Cities in Motion é um daqueles games que, ou você odeia, ou ama incondicionalmente. Vale ressaltar que apreciei muitíssimo o jogo, e se você gosta de simuladores, vale a pena dar uma olhada no título. Desenvolvido pela Colossal Order, Cities in Motion é, basicamente, um simulador de transportes no qual você deve atuar como “controlador” da empresa responsável pelo gerenciamento de todo o sistema de transportes em quatro cidades da Europa: Viena, Helsinki, Berlim e Amsterdam.

Vale ressaltar que existem diversos tipos de transportes disponíveis. Metrô, ônibus, barcos, helicópteros, bondes, etc. Cada um deles possui suas respectivas peculiaridades no tocante à criação de linhas, interligação com outras linhas, pontos de parada, viabilidade, etc. Cada cidade em Cities in Motion “responde ao jogador” conforme a atuação deste, e existe inclusive um medidor do nível de reputação da empresa de transportes, o qual divide as opiniões dentre diversos tipos de habitantes: turistas, trabalhadores, estudantes, etc.

Sempre acompanhar as finanças da empresa e a economia da cidade é uma ótima pedida para obter sucesso no game. Através do cruzamento de vários dados fornecidos por diversos painéis dentro do jogo, você pode descobrir o que está funcionando ou não. Você pode, portanto, a partir daí e com o embasamento necessário, realizar diversos ajustes visando sempre obter a satisfação da população, o que se traduz em sucesso financeiro e, consequentemente, mais dinheiro para novos investimentos. Vale  ressaltar que os tais ajustes que mencionei acima podem ir desde o simples reajuste (para mais ou para menos) do valor dos tickets de transporte até operações mais complexas, como interligação de linhas, construção de novas linhas, eliminação de linhas que não dão o devido retorno (para a empresa e/ou para a satisfação dos habitantes), etc.

Cities in Motion  permite tanto a criação de vários pontos de parada, em qualquer tipo de linha que você criar, quanto a integração de uma linha com a outra. Isto facilita a vida das pessoas. Pense em um terminal de ônibus interligado ao metrô, em São Paulo, por exemplo. Ou pense mais além. Interligue várias linhas, realize diversas conexões, acompanhe as flutuações do custo da eletricidade e do combustível, e realize ajustes sempre tendo em mente o quanto você dispõe em caixa, bem como o quão rentável é a empresa.

Cada linha de transporte deve possuir alguns elementos básicos e imprescindíveis: traçado, paradas e veículos. E todas devem ser fechadas, ou seja, o início de todas elas deve se ligar ao final, formando, de certa forma, um círculo. Somente a partir daí é possível ativar uma linha. Você pode, a qualquer momento, ativar ou desativar qualquer uma das linhas em operação. Vale ressaltar que, de maneira muito interessante, Cities in Motion permite que você ligue ou desligue a visualização de quaisquer linhas (veja bem, isto é diferente da desativação das linhas). Isto é muito útil para melhor trabalhar, conforme você vai criando linhas e mais linhas.

Cada cidade evolui. O período coberto pelo game vai de 1920 a 2020, e tudo muda de acordo com a época, inclusive construções, tipos de veículos e a própria cidade em si. Algo muito interessante neste título da Colossal Order é a impressão de vida que permeia todos os cenários e cidades. Você clica em uma determinada construção e ouve o barulho das pessoas e do que está acontecendo ali dentro. Você clica em um brinquedo em um parque de diversões e ouve os gritos de alegria das crianças. Você clica em um carro ou em um veículo qualquer, faça ele parte do sistema de transporte público ou não, e pode acompanhar sua movimentação através do mini mapa localizado no canto inferior direito.

É muito divertido interligar diversas linhas, de diferentes tipos. Uma linha de metrô pode transportar passageiros do aeroporto para diversos outros locais da cidade, e durante o percurso pode possuir conexões com linhas de ônibus e bonde, por exemplo, fornecendo assim diversas opções de locomoção aos cidadãos. Ao comprar um veículo para utilização em sua empresa, seja ele de qualquer categoria, preste atenção em sua capacidade, consumo de combustível e também no quão atrativo ele é para os clientes (tudo isto é exibido na tela de compra). Todos estes ítens devem ser “pesados na balança”, e nunca deixe de olhar para o topo da tela, onde é exibido o dinheiro que existe atualmente na conta da empresa.

Preste também muita atenção à distância entre um ponto de parada/estação e outro. Você não vai querer que seus clientes/usuários esperem muito tempo por um trem ou ônibus, não é? Isto fará com que eles fiquem insatisfeitos, e aí, você já sabe o resultado. Aliás, isto é meio que óbvio, mas é sempre bom lembrar que linhas mais longas requerem mais pontos/estações. Isto é primordial.

