Simuladores. Jogos que permitem a reprodução e/ou a representação, em maior ou menor grau, no mundo virtual, de diversos aspectos da vida real. Simulação de acontecimentos, papéis, rotinas, profissões e elementos do mundo real.

Ocupações, locais inacessíveis por um ou outro motivo, etc. Nos simuladores, muitas coisas se tornam acessíveis, para todos, à distância de poucos cliques. Guardadas as devidas dificuldades e proporções relacionadas às mecânicas, obviamente, ao estilo do jogo, daquilo que está sendo simulado (simuladores de voo costumam exigir bastante do jogador, por exemplo), etc.

Simuladores de caminhões, como Euro Truck Simulator 2, por exemplo. são excepcionais. Títulos como Elite Dangerous, que podem ser considerados também como “simuladores espaciais”, também são excelentes exemplos.

Bus Simulator 16

Mas existem mais tipos de simuladores. Simuladores de voo, de corrida, de vida (The Sims, por exemplo), de navios, de ferrovias, militares (a franquia Arma, por exemplo), de construção e gerenciamento de cidades. A lista pode ser bem longa. Existem simuladores para todos os gostos (e bolsos).

E existem simuladores como Bus Simulator 16, um jogo onde você assume o controle de uma empresa de transportes e dirige seu próprio ônibus, podendo chegar a manter diversas linhas em operação, em diversos distritos de uma enorme cidade, contratando vários motoristas, adquirindo e trocando ônibus, gerenciando itinerários, e por aí vai.

O jogo foi desenvolvido pela austríaca Stillalive Studios, e tem como publisher a empresa alemã Astragon Entertainment. A Astragon, aliás, possui diversos outros simuladores em seu catálogo, alguns deles bem interessantes, como por exemplo “Dive to the Titanic” e “Construction Simulator”. Sim, existem simuladores para quase tudo, pode acreditar.

Voltando a Bus Simulator 16, devo dizer logo de início que sou grande entusiasta deste gênero de jogo. Adoro percorrer, por exemplo, as estradas virtuais de um Euro Truck Simulator 2 ou de um American Truck Simulator, entregando cargas as mais diversas em diferentes lugares da Europa ou dos Estados Unidos. Os mapas abertos me fascinam, embora não tenhamos a liberdade que temos, por exemplo, na Los Santos de GTA V.

Mas a calmaria, a atenção a detalhes inexistentes (ou passíveis de serem ignorados) em outros títulos, a ausência da pressão e da tensão existente em um shooter, por exemplo, representam grandes motivos para que eu sempre retorne a tais jogos. Eles na verdade permanecem quase sempre em meu HD, instalados, aguardando aqueles momentos durante os quais me canso de jogos dotados de um enredo, de tensão. Eles funcionam, quase sempre, como calmantes, me proporcionando grande relaxamento.

Sabe aquela coisa de sentar ao volante e dirigir, apenas, sem ter de prestar atenção ao que determinado personagem está dizendo ou fazendo? Bus Simulator 16 é um jogo extremamente cativante. Não o jogue, entretanto, se você exige sempre gráficos de ponta, 60 frames por segundo, cravados, texturas em altíssima resolução, modelos de qualidade enorme. Seus gráficos podem ser considerados “datados”, apesar de estarmos falando de um título recente.

Sinceramente, por falar nisso, confesso que gostaria muito de vê-lo (ou a algum título similar) em uma engine poderosa, com texturas fenomenais, rodando em altas resoluções, com ônibus recriados com altíssimo nível de detalhes. Mas, não temos nada do tipo, por enquanto. E, quer saber? Nem estou me importando muito com isso, com BS16 em mãos.

O jogo da Stillalive Studios (desenvolvido sob encomenda, para a Astragon Entertainment) é cheio de vida, de outros encantos. Você começa com um ônibus doado pela prefeitura (sim, é algo um tanto quanto estranho), e um simpático ex-motorista guia você desde o início, incluindo o básico, mesmo (ligar o ônibus, iluminação, controles, abertura e fechamento das portas, etc).

A primeira volta com o ônibus é inesquecível, e você provavelmente irá pensar que o jogo é muito difícil, que são muitos os controles e comandos a serem decorados, que dirigir um “monstrengo” daqueles muitas vezes por ruas apertadas será impossível. Mas, acredite em mim: não é. Complete o tutorial. Termine-o, seja persistente, e você não se arrependerá.

Aos poucos, Bus Simulator 16 vai ficando delicioso. A curva de aprendizado acaba ficando mais suave, e você pouco a pouco vai ganhando confiança, dirigindo com mais habilidade, e ouvindo até mesmo elogios de seus passageiros. Não freie bruscamente, entretanto: além de ouvir uma bronca, você perderá pontos de experiência ao final do trajeto (cuidado com os freios, incluindo o freio de mão).

