É realmente surpreendente como diversos estúdios independentes estão conseguindo entregar ao mercado, ultimamente, jogos sensacionais e baratos. Este é o caso de Orcs Must Die!, da Robot Entertainment. Trata-se de um game que, basicamente, adiciona elementos de estratégia e ação a um título que, na verdade, é um tower defense muito bem estruturado e repleto de novidades. Aliás, esta mistura proporciona momentos bem interessantes durante o gameplay, bem como desafios os mais diversos.

Vale lembrar que a Robot Entertainment conta com diversas pessoas que trabalharam na Ensemble Studios, a qual também desenvolveu Halo Wars e Age of Empires III. Em Orcs Must Die! você é um pupilo de um feiticeiro que matou milhões de orcs durante sua vida, tendo defendido o mundo e diversas culturas diferentes. Infelizmente, o tal feiticeiro não foi muito feliz em seus últimos dias, e acabou morrendo de maneira bem, digamos, boba: ele escorregou e bateu com a cabeça em um degrau. Após isso, a missão de acabar com a raça dos orcs é deixada nas mãos de seu aprendiz: você. Durante a introdução, aliás, o velho feiticeiro deixa bem claro que não está muito feliz com tudo isto, e que não confia em seu aprendiz.

Vale lembrar que o game conta com áudio e texto em diversos idiomas, e isto inclui o Português do Brasil. Pelo menos sua versão para PC conta com esta novidade (não sei dizer se a versão para Xbox 360 também possui áudio e texto em pt-BR). Para jogar em pt-BR, supondo-se que você tenha adquirido uma versão Steam do game, basta abrir o seu cliente Steam, clicar no jogo com o botão direito do mouse e utilizar a opção “Properties”. Em seguida, vá na aba “Language” e escolha a opção Português (Portuguese). O Steam então fará o download dos arquivos necessários, e após você reiniciar o jogo, ele estará totalmente traduzido.

É claro que a tradução, tanto em relação ao áudio quanto ao texto, não está perfeita. Mas acredito que temos de louvar o esforço da Robot Entertainment. Além de uma surpresa e tanto, esta atitude da empresa, traduzindo o game para nosso idioma, mostra mais uma vez que somos um mercado importante e que já estamos sendo vistos com atenção não somente pelas desenvolvedoras gigantes.

Em Orcs Must Die! o jogador conta com um “livro de feitiços”. É neste livro, o qual na verdade é uma espécie de inventário, que você irá armazenar todas as armas, feitiços e poderes que vai ganhando no decorrer do jogo. Cada nível conta com duas fases: a fase de planejamento, onde você terá todo o tempo do mundo para analisar o cenário, posicionar suas armadilhas e se preparar, e a fase onde as portas são abertas e os orcs começam a invadir o ambiente.

É importante ressaltar que cada wave somente é iniciada assim que você liberar, portanto, é possível estudar bastante o ambiente e posicionar armadilhas em diversos locais. É sempre bom prestar muita atenção em cada cenário, em suas peculiaridades e em como diversos locais poderão ajudar cada uma das armadilhas a alcançar o máximo poder de destruição. Uma armadilha de molas, por exemplo, posicionada de forma estratégica e próxima a uma poça de ácido, pode mandar muitos orcs para o “beleléu” sem que você mexa um dedo.

Orcs Must Die! é outro belo tower defense lançado em 2011. Se em Sanctum temos a oportunidade de jogar um tower defense em primeira pessoa, e em Anomaly: Warzone Earth temos a oportunidade de jogar um “tower defense ao contrário”, atacando ao invés de defender, basicamente, o jogo da Robot Entertainment nos apresenta uma mistura de ação, tower defense e estratégia em terceira pessoa.

Isto representa uma novidade e tanto, e mostra que o gênero está longe de ser esgotado, como parecia há até algum tempo atrás. O jogo conta com cenários super interessantes e gráficos muito bonitos. Existem fases e cenários, aliás, que contam com escadarias, andares superiores e corredores que podem servir de atalho para os orcs. Tudo isto aumenta ainda mais o nível de desafio do jogo, e faz com que você tenha de pensar bastante durante a fase de planejamento e se movimentar bastante durante a fase de ataque.

Para piorar as coisas (ou melhorar, depende do ponto de vista), os orcs podem vir de mais de um local diferente, e em determinadas fases, existem variações em relação a este fator. Inimigos podem sair de locais distintos, por exemplo, mas de forma alternada e independente. Uma onda de orcs pode vir de uma porta e, terminada esta onda, a próxima sairá da outra. E assim por diante. Isto acaba forçando o jogador a modificar sua estratégia constantemente, além de fazer com que ele tenha de se movimentar muito pelo cenário. Pode ocorrer também de uma grande onda de orcs vir de uma porta e um único inimigo mais forte vir de outra. Grandes ondas de inimigos também podem sair simultaneamente de mais de um local, vale lembrar.

É extremamente interessante observar as portas através das quais os inimigos sairão, durante a fase de planejamento. Você ouve seus urros, percebe a madeira tremendo e rangendo, e a impressão que se tem é que eles arrebentarão a porta antes do tempo. Orcs Must Die! proporciona uma experiência extremamente divertida e desafiadora. O jogador conta com a ajuda das defesas que “plantou” e também está no campo de batalha, com visão em terceira pessoa, podendo até mesmo combater os orcs bem de perto, utilizando uma espécie de espada longa. É possível também utilizar um crossbow que dispara rajadas energéticas.

O objetivo do jogo é defender a ruptura, o “rift”. Esta ruptura também cura o protagonista, vale ressaltar. Isto é muito importante em um jogo como este, pois não estamos, por exemplo, falando de um tower defense onde o jogador “observa tudo de cima”. O protagonista está no campo de batalha, e pode até mesmo sofrer danos oriundos de inimigos distantes que utilizam armas que disparam cargas energéticas.