Existem diversos painéis em Cities in Motion. Cada um deles permite ao usuário “trabalhar” e obter informações. A complexidade ou, melhor dizendo, o poder de gerenciamento é tamanho, que você pode até mesmo definir o valor dos tickets de passagem. Tenha sempre em mente, porém, que isto pode ser uma faca de dois gumes. Acompanhe sempre as estatísticas, a taxa de desemprego, a rentabilidade da empresa e a reputação da mesma. Acompanhe também o crescimento econômico da cidade e demais dados fornecidos por Cities in Motion.

Lembre-se: se as coisas vão mal em um determinado cenário/cidade, se a economia da cidade em questão vai mal, e você aumenta o valor dos tickets de transportes, isto poderá provocar enorme insatisfação nas pessoas, o que, é claro, trará resultados negativos a você e à sua empresa. Em contrapartida, se tudo vai bem na cidade, se ela está crescendo, se a reputação da empresa vai bem, etc, você pode, vez ou outra, reajustar os valores dos tickets e os cidadãos nem se darão conta do aumento, talvez. Ou, no mínimo, não se manifestarão de forma negativa.

Quando as coisas vão mal, você pode pegar dinheiro emprestado de alguns bancos. Cada um deles conta com taxas e prazos de pagamento diferentes. Trabalhar com cada um deles representa uma situação diferente, e cabe a você, se chegar ao ponto de necessitar de um empréstimo, identificar qual banco e condições são as melhores para sua cidade e empresa de transportes. Em Cities in Motion, você também pode realizar campanhas de marketing. É possível anunciar em jornais, no rádio ou na televisão, por exemplo. Cada campanha possui seu próprio custo e resultados diferentes, portanto, pense bem. Você pode também definir o tempo de duração de cada campanha de marketing.

Frequentemente, ao jogar um cenário, por exemplo, você é notificado de diversos acontecimentos na cidade. Incêndios, ônibus quebrados que estão atrapalhando o tráfego, etc. É sempre bom ficar de olho na barra de avisos, para tomar ações rápidas e frear o avanço dos problemas.

Visualmente, Cities in Motion é um verdadeiro show. Você pode percorrer a cidade com o mouse, rotacionar o ângulo de visão com as setas do teclado e utilizar o zoom através do botão de scroll de seu mouse. Belíssimos edifícios fazem parte de todas as cidades, assim como os mais diversos tipos de construções. Estádios, prédios de apartamentos, prédios comerciais, aeroportos, escolas, fábricas, parques, florestas, rios, pontes, etc. Ao aproximar a câmera de uma praça, por exemplo, você pode visualizar toda a vida que ali se encontra. Cidadãos caminhando, pessoas sentadas nos bancos, etc.

Facilmente você irá se deparar com cidadãos caminhando pelas calçadas. Carros percorrem as ruas e estradas constantemente, bem como os veículos de sua frota. Você poderá até observar como, às vezes, colisões iminentes são evitadas por um motorista, e se clicar em algum dos carros, por exemplo, poderá acompanhar todo o seu percurso através do mapa.

Todas as construções do game contam com grande nível de detalhes, e você pode muito bem passar diversos minutos apenas circulando pelas cidades, observando todos os “itens” e suas respectivas peculiaridades. Vale ressaltar que até mesmo o subterrâneo da cidade está à sua disposição, o que ajuda bastante no momento de construir linhas subterrâneas de metrô. A impressão de uma cidade dotada de vida própria é grande, em Cities in Motion. Aviões percorrem os céus, constantemente, e muitas vezes atravessam o seu campo de visão.

Se você aproximar o zoom ao máximo, poderá se impressionar com as folhas das árvores oscilando ao sabor do vento, bem como com a tranquilidade que alguns bairros residenciais deixam transparecer. Cities in Motion conta com um completo tutorial, através do qual você poderá aprender todos os “macetes” do game. Ele também oferece o modo campanha e 12 cenários, os quais podem ocorrer em qualquer cidade e vão exigindo que você cumpra diversos tipos de tarefas.

Existe também o sensacional modo sandbox, o qual permite que você defina a cidade, o ano de início do jogo, o tamanho do mapa, o nível de dificuldade e mais alguns detalhes. Este modo de jogo permite que você pratique com mais liberdade, ao mesmo tempo em que eleva as possibilidades ao cubo. O título também conta com um editor de mapas, onde você começará basicamente do zero, e terá a chance de construir a cidade de seus sonhos. Aqui, você pode definir o nome da cidade e o país onde ela será localizada, o ano de início e o tamanho do mapa. Feito isto, inúmeras ferramentas de construção e gerenciamento são colocadas à sua disposição.

Conclusão

Cities in Motion é um poderoso simulador de transportes que, através de belíssimos gráficos em 3D e ferramentas poderosas porém fáceis de ser manipuladas, coloca nas mãos do jogador o poder de influenciar as idas e vindas dos cidadãos de sua cidade. Recomendadíssimo.

Ficha técnica

Título: Cities in Motion
Gênero: Simulador
Desenvolvedora: Colossal Order
Distribuidora: Paradox Interactive
Data de lançamento: 22 de Fevereiro de 2011
Plataformas: PC
Versão analisada: PC

Poderá gostar também

Pin It on Pinterest