Dungeons é um game que muitas pessoas comparam a Dungeon Keeper, da Bullfrog Productions. Muita gente, aliás, diz que este título é o “sucessor espiritual” de Dungeon Keeper. Quanto a este respeito nada posso dizer porque nunca cheguei a jogar este último jogo. O que posso dizer é que Dungeons, desenvolvido pela Realmforge Studios e com distribuição a cargo da Kalypso Media Digital, é um jogo muito interessante. Trata-se de uma mistura de estratégia com tower defense, bem como RPG, é claro. Ocorre que Dungeons “inverte” a ordem, digamos. Ao invés de você protagonizar o herói que adentra perigosas dungeons em busca de fama, riquezas, aventuras, etc, o que ocorre é o contrário: você luta contra estes heróis.

Direta ou indiretamente, o que você deve realizar, em Dungeons, é distrair, satisfazer, enganar e extrair a energia das almas dos heróis incautos. Mortes acontecem, é claro, também direta ou indiretamente. Ocorre que você pode entrar em combate direto com os aventureiros, ou então deixar que seus monstros façam o trabalho por você. Você, aliás, é o Dungeon Lord. Você era grande. Famoso. O “maioral” na área, digamos. Seu nome é Deimos e você foi traído por sua namorada, Calypso, a qual literalmente lhe derrubou. Até tributo a um certo Zombie King você chega a pagar, após sua queda. Agora, você terá de recomeçar. Recuperar seu antigo prestígio e poder, e também correr em busca de vingança contra Calypso, é claro.

Um jogo extremamente desafiador

Esta é a básica premissa para um jogo desafiador ao extremo. Dungeons é difícil, não se engane. Mas é também, por outro lado, extremamente viciante e interessante. A visão é meio que em perspectiva isométrica, e você dispõe de um completo mapa, que lhe mostra objetivos, inimigos (heróis), sua própria localização nos mapas e as portas pelas quais entram os heróis. Dungeons também disponibiliza um muito bem vindo controle de zoom, através do qual você pode também acompanhar toda a ação bem de perto.

Sua Dungeon deve ser esquematizada e tratada com muito carinho, vale lembrar. Existe até o Dungeon Heart, ou seja, o coração de sua Dungeon. Trata-se de uma espécie de mecanismo que se parece mesmo com um coração pulsante, o qual, caso destruído, representa o final do jogo e o recomeço de uma nova partida. Frequentemente, hordas de inimigos ou até mesmo heróis (que não deixam também de serem inimigos) tentam destruir o Dungeon Heart, e você deve sempre pensar de forma estratégica, “plantando” defesas nos caminhos que levam até o mecanismo ou rapidamente para lá se dirigindo quando necessário.

Existe até uma magia especial que teletransporta você até o Dungeon Heart, quando necessário. Entretanto, após utilizadas, todas as magias precisam de um tempo para se recarregarem. O mesmo acontece com os pentagramas, ítens importantíssimos neste jogo. Você deve obter influência sobre as áreas de jogo, pois em caso contrário, nada poderá fazer ali. Você define e expande sua área de influência construíndo pentagramas, os quais também possuem a função de liberar monstros que defenderão o seu “reino”. Você também pode converter pentagramas inimigos “para o seu lado”, através de uma magia específica para isto, o que faz com que a área (e o pentagrama também) em questão passe a ser de sua propriedade.

Infelizmente, esta questão da ampliação da área de influência pode ser um pouco confusa, às vezes, e vale ressaltar que a quantidade de pentagramas que você pode construir é sempre definida pelos seus “population points”. Você também conta com ajudantes muito especiais. Goblins meio que escravizados que trabalham sem parar, derrubando paredes sob seu comando ou enchendo baús com ouro, para criar “iscas” para os heróis, dentre outras coisas.

O jogo Dungeons também conta com uma interessante árvore de atributos, a qual permite que você adicione skill points, conforme os vai adquirindo, em três áreas distintas: combate, melhorias e construções. Tanto você quanto os heróis vão evoluindo, pouco a pouco, o que vai tornando o gameplay bem interessante (e difícil, se você deixar que os heróis sobrepujem seus atributos).

Grande parte de seu trabalho é espalhar itens para atrair a atenção dos heróis. Estes ítens, no game chamados de “gimmicks”, servem como armadilhas, que ao mesmo tempo aumentam a satisfação dos heróis (lembre-se sempre disso), o que por sua vez potencializa a força que você pode extrair de suas almas, e também servem para aumentar o seu prestígio (isto também é muito importante, pois no game, é traduzido em poder). Lembre-se: quanto mais “prestige points” você obter, maior será o seu poder.

Um “reino” em constante movimento

É possível observar seus goblins correndo de um lado para o outro, enchendo barris de ouro e realizando as mais diferentes funções, de forma automática. Você também pode dar ordens a eles, como por exemplo, pedir para que eles derrubem paredes. Eles são realmente uma “mão na roda”. Você também conta com um ajudante muito especial, o qual lhe fornece dicas úteis e o mantém ciente de tudo o que acontece. Trata-se do Mr. Sidekick, uma espécie de duende que, aliás, é o professor no tutorial do game. Ele é até meio hilário, em grande parte das vezes.

