, através do prático e poderoso editor que já mencionei acima, e deixe o Burning Studio fazer o trabalho pesado.

O software trabalha de forma muito rápida, e além disso é extremamente amigável. Você também pode gravar DVD’s de vídeo a partir de arquivos .VOB e .IFO, por exemplo, e criar Vídeo CD’s e SVCD’s. Você pode, também, copiar qualquer CD, Blu-Ray ou DVD e, como qualquer bom software do gênero, é possível também através deste novíssimo aplicativo da Ashampoo gravar imagens ISO em um disco.

Apagando discos e funções avançadas

Através do Burning Studio 10 você pode apagar seus CD’s e DVD’s regraváveis, de forma muito simples. Além disso, é possível criar cópias modificadas de qualquer DVD, CD ou Blu-Ray que você possua, inclusive utilizando configurações avançadas, as quais permitem que você modifique a estrutura dos novos discos.

É possível também incluir arquivos de sistema e escolher o tipo de inicialização, caso você esteja criando um CD de inicialização do Windows.

Editor/Criador de caixas e encartes

O Burning Studio 10 possui um editor integrado que permite a criação e edição de caixas e encartes para seus discos. Caixas para discos Blu-Ray, caixas para DVD’s e CD’s, encartes e até mesmo o selo para os discos: tudo isto é possível através deste poderoso editor, o qual permite que você selecione uma opção ou mais, dentre as diversas exibidas, e defina inclusive o formato do papel.

O aplicativo também permite que você edite e crie novos formatos, definindo a largura, a altura e a orientação do papel, bem como a quantidade de páginas. Através do prático Wizard (o Burning Studio é repleto de wizards, o que facilita bastante a vida do usuário), você pode também alterar as margens superior, esquerda, direita e inferior, e também inserir qualquer tipo de imagem.

Neste ponto, o Burning Studio 10 permite que você obtenha a imagem diretamente da web (através da inserção do link para a imagem), de um arquivo existente em seu computador, de uma câmera ou webcam conectada ao seu PC ou até mesmo de um scanner. Isto é que é praticidade e liberdade elevadas ao cubo! 🙂

Defina título e subtítulo, conteúdo do disco (música, dados, backup ou vídeo), insira linhas e preencha as mesmas com as informações desejadas, ou importe o conteúdo para as caixas e encartes a partir do conteúdo do próprio disco (é possível alterar o que for importado, também).

Logo em seguida, dependendo das escolhas feitas, o software exibe um outro editor fantástico, que permite a utilização de diversos temas inclusos, inserção de tabelas, texto e imagens adicionais, e também possibilita que você utilize zoom no trabalho, ampliando ou reduzindo a visualização, para que possa trabalhar sempre visualizando todos os detalhes necessários.

Neste editor de caixas e encartes tudo é dividido em abas, e cada uma delas permite que você edite separadamente os ítens que selecionou anteriormente. Você pode utilizar recursos avançados durante a edição, tais como espelhamento, etc. Pode trabalhar com imagens e texto em camadas (inclusive alterando a ordem de exibição das mesmas), clonar e recortar itens, alinhar imagens e objetos e, terminado o trabalho, salvar o mesmo em um arquivo .cedprj que poderá ser posteriormente reutilizado. Antes da impressão, aliás, é possível inserir marcas pontilhadas, para facilitar a posterior dobra/corte dos elementos impressos.

Informações adicionais

Qualquer projeto que você tenha salvo, seja de caixas/encartes ou de gravação, pode ser rapidamente carregado através do menu “Arquivo ==> Abrir projeto”. É possível também “redefinir” todas as configurações do software, fazendo com que o mesmo volte ao ponto “pós-instalação”, e você então se deparará com todas as mensagens de confirmação que são exibidas antes da primeira utilização de cada função.

O Ashampoo Burning Studio 10 também conta com um enorme e muito bem desenvolvido sistema de ajuda/help, repleto de imagens e informações, o qual pode também ser impresso, na íntegra ou em partes. É possível também ativar algumas opções muito interessantes, mediante as quais você receberá avisos sempre que um update for lançado para o aplicativo, e também será notificado em primeira mão sobre todas as novidades da Ashampoo em relação ao Burning Studio 10 ou a qualquer um de seus outros programas.

O suporte técnico da Ashampoo é muito eficaz e rápido, mas ao trabalhar com um software como  Burning Studio 10 é possível que você raramente precise entrar em contato com o suporte técnico, pois o produto é extremamente fácil de ser utilizado.

Conclusão

O Ashampoo Burning Studio 10 custa US$ 49,99. Trata-se de um software único, extremamente amigável, que reúne beleza, praticidade, poder e uma enorme variedade de recursos avançados. O Burning Studio 10 vai muito além da simples gravação. É a melhor alternativa paga no mercado, atualmente, neste “nicho”. Minha nota para o Burning Studio 10 é: 10/10. 🙂

Poderá gostar também

Pin It on Pinterest