As recompensas durante o jogo são bem interessantes. Matando orcs você ganha moedas, e pode gastá-las comprando armadilhas e outros itens, no intervalo que antecede a fase de planejamento. Você também pode morrer durante uma wave, por exemplo. O jogo continua, mas sua morte causa perda de pontos na ruptura. Cada inimigo que consegue acesso à ruptura faz com que este número diminua. Se ele chegar a zero, é “game over”, e a fase terá de ser reiniciada.

A utilização das armadilhas é essencial. E é também essencial pensar de forma estratégica no momento de posicioná-las, bem como ficar de olho no dinheiro que você tem disponível. Fases com mais de um andar, por exemplo, podem requerer a instalação de muros de flechas nas escadarias, ou até mesmo armadilhas de espinhos no início das mesmas. As lâminas de parede também são muito interessantes e versáteis. Trata-se de uma armadilha que contém um conjunto de lâminas giratórias que entram em ação automaticamente tão logo um inimigo dela se aproxime. O infeliz, neste caso, é literalmente retalhado.

O gamer também pode fazer uso de arqueiros e guardiões que envergam pesadas armaduras. Estes também podem morrer, é claro, mas representam ajuda fenomenal durante determinadas fases. Um arqueiro posicionado em um ponto elevado próximo à alguma porta de saída de orcs pode causar muitas baixas entre os inimigos antes de ser morto. O jogador também conta com armas que possuem modos alternativos de uso. Seu crossbow, por exemplo, também pode disparar rajadas mais fortes de energia. Mas tudo isto deve ser sempre bem dosado, pois apesar da energia utilizada no armamento ser infinita, ela tem de ser recarregada de tempos em tempos. É algo que ocorre automaticamente, mas que demanda alguns segundos. Um marcador localizado no canto superior esquerdo da tela exibe esta informação constantemente, bem como o nível de sua energia vital.

Todas as armadilhas podem sofrer upgrades, e para isto, você deve utilizar crânios ganhos durante o jogo. Os upgrades podem, por exemplo, aumentar o alcance das armadilhas, e desta forma tornar suas defesas automáticas mais efetivas. Chega um momento em que você pode conseguir desbloquear algumas cartas que aprimoram determinado aspecto de alguns elementos do jogo. A das armadilhas, por exemplo, permite que você reduza o tempo que elas levam para entrar em ação.

Você também pode mudar o posicionamento de suas armadilhas, vendendo-as e, então, utilizando o dinheiro para posicioná-las em outro lugar. O dinheiro que você investiu é devolvido integralmente, vale lembrar. Antes de posicionar as armadilhas, dependendo do tipo da mesma, é também possível girá-la. Você pode, por exemplo, fazer com que uma armadilha de molas seja posicionada de forma tal que quando os orcs nela pisarem sejam jogados em um poço de ácido.

Não existe muito diálogo, em Orcs Must Die!. Aliás, não existe diálogo algum. O que existe são falas do protagonista (ele fala sozinho) comentando a respeito das ameaças, dos cenários, etc. Ele diz, em determinado momento, por exemplo, que os ataques dos orcs estão mais organizados, e que ele gosta disso. Ele gosta quando os inimigos se juntam para morrerem juntos.

Existem situações engraçadas e perigosas no jogo, também. Algumas vezes alguns inimigos conseguem fugir de sua atenção, o que é bem comum, e ao olhar para o mapa, você enxerga os pontinhos vermelhos se dirigindo para a ruptura. Eles podem, por exemplo, ter utilizado algum outro caminho e você não percebeu. Ao persegui-los correndo, então, você os vê de costas. Ao chegar mais próximo do grupo, um ou vários orcs podem notar sua presença, se virar e então vir correndo para cima de você. É interessante o fato de que nem todo o grupo volta, o que é perigoso, pois você terá de lidar com estes que se voltaram contra você rapidamente e ainda tentar dar cabo dos outros antes que eles cheguem ao core.

Determinadas fases também contam com portais de teletransporte, e através deles você pode “viajar” para locais distantes do cenário de maneira mais rápida. Os gráficos, os cenários e os modelos de Orcs Must Die! são muito bonitos, isto não se pode negar. Entretanto, tudo pode se tornar um pouco repetitivo.

Você tem a nítida impressão de estar lutando dentro de um mesmo castelo: só mudaram as alas, digamos, conforme as fases vão se sucedendo. O problema é que poucos elementos do cenário são alterados, e até mesmo os inimigos não variam muito, apesar de alguns deles conseguirem voar. Mas o jogo é um “must have” para quem aprecia tower defense e estratégia, e até mesmo para os iniciantes no gênero, pois trata-se de um título híbrido extremamente agradável, divertido, desafiador e diferente.

Conclusão

Orcs Must Die! é mais um ótimo representante do gênero tower defense. Ele consegue elevar o patamar de desafio e diversão do gênero com a introdução de muitos elementos estratégicos e dando ao jogador a oportunidade de participar da ação diretamente no campo de batalha, com perspectiva em terceira pessoa. Jogo altamente recomendado e, lembre-se: os Orcs Devem Morrer!

Nota

9.5/10

Ficha Técnica

Título: Orcs Must Die!
Gênero: tower defense / estratégia / ação
Desenvolvedora: Robot Entertainment
Publisher: Robot Entertainment
MSRP: US$ 14,99 / 1200 Microsoft Points
Data de lançamento: 05 de Outubro de 2011 (Xbox Live) / 12 de Outubro de 2011 (PC)
Plataformas: PC / Xbox 360 (XBLA)
Versão analisada: PC

Poderá gostar também

Pin It on Pinterest