Rocket Knight foi lançado para Xbox 360, na Xbox Live Arcade, em 12 de Maio de 2010. O título foi também lançado para o Playstation 3, através da PSN, e para PC, através do Steam.

O jogo, desenvolvido pelo Climax Studios e distribuído pela Konami, é uma “releitura”, digamos, da antiga série de jogos para os consoles de 16 bits que tinham o Sparkster como protagonista. Tudo começou com o Rocket Knight Adventures.

Rocket Knight é um game de plataforma, um fantástico side-scrolling. O XBLA (é a respeito dele que comentarei) custa 1200 Microsoft Points (15 dólares), e é divertido e desafiador.

Belíssimos gráficos e uma dificuldade que vai sendo aumentada gradativamente, até o game se tornar um tanto quanto difícil, fazem com que o título da Climax Studios relembre os velhos e bons tempos de consoles como o Mega Drive, o SNES e o Master System, por exemplo. Tudo isto, é claro, em alta definição e ao som de uma trilha sonora empolgante ao extremo.

História

Rocket Knight conta a história de um mundo chamado Elhorn. Mais precisamente, do reino de Zephyrus. Uma terra pacífica que, no entanto, devido ao seu progresso, chamou a atenção de um império de porcos, isto mesmo, “porcos”, chamado Devotindos. Certo dia, estes espíritos de porco atacaram Zephyrus, promoveram uma grande destruição e ainda por cima raptaram a princesa Sherry. Neste momento o cavaleiro Sparkster, o protagonista do game, entrou em ação e ajudou a derrotar o exército de porcos, comandado pelo imperador Devligus, além de ter resgatado a princesa sã e salva.

O Imperador Devligus, entretanto, não tinha herdeiros, e o trono foi assumido então pelo general Sweinhart, o qual se aproveitou de uma ausência do Sparkster para levar um comitê diplomático até o rei de Zephyrus e suplicar por sua piedade, propondo que o reino de Zephyrus fornecesse aos porcos recursos e abrigo, digamos assim (pois seu reino estava praticamente em ruínas após tantas batalhas travadas), em troca do trabalho e dos supostos avanços tecnológicos dos fuçadores de lama.

O valoroso Sparkster, é claro, quando ficou sabendo da “novidade”, imediatamente disse ao rei que ele não podia confiar nos porcos, mas o monarca não voltou atrás, e Sparkster viu os habitantes de Devotindos pouco a pouco entrando e vivendo em Zephyrus. Inconformado, ele implorou novamente ao rei para que este voltasse atrás, mas de nada adiantou. E, infelizmente, o rei ainda disse ao pobre Sparkster que ele era uma “relíquia do passado”, o que foi a mesma coisa que dizer que ele não era mais necessário.

O pobre cavaleiro, então, sem mais nada a fazer, viajou para uma terra distante e ali viveu, durante quinze anos, juntamente com sua esposa e seu filho, tomando conta de sua fazenda, de forma pacata. Isto até o dia em que ele observou naves de guerra dos lobos da montanha indo em direção a Zephyrus. Imediatamente o cavaleiro “acordou” e voou, munido de seus foguetes, de suas armas e de sua armadura, em direção ao combate.

Esta é a premissa para um título muito divertido, envolvente e repleto de elementos que com certeza cativarão gamers de todas as idades. Eu nunca havia jogado nenhum título da série Sparkster, e confesso que fiquei deliciado com este XBLA.

Jogabilidade

A jogabilidade de Rocket Knight é fantástica. O protagonista conta com uma série muito legal de movimentos, e é muito fácil executá-los. Você pode realizar um giro rapidíssimo, chamado Burst Vortex, e destruir seus inimigos muito rapidamente. E este movimento também repele qualquer projétil e/ou bomba que tenha sido lançado contra você, além de nos fazer lembrar bastante do Sonic.

