The Adventures of Shuggy é um excelente jogo lançado para Xbox 360, através da Xbox Live, o qual mistura plataforma com muitos puzzles. Totalmente em 2D, trata-se de um game delicioso de se jogar. É o típico XBLA para se relaxar após algumas partidas de Mortal Kombat, por exemplo. Bom, talvez nem tanto, devido aos puzzles que, muitas vezes, podem fazer você quebrar muito a cabeça. Este é um XBLA no qual você controla um vampirinho muito simpático chamado Shuggy. Ele deve enfrentar diversos perigos dentro de uma sinistra mansão que herdou de seu tio.

O jogo possui gráficos muito bonitos e agradáveis, e possui inclusive um certo ar retrô que com certeza irá agradar a muitos gamers por aí. Algo também muito bacana em The Adventures of Shuggy é o fato do gameplay se desenrolar em diversas salas da mansão. Tais salas escondem os mais diversos perigos, e Shuggy, ou melhor, você, terá como missão resolver os puzzles aí existentes, coletando as diversas gemas coloridas dispostas em diversos locais do cenário. O diferencial, entretanto, é que cada uma das mais de 100 salas existentes no jogo conta com puzzles e mecânicas de jogo diferentes.

Isto com certeza representa algo bem diferente na Xbox Live, e faz de The Adventures of Shuggy um jogo realmente interessante e valioso. Algo um tanto quanto fresco na Xbox Live, digamos. Por exemplo, uma das salas me forneceu uma clara lembrança de “And Yet It Moves”, pois na mesma era preciso girar o cenário e realizar as mais diversas “manobras”, tanto em relação ao personagem em si quanto ao próprio cenário, para coletar as gemas coloridas sem cair nas mortais estacas presentes em alguns locais.

Outras salas apresentam desafios mais simples, como por exemplo a utilização de plataformas móveis. Em algumas delas basta evitar determinado tipo de inimigo. Outras, no entanto, exigem grande atenção e destreza por parte do jogador. Em uma delas você terá de correr contra o relógio enquanto fantasmas cujo toque é mortal perambulam à vontade. Além do mais, clones de Shuggy (também mortais ao mais leve toque) começam a surgir conforme o relógio marca cada minuto, repetindo seus últimos movimentos.

E, apesar de tudo, você precisa da ajuda destes clones para que um switch localizado na parte superior da sala seja pressionado (por eles), para que você, então, seja capaz de entrar em uma área protegida por um campo de força (o switch desabilita o campo enquanto alguém estiver sobre o mesmo). É muito interessante esta mistura de aventura, puzzles e manipulação do tempo em um game que, a princípio, “seria” simples. O fato é que lidar com estes clones e fazer com que eles executem os movimentos corretos é um tanto quanto complicado. Você irá, talvez, morrer muitas vezes, aí. Outra sala/mecânica “permite” que o Shuggy enrole a si mesmo em algumas cordas, e então deixe que engrenagens o puxem para que ele alcance pontos inacessíveis de outra maneira.

Vale lembrar que cada sala em The Adventures of Shuggy é precedida por um breve tutorial que explica sua mecânica, portanto, não se assuste. A dificuldade estará na resolução dos problemas, e muitos deles são realmente desafiadores. Para obter sucesso em cada sala, é necessário coletar todas as gemas coloridas existentes na mesma. Feito isto, você é enviado para uma espécie de salão principal onde pode então acessar as salas que desbloqueou.

O título também conta com 36 salas que podem ser jogadas de forma cooperativa, para até duas pessoas, e representa, em minha opinião, um jogo muito especial. Os gráficos de The Adventures of Shuggy são agradáveis, como eu já disse acima, e sua trilha sonora é bem interessante, digamos. Ela conta com um ar “pseudo-tétrico” (se é que existe este termo) que a torna muito engraçada, agradável e bem apropriada ao título.

Existem alguns problemas no game, entretanto, e grande parte deles está relacionada aos controles. Os controles não são muito precisos, e isto seria essencial em um game deste gênero, onde muitas vezes você precisa realizar movimentos cautelosos. Em determinados momentos um simples e leve toque no analógico esquerdo faz com que o protagonista corra, ao invés de andar, e isto, dependendo da situação, pode colocar o jogador em maus lençóis.

Não existem checkpoints em The Adventures of Shuggy, além daqueles fornecidos pela “limpeza” de cada sala. Ou seja, se restar apenas uma gema para ser coletada em determinado cenário e você tocar em um inimigo, você morre e tem de reiniciar o nível inteiro. Isto pode tanto representar uma desvantagem ou uma vantagem, dependendo do jogador e de sua expectativa em relação ao game. Uma coisa não se pode negar, entretanto: The Adventures of Shuggy é bem desafiador e gostoso de se jogar.

É um daqueles jogos que muitas vezes passam despercebidos pelo grande público e que, no entanto, escondem um gameplay muito divertido, horas e horas de diversão de qualidade e muitos desafios.

Conclusão

The Adventures of Shuggy custa  800 Microsoft Points (10 dólares). Trata-se de um game que pode oferecer grandes doses de diversão a quem aprecia jogos estilo plataforma com um ar retrô e puzzles. Agradável, simples de aprender porém nem tão fácil de dominar, The Adventures of Shuggy é um jogo que, apesar de alguns problemas, é muito interessante, principalmente pela presença de mecânicas de jogo diferentes em cada sala.

Nota

8.5/10

Ficha Técnica

Título: The Adventures of Shuggy
Gênero: plataforma / puzzle
Desenvolvedora: Smudged Cat Games
Distribuidora: Valcon Games
Data de lançamento: 15 de Junho de 2011
Plataformas: Xbox 360 (XBLA)
Versão analisada: Xbox 360 (XBLA)

Pin It on Pinterest