Beat Hazard é um indie game para PC desenvolvido pela Cold Beam Games. Ele está à venda em diversos sites de distribuição digital, dentre eles o Steam. Beat Hazard foi lançado para PC em Abril passado, e é um game, digamos, guiado pela música. Um título que se assemelha em alguns aspectos com Auditorium e Audiosurf, outros fantásticos games musicais, porém difere destes por ser um shooter. Um game de nave onde tudo gira em torno da música: qualquer música que você possua em seu PC.

Beat Hazard conta com tradução para o português, alemão, francês e espanhol, dentre outros idiomas, além do inglês. O jogo sempre assume como música de fundo a última música que você “jogou”, a qual toca enquanto você acessa os menus e configurações do game. Trata-se de um game muito indicado para quem precisa de música para viver (como eu 🙂 ), e unir música com games é uma excelente idéia.

Jogabilidade

Em Beat Hazard, você “joga uma música”, digamos. Uma fase é igual a uma música, no modo principal, e o controles são simples: W, A, S, D (ou as setas do teclado) para mover sua nave, o botão esquerdo do mouse serve para atirar e com o botão direito você lança a super bomba, que acaba com tudo o que está na tela. Através do mouse, aliás, você move a mira de sua nave pela tela.

A jogabilidade de Beat Hazard é extremamente simples, e você rapidamente estará “jogando suas músicas” e observando os ofuscantes efeitos de luzes e as explosões luminosas que ocorrem com altíssima frequência durante o gameplay. Não há muito mais o que falar a respeito da jogabilidade de Beat Hazard: jogue, e você rapidamente dominará os controles. A dificuldade, então, será ditada pelas músicas que você escolher.

Jogando Beat Hazard

Jogar Beat Hazard é uma experiência e tanto. Tudo o que você experimenta é apresentado a você por conta da análise que o game executa na faixa que você escolher. O game irá sempre monitorar a frequência da música, e a quantidade de naves e tiros inimigos, inclusive, é ditada por tal análise.

Sua nave e seu armamento também “sofrem” os efeitos da música. Quanto mais lenta e/ou calma é a música, mais fácil será o gameplay, e quanto mais agitada, mais difícil e movimentado ele será. A quantidade e a força dos tiros que sua nave dispara também é determinada pela intensidade da música. Os efeitos luminosos no background também acompanham o ritmo e as variações na música.

Enfim, tudo neste divertidíssimo game de nave gira em torno da música, e isto pode ser observado inclusive enquanto você está navegando pelos menus. A própria movimentação do cenário segue os ditâmes da canção em execução, e será mais rápida ou mais lenta conforme as oscilações musicais.

Jogue C’est La Vie, do Emerson, Lake & Palmer, e caia em um marasmo de dar dó. Por outro lado, escolha T.V. War, do Accept, e fique louco e saia do marasmo. 🙂 E não pense que você se deparará somente com naves e super naves inimigas: também existem asteróides em Beat Hazard, os quais meio que perseguem você, até que a movimentação do cenário faça com que eles sumam pelos quatro cantos da tela.

Neste game musical da Cold Beam Games, existem algumas particularidades bem interessantes. Na parte inferior esquerda da tela existe um medidor de volume. Conforme você vai coletando pequenos itens chamados “VOL”, este medidor vai sendo “enchido”, e quando ele for totalmente completado juntamente com o medidor “Weapon Power”, você atinge o status de Beat Hazard e o logo do game aparece pulsando no ritmo da música, logo à direita do medidor de volume.

Os “Volume Power Up’s” aumentam o volume da música gradativamente, conforme você os vai coletando, e à medida que isto acontece, os efeitos visuais vão sendo incrementados e seu armamento vai ficando mais poderoso. Existe também um item chamado “Weapon Power Up”, representado por pequenos ícones contendo a palavra “POW”. Estes também aumentam o poder de suas armas. A Super Bomba lança uma onda destrutiva que acaba com tudo o que estiver por perto.

Tudo o que você destrói em Beat Hazard conta pontos. E existem os “Score Multipliers”, representados por um pequeno símbolo que contem os caracteres “+1”, os quais aparecem com bastante frequência durante o gameplay e servem para multiplicar sua pontuação quando você destrói inimigos. Isto pode ser acompanhado de forma bem simples através do medidor “Multiplier”, localizado no canto esquerdo da tela. Aliás, vale ressaltar que logo mais abaixo você pode visualizar quantas vidas e super bombas ainda lhe restam.

Outra peculiaridade bastante interessante em Beat Hazard é o Dare Devil: não dispare nenhum tiro por cinco segundos e o marcador Dare Devil aparecerá abaixo de sua nave. Assim que ele for completado, você aumenta o seu multiplicador de score. Isto pode ser executado quantas vezes você desejar: só não me vá tentar aumentar o seu multiplicador de score através do Dare Devil quando a tela estiver cheia de inimigos. 🙂

Existe também um outro recurso que ajuda a incrementar sua pontuação: a cada 30 segundos durante os quais você se mantém vivo, você ganha bônus para o seu “score multiplier”. E isto tudo sem contar com o show luminoso que ocorre quando você morre: até morrer, neste game, é divertido e provoca um show de luzes coloridas.

Gráficos e trilha sonora

Bem, quanto à trilha sonora, o gamer é quem decide. Já quanto aos gráficos, trata-se de um verdadeiro show de efeitos luminosos. Explosões multicoloridas, backgrounds pulsantes, variados e coloridos, rajadas de energia belíssimas disparadas pela sua nave, menus muito bonitos e dinâmicos e inimigos muito bem feitos, incluindo algumas super naves que agem como verdadeiros chefes de fases.

Beat Hazard é um verdadeiro show áudio-visual, e mesmo enquanto você se encontra nos menus do game, é notável a qualidade gráfica do game. Um game destes pode fazer algumas pessoas se perderem, em alguns momentos, tamanha a quantidade de luzes e efeitos que explodem pela tela, transformando tudo em uma verdadeira festa.

Em determinados momentos, você chega a ficar desorientado e sem saber onde está sua nave e sua mira, dependendo da força de seu armamento no momento, da quantidade de inimigos presentes na tela, etc.

Beat Hazard, como já disse acima, é um verdadeiro show áudio-visual.

Finalizando

Beat Hazard é um game com um fator replay altíssimo. Aliás, nem se pode dizer que exista fator replay em Beat Hazard, pois cada música representa um gameplay diferente, e mesmo jogando uma mesma música mais de uma vez você se deparará com coisas diferentes a cada jogo. Digamos que este é um game infinito.

Este título da Cold Beam Games faz parte de um nicho não muito explorado (infelizmente) pelos desenvolvedores de games, e a criação de um shooter onde o gameplay segue a frequência da música é algo totalmente inovador, em minha opinião. Parabéns à desenvolvedora: Beat Hazard está entre os meus games favoritos.

Poderá gostar também

Pin It on Pinterest