Você pode pular, atacar seus inimigos com sua espada, lançar rajadas de energia e, através de dois toques rápidos no botão B, juntamente com a indicação da direção através do analógico esquerdo, você executa um movimento que é uma verdadeira furadeira. Esta forma de ataque pode ser utilizada para abrir caminho, destruindo objetos que estejam impedindo a sua passagem (desde que eles sejam destrutíveis, é claro).

O Rocket Burst, o tal movimento que lembra uma furadeira,  é uma maneira muito divertida e poderosa de destruir inimigos. Muitas vezes, vários de uma vez só. Aliás, você pode se defender das bananas de dinamite lançadas pelos lobos com sua espada, e “devolvê-las” aos seus donos: trata-se de uma maneira muito engraçada de matá-los.

Vale ressaltar que, em determinados momentos, não há limites para o Sparkster. Digamos que você esteja em uma plataforma e queira descer para a plataforma inferior. Basta mover o analógico esquerdo para baixo e pressionar o botão A: o Sparkster “atravessa” a madeira, digamos, e vai para o nível inferior numa boa. A mesma coisa pode ser feita para subir. Pulando e pressionando o botão A, aliás, você consegue “pairar” por alguns minutos, mediante a utilização dos foguetes: isto é muito útil.

E, os equipamentos mais importantes do Sparkster são seus foguetes, localizados em suas costas, os quais permitem que ele voe. Vale ressaltar, entretanto, que a utilização das rajadas de energia, do Rocket Burst, do Burst Vortex e dos foguetes, consome combustível. Existe um medidor de combustível localizado no canto superior esquerdo da tela, e seu combustível “se renova”, por exemplo, durante os momentos em que você não utiliza nada que faça uso dele.

É preciso prestar bastante atenção neste medidor, principalmente em algumas fases, como uma no gelo, por exemplo, onde os foguetes congelam e é preciso permanecer por alguns minutos próximo a algumas fogueiras para que eles voltem ao normal.

Apesar da diversidade de movimentos e ataques, você pegará o jeito muito rápido, principalmente porque Rocket Knight exibe dicas muito úteis durante o gameplay, através de placas “in-game”. Sinceramente, não senti dificuldade alguma em relação aos controles.

Jogando Rocker Knight

O game é muito divertido. Rocket Knight possui 14 fases, sendo que em algumas delas o gameplay se dá totalmente no ar, com o Sparkster fazendo uso constante de seus foguetes. É possivel, nestes momentos, utilizar uma espécie de turbo, também. Inimigos enormes aparecem, e alguns deles lembram os inimigos do saudoso R-Type, onde você tem de ir destruindo seus “pontos chave” aos poucos, um por um.

O Sparkster pode se pendurar e se movimentar por algumas estruras que se parecem com canos bem finos, e caso ele voe contra paredes, por exemplo, ele pode ricochetear. Isto é bem útil, pois a cada impacto ele recebe um novo impulso, e pode alcançar lugares mais altos. Todas as mortes dos chefes de fase ocorrem em câmera lenta, para que você aprecie bem o momento. Isto torna a coisa toda meio que cinematográfica. Um dos chefões, aliás, o Forest Shredder, possibilita a visualização de uma cena muito engraçada, após sua morte (ele é um robô, na verdade). Não vou contar para não estragar a surpresa, mas vale dizer que a “sonorização”, digamos, é super hilária.

Você observará, durante o gameplay, lobos voando em asas-delta e lançando bombas. Observará também lobos dentro de um veículo giratório bem perigoso que, caso você não tome o devido cuidado, acabará com você rapidamente. Rocket Knight, apesar de ser um game linear, possui inúmeros locais pra serem explorados, com diversos itens para serem coletados. Muitos destes itens, aliás, requerem uma utilização precisa dos foguetes, sendo que muitas vezes será necessário ricochetear pelas paredes para alcançá-los.

Rocket Knight é um título que, sem dúvidas, será apreciado por muita gente. É raro encontrar alguém que não aprecie games estilo plataforma, principalmente um que seja oriundo de um trabalho que trouxe novamente à tona uma série clássica.