No jogo, você cria sua própria empresa de transportes. Você dá um nome para ela. Você a controla, e é capaz de contratar e demitir motoristas, por exemplo, além de criar e apagar rotas, linhas. Aqui o título da Stillalive se distingue bastante do simulador de caminhões da SCS Software. Em ETS2 podemos nos ligar mais direta e rapidamente ao “simples” ato de dirigir. Existe um certo gerenciamento, obviamente, você precisa entrar em contato com as empresas para pegar os fretes, lidar com manutenção do caminhão, etc. Mas tudo isto é feito de maneira um tanto quanto, digamos, light.

No Bus Simulator, por outro lado, os quesitos “gerenciamento” e “administração” estão em um outro nível. É tudo um pouco mais, digamos, complexo. Você não apenas dirige seus próprios ônibus (se bem que esta seja uma das partes mais divertidas, obviamente), mas também tem que lidar com outros detalhes igualmente divertidos e interessantes.

Tudo começa com a criação de sua própria empresa de transportes, a qual vai então prestar serviços à prefeitura de uma cidade na Europa. Seu primeiro ônibus vem como um brinde, oferecido pelo próprio prefeito. A partir daí, você cria as linhas, é capaz de averiguar gráficos e estatísticas para chegar a melhores resultados, pode designar diversos motoristas para uma mesma linha (ou várias) – desde que possua o capital necessário para o pagamento dos salários e a compra dos veículos adicionais, é claro – etc.

É tudo muito intuitivo, devo dizer. O jogo não conta com tradução para o português do Brasil, por falar nisso, mas não se preocupe: se você já está acostumado com games em geral, se é jogador de longa data, e principalmente se já lidou com simuladores antes, você pegará o jeito bem rapidamente.

Cada linha criada deve ser testada, antes que seja aceita, pela prefeitura, pelo sistema, pelo jogo. Você, o proprietário da empresa (e primeiro motorista), deve percorrê-la, do início ao fim, uma primeira vez, antes que novos motoristas (contratados por você) sejam a ela atribuídos. É uma espécie de test-drive, mas durante o qual você também ganha dinheiro.

Um dos detalhes mais interessantes do jogo, também, é o fato de que o motorista (você) deve controlar também o caixa do ônibus, atuando como cobrador, controlando a referida máquina, emitindo os tickets para os passageiros que os solicitarem, recebendo o dinheiro e devolvendo o troco. E, sim, para o desespero de muitos (e do financeiro da empresa, também), troco errado pode ser devolvido (a mais, e o prejuízo é todo seu). Portanto, toda atenção aqui é pouca.

A simulação climática em Bus Simulator 16 não é lá muito realista. Pelo contrário. Você perceberá pouca diferença no clima, na hora do dia, etc. Até mesmo a chuva não é muito realista, e você notará apenas alguns poucos pingos esparsos, além do chão molhado. Entretanto, as reações dos passageiros são muito bacanas. Eis aqui outro ponto forte e digno de nota.

Você frequentemente ouvirá passageiros reclamando do calor e solicitando que o ar condicionado seja ligado. Ou então, enquanto dirige sob chuva e céu nublado, ouvirá pedidos para que a temperatura seja elevada. A dedicação do motorista, a atenção aos pedidos dos passageiros, o bom atendimento, são essenciais.

Findo cada trajeto, você irá se deparar com um balanço informando as receitas e as despesas. Um balanço da empresa como um todo, aliás: é nesse momento que o contador virtual entrará em ação. Serão exibidos os resultados de todos os ônibus/motoristas. Todas as entradas e também todas as saídas.

Todos os gastos com manutenção e seguro dos ônibus, além dos gastos com salários. Ah, e sempre encha seus ônibus de propaganda: isto gerará um rendimento extra bacana e muito bem vindo, com enorme frequência.

Os passageiros conversam sempre, aliás. Você os ouve falando, com enorme frequência, sobre os mais diversos assuntos. Sobre suas vidas, seus trabalhos, seus relacionamentos. Até mesmo sobre um tal “indie game muito bacana”, chamado “Son of Nor” (o qual é uma IP da própria Stillalive Studios).

Vez ou outra, também, você pode ter de deixar seu assento em frente à direção para destravar portas com problemas ou então para solicitar que passageiros folgados saiam da frente das mesmas (pois estão impedindo seu fechamento).

Na criação de cada linha, além disso, durante a escolha dos pontos, dos locais por onde o ônibus irá passar, você deve prestar muita atenção ao tráfego, aos sentidos das ruas e avenidas, sob pena de criar trajetos realmente inviáveis, que além de serem pouco lucrativos, acabarão resultando em atrasos e mais atrasos (e sim, dependendo do caso, é possível que determinadas linhas acabem dando prejuízo).