Ao jogar este título da Realmforge Studios, constantemente você observa mensagens a respeito do que ocorre em seu “reino”. Heróis que escaparam levando seu ouro (que pena), heróis que foram mortos por seus monstros, heróis ou outros inimigos que estão tentando destruir o Dungeon Heart, etc. Você nunca fica sem saber o que está acontecendo, mesmo quando entra em ferrenhos embates contra alguns heróis.

Vale notar que os heróis entram em sua Dungeon através de portais específicos, os quais são abertos por você. Muitas vezes, pode existir mais de um portal. É imprescindível abrir um determinado portal somente após a construção dos atrativos e defesas necessários, pois caso contrário, é muito provável que seu “suado” tesouro vá embora bem rapidamente, isto sem falar no risco representado por uma grande horda de inimigos destemidos dentro de seu território.

Crie sua Dungeon pensando nos mínimos detalhes. Cada “prestige gimmick” possui um valor de prestígio que será retornado assim que algum herói se interessar pelo mesmo. Guie seus heróis através dos seus domínios posicionando tais ítens em locais estratégicos. Crie pentagramas (lembre-se, pentagramas são “fontes de monstr0s”), e proteja-se, de certa forma, ao mesmo tempo em que satisfaz a sede de batalha dos guerreiros. Vale ressaltar que cada “prestige gimmick” custa determinada quantidade de “soul energy”. E sobre este “elemento”, já deu para sacar onde, ou melhor, de que ele forma é obtido, não é? 🙂

Pentagramas requerem ouro, prestige points e population points. É inegável aqui, o lado “gerenciamento de recursos” do game Dungeons. Tudo possui um pré-requisito. Tudo deve ser construído/realizado com a máxima cautela, visando os melhores resultados e o mínimo gasto de energia, ouro, etc. É claro que os valores em relação aos recursos são sempre fixos, porém variando conforme o ítem em questão. Mas vai de cada gamer determinar o momento certo para a construção.

O título conta com uma spell bar em seu canto inferior esquerdo, a qual pode ser configurada pelo próprio jogador. Disponha suas magias onde bem entender, na spell bar, de forma tal a acessá-las rapidamente quando precisar. Existe até uma magia chamada “through the eyes of the lord”, a qual, quando lançada, permite que você observe o território a partir de um patamar bem superior. É possível também a construção de prisões de diferentes tipos. Construídas as prisões, os Goblins carregarão para as mesmas os corpos inertes de quaisquer heróis que tenham lutado com você, por exemplo, e desmaiado (não morrido). Eles ficarão ali, tendo a energia de suas almas sendo “sugada” pouco a pouco, para o deleite do Dungeon Lord, até morrerem. Seus esqueletos podem ser vistos, quando isto ocorre.

Cada tipo de prisão possui requerimentos e oferece resultados diferentes. Elas extraem a energia das almas ali apreendidas em maior ou menor tempo, custando mais ou menos, e matando de forma mais rápida ou mais lenta os personagens ali presos. Uma das melhores estratégias em Dungeons é ficar sempre de olho nos heróis, observando seu nível de satisfação. Quando este atingir o seu ápice você pode, pessoalmente, acabar com a alegria deles. Só tome cuidado para que os heróis não corram para atacar seu Dungeon Heart, quando isto ocorrer. Aja antes.

Vale lembrar também que, ao jogar os diferentes níveis de Dungeons, você se deparará com uma certa quantidade de objetivos a serem cumpridos, em cada um deles. Construa tal coisa, mate “x” número de heróis, alcance tal local, etc. Trata-se de uma maneira de incrementar o gameplay e fazer com que você, ao mesmo tempo, aprenda mais sobre a mecânica de jogo, pois durante estas tarefas você utilizará as mesmas “ferramentas” que utiliza enquanto lidando apenas com os heróis.

Heróis, goblins, monstros, traição, RPG, ação, complexidade, música soturna e imponente: a Realmforge Studios fez um excelente trabalho. O game possui lá as suas falhas, isto não se pode negar. Muitas delas oriundas da própria mecânica de jogo, principalmente ref. à questão da área de influência, conforme mencionei acima. É um pouco difícil entender como este processo funciona, a princípio, e você terá de ter muita paciência até que domine esta parte.

Dominada a questão das áreas de influência e dos pentagramas, você ainda terá de labutar bastante para aprender como gerenciar todos os recursos de forma adequada. Muitas vezes uma abordagem direta, digamos, é o ideal, e pode impedir um desastre total (só para exemplificar uma das possíveis ocorrências envolvendo o Dungeon Heart).

Conclusão

Dungeons oferece aos jogadores a oportunidade de jogar um RPG onde tudo foi meio que “invertido”: os gamers criarão suas próprias Dungeons. Jogadores que apreciam RPG’s poderão encontrar no título uma ótima forma de “jogar ao avesso”, sem no entanto perder o foco no lado RPG, pois o game faz questão de deixar bem claro, sempre, que estamos em um Role Playing Game, antes de qualquer coisa.

Dungeons é complexo, e deve ser aprendido com muita paciência, para que o jogador possa dele extrair o máximo de diversão. Quando esta conquista é atingida, a diversão flui de maneira muito interessante.

Ficha Técnica

Título: Dungeons
Gênero: RPG / Estratégia
Desenvolvedora: Realmforge Studios
Distribuidora: Kalypso Media Digital
Data de lançamento: 10 de Fevereiro de 2011
Plataformas: PC
Versão analisada: PC

Pin It on Pinterest