O único problema em Rocket Knight, em minha opinião, é o fato de que quando você morre “definitivamente”, ou seja, quando acabam suas vidas, você não retorna ao último checkpoint salvo, mas sim ao começo da fase. Além disso, você conta com 3 continues, e terminados estes continues, você terá de reiniciar o game. É claro que poderá começar a partir da fase onde morreu, a qual estará disponível através do modo “Free Play”.

Gráficos e trilha sonora

Estes dois quesitos são muito impressionantes, em Rocket Knight. O título do Climax Studios não é um título “sério”, digamos. Quando digo “sério”, me refiro ao fato de que ele é repleto de momentos e personagens engraçados. O próprio Sparkster é uma comédia: deixe ele quieto por alguns momentos e veja o que ele faz. 🙂

E os gráficos do game são absurdamente agradáveis. Os efeitos de sombra são extremamente realistas: você consegue prever os locais de queda dos inimigos simplesmente observando suas sombras se aproximando, no chão. E a câmera, principalmente quando o protagonista está voando, muda de ângulo de uma tal maneira, dependendo da situação e da fase, que é impossível não ficarmos impressionados.

Os gráficos de Rocket Knight são muito coloridos, e lembram desenhos animados. Em uma das fases, em uma floresta, não pude deixar de me lembrar do indie game Bob Came in Pieces, principalmente devido à vegetação, a qual possui algumas similaridades com o título da Ludosity, principalmente em relação às árvores e às cores da folhagem.

Você irá se deparar com árvores enormes e com troncos gigantescos. Folhas com uma coloração verde muito bonita e intensa. Elementos como rocha e madeira são muito bem feitos, e possuem um certo ar de desenho animado (como já citei acima, em relação aos gráficos como um todo).

Durante fases nas quais o Sparkster voa, o efeito de aproximação e afastamento dos diversos veículos voadores enormes com os quais você irá topar é muito bem feito. Você pode observar a perfeita movimentação destes gigantes, entrando e saindo do primeiro plano, e isto ajuda bastante na diversão e na experiência.

Rocket Knight possui fases bem diversas. Cenários devastados pela guerra, fases em ambientes gelados onde seus foguetes falham, fases que possuem construções que lembram o Japão, etc: este título possui cenários para todos os gostos e audiências. O Sparkster age como um perfeito super-herói, acenando para a câmera após cada vitória e voando “para o alto e avante”, como se nada pudesse impedí-lo, aliás.

E a trilha sonora do game possui todos estes elementos heróicos, digamos. Ela é muito apropriada para a proposta do game, diga-se de passagem, e os efeitos sonoros são muito bem desenvolvidos. Os sons dos inimigos, então, podem provocar muitas risadas, algumas vezes.  Alguns lobos, ao morrerem, emitem sons que se parecem com a “fala” do Chewbacca, de Star Wars.

O som executado quando os foguetes falham é muito realista, além da fumacinha preta que é expelida pelos mesmos quando isto acontece. Trata-se de uma trilha e efeitos sonoros compostos tendo em mente a proposta do game, a qual, em minha opinião, é diversão em alta definição mantendo um certo ar “old school” no tocante à jogabilidade e ao gameplay.

Menus e modos de jogo

Os menus de Rocket Knight são coloridos, como o próprio game, e sucintos. Eles vão direto ao ponto, sem muitas firulas, e permitem que você encontre e configure o que precisa sem que seja necessário acessar muitas telas.

Rocket Knight conta com dois modos de jogo: o modo “Arcade”, o qual é o modo principal do game, através do qual você jogará a história, e o modo “Free Play”, que permite que você jogue novamente, quantas vezes desejar, todas as fases que já finalizou.

Finalizando

Rocket Knight é um game para todas as idades. Belos gráficos, jogabilidade simples, e um personagem que, além de divertido, pode executar inúmeros movimentos diferentes. Tudo isto, aliado à trilha sonora bonita e empolgante, faz com que este XBLA seja um título muito mais do que perfeito.

Pin It on Pinterest