Não se esqueça: há um cronograma, uma agenda a ser cumprida. Você deve seguir todo o quadro de horários para a linha em questão, o tempo máximo para atingir o próximo ponto é sempre informado em tela, para sua satisfação (ou não). Atrasos, além disso, resultam sempre em menos XP (estrelas).

Cinco estrelas representam a pontuação máxima que pode ser obtida em um trajeto, e tal pontuação pode aumentar ou cair dependendo de seu desempenho como motorista. Acidentes de trânsito, avançar semáforos fechados, batidas, atropelamentos, etc por exemplo, além de gerarem gastos muitas vezes altíssimos com manutenção, também fazem com que sua pontuação caia. Respeite, além disso, os limites de velocidade.

Fique atento à sinalização, e em caso de dúvidas e/ou para maior segurança, ative sempre o limitador de velocidade. E tenha o máximo de cautela ao dirigir: atropelamentos, acidentes envolvendo vítimas humanas, cidadãos da cidade, resultam no término imediato da “missão”/trajeto, e todo o rendimento da “missão” até ali é totalmente perdido. Você terá, então, dirigido à toa.

Não se esqueça, também: sempre ative a rampa para que cadeirantes possam subir e descer do ônibus, além disso, e para tanto, use e abuse das várias opções de câmera oferecidas. Não deixe também de olhar ao redor, antes de partir dos pontos de ônibus, pois pode ser que usuários atrasados estejam correndo para pegar seu ônibus, e se você deixá-los para trás, poderá incorrer em avaliações negativas (que impactarão seu desempenho no final do trajeto). Lembre-se também, sempre, de ativar o recurso que “baixa” o ônibus, nos pontos, para que os passageiros possam subir e descer com maior tranquilidade.

Conforme sua empresa vai crescendo, novos objetivos serão apresentados pelo jogo (por exemplo, criar uma linha rápida com no máximo 5 pontos, com um percurso de no máximo 10 minutos, e que atravesse todos os distritos desbloqueados até então).

Ao completar tais objetivos, você desbloqueará novos modelos de ônibus (o articulado é uma belezinha, realmente, além de gerar mais rendimentos, por motivos óbvios – entretanto, é mais difícil dirigi-lo, principalmente em ruas estreitas, com carros estacionados de um lado ou outro), novos paintjobs, novas opções de decalques e de publicidade, mais rentáveis.

Completar os objetivos apresentados pelo jogo, além disso, vai fornecendo acesso a outros distritos da cidade, além de render sempre alguns milhares de Euros. E dinheiro nunca é demais, não é? Me lembro até agora de que um dos últimos que completei me rendeu 25 mil, e foi justamente tal montante que me ajudou a adquirir meu atual ônibus articulado (ainda não cheguei nos da MAN – inseridos no jogo com a devida licença – mas estou caminhando em direção a tal objetivo).

Se você não se importa em jogar um título cujo atrativo principal não está nos gráficos, e se aprecia simuladores e/ou o estilo de games como Euro Truck Simulator, jogue Bus Simulator 16. Faça esse favor a si mesmo.

Gráficos, realmente, não são tudo em um jogo eletrônico, e mesmo que não estejamos aqui falando de um título com gráficos belíssimos, estamos falando a respeito de um jogo cativante, interessante demais, extremamente divertido, complexo na medida certa, com excelente jogabilidade e criado com bastante criatividade e atenção a detalhes. E, lembrando mais uma vez: a curva de aprendizado no BS16 é bastante suave.

O jogo tem um sério problema em relação ao desempenho, entretanto. A princípio, imaginamos que ele não seja nem um pouco exigente. E não deveria ser, memso. No entanto, me deparei com quedas de frames um tanto quanto constantes, e absurdas, além de uma possível trava em 30FPS.

Nada disso atrapalha o gameplay, obviamente, mas é algo a respeito do qual ainda tentarei falar com o pessoal da desenvolvedora (atualizarei este review quando tiver alguma resposta).

Digo isso, também e principalmente, porque a máquina onde o estou jogando conta com uma configuração bem acima até mesmo da recomendada para o jogo (só citando a GPU, é uma Nvidia GTX 970). Tentei, também, alterar diversas opções e configurações no tocante aos gráficos, e nada, estranhamente, surtiu efeito. nem nas quedas de FPS nem na tal trava.

Finalizando

Bus Simulator 16 é um daqueles simuladores que não podem faltar na coleção dos amantes do gênero. Ele pode ser adquirido por R$ 46,00 no Steam. Existe também um modo multiplayer, mas sobre isso falarei em um outro artigo.

Título: Bus Simulator 16

Gênero: Simulação

Desenvolvedora: Stillalive Studios

Publisher: Astragon Entertainment GmbH

Data de lançamento: 02 de Março de 2016

Plataformas: PC

Versão analisada: PC

Poderá gostar também

Pin It on Pinterest