Alguns jogos eletrônicos nos pegam de surpresa e nos deixam estupefatos. É o caso do jogo episódico (serão cinco episódios no total) The Council, título do estúdio francês Big Bad Wolf, uma espécie de adventure, que lembra um pouco aqueles da Telltale mas que acrescenta diversos e interessantíssimos novos elementos à fórmula.

No jogo, encarnamos um jovem chamado Louis Mauras de Richet, filho de uma mulher chamada Sarah, ambos membros de uma sociedade secreta conhecida como Golden Order. O jogo conta com bastante intrigas, diálogos, mistério e elementos de ocultismo, tudo isto pronto para ser explorado pelo jogador ávido por emoções.

The Council - Episode 1: The Mad Ones

Mecânicas, escolhas e funcionamento

The Council não é apenas um mero adventure: nele, existem diversos elementos que o diferenciam de outros jogos do gênero. Existem elementos de um RPG. Existem habilidades que podem ser evoluídas.

Existem classes, no game. São 3: Diplomata, Ocultista e Detetive, cada uma delas com suas respectivas skills básicas. Isto não significa, entretanto, que você terá de permanecer restrito às habilidades de apenas uma classe: todas poderão ser desbloqueadas e evoluídas – apenas o custo será maior, caso a habilidade em questão não faça parte da classe que você escolheu.

The Council - Episode 1: The Mad Ones

As habilidades básicas de cada classe são:

Diplomata: politics, etiquette, linguistic, conviction e diversion;

Ocultista: manipulation, occultism, erudition, sciences e subterfuges;

Detetive: questioning, vigilance, psychology, agility e logic;

Diálogos representam o cerne do jogo. Neles é que a ação de verdade acontece. Através deles você sofre, faz descobertas, é desmascarado, faz política, flerta, pesquisa, ataca, ofende e é ofendido.

The Council - Episode 1: The Mad Ones

Também temos traços de personalidade que o jogador vai desbloqueando conforme avança no jogo, e estes também são valiosos durante cada embate ou diálogo (Charismatic presence, por exemplo, confere um skill point extra em manipulation). E assim por diante.

O jogo também oferece ao jogador a oportunidade de participar de diversos confrontos, as “Confrontations”. Aqui, o próprio jogo adverte que é essencial utilizar o máximo de habilidades que possuir. Confrontos acontecem geralmente na base de discussões, e têm desdobramentos e consequências que acompanham o personagem durante o restante da da história. Cada confronto conta com um HUD próprio, através do qual o jogador pode conferir o quão convencida a pessoa/oponente está ou não. Sucesso nos confrontos podem levar a descobertas e apoios fascinantes e valiosíssimos, ou então a frustrações enormes.

Cada personagem em The Council, além disso, possui sua própria e bem definida personalidade, com suas respectivas fragilidades (vulnerabilidades) e imunidades. Você pode descobrir mais sobre cada um dos personagens explorando e encontrando dossiês ou livros nos quais eles são mencionados: assim, você evita forçar a barra em algo que, talvez, seja perda de tempo. Descobrir vulnerabilidades é bastante interessante, e pegar aquele personagem interessante naquele diálogo importantíssimo, desprevenido, é sempre muito vantajoso.

The Council - Episode 1: The Mad Ones

Se deparar (ser barrado) com uma imunidade (immunity) faz com que Louis fique exausto, e aí ele deve utilizar um consumível para se recuperar. E, sim, temos consumíveis no jogo, como por exemplo o Golden Elixir, que remove a exaustão do personagem principal, o Devil’s Thorn, que permite a Louis descobrir durante um diálogo quais são as vulnerabilidades e as imunidades de cada oponente, e o Royal Jelly, que restaura sempre dois Effort Points. Ah, sim, isto sem falar na Carmelite Water, que permite que você não gaste Effort Points quando for utilizar suas habilidades. Ou seja, o próximo uso de skills será totalmente grátis.

Ah, sim, os Effort Points. Vamos agora comentar a respeito deles. Effort Points representam uma belíssima sacada da Big Bad Wolf. Trata-se de um recurso através do qual você é capaz de saber o quanto está gastando das habilidades especiais do Louis (sim, elas são gastas conforme o uso).

The Council - Episode 1: The Mad Ones

E, sim, durante os diálogos, você é capaz de saber quais habilidades especiais está utilizando, e cada uma delas gasta uma determinada quantidade de Effort Points (habilidades não pertencentes à sua classe gastam mais, lembre-se sempre): fique sem Effort Points e perca oportunidades valiosíssimas durante as conversas.

Mas não se preocupe, é sempre possível encontrar e utilizar o Royal Jelly, para a devida restauração dos pontos (parece uma barra de energia). O jogo também avisa quando você perde alguma oportunidade por não possuir determinada habilidade e/ou por não ter atingido ainda o nível necessário na mesma. Mas não se engane: é realmente triste perceber que há uma pergunta ou questionamento excelente disponível durante determinado trecho do diálogo e você não poder utilizá-lo, seja devido à ausência de Effort Points, seja devido a ainda não ter atingido o nível necessário naquela skill (lockpicking, por exemplo).

A ilha do Lorde Mortimer

Você e uma série de outros personagens foram convidados para uma espécie de reunião, uma espécie de Conselho, em uma ilha cujo proprietário, Lorde Mortimer, é um mistério constante durante este primeiro episódio. Sarah, a mãe de Louis, desapareceu na ilha, é o que tudo indica, alguns dias atrás. A missão principal de Louis é descobrir o paradeiro de sua mãe. Mas qual a razão do encontro? O que motiva cada uma daquelas pessoas? Quem é, e o que quer o tal do Mortimer? Como sair dali? O que houve com sua mãe?

Tudo é envolto em mistério. Todos os personagens parecem esconder alguma coisa. Parece ser necessário pensar muito bem antes de cada pergunta ou resposta, e para “piorar” tudo ainda um pouco mais, existem momentos em que uma espécie de timer é ligado, e você precisa dar sua resposta o quanto antes, pois em caso contrário o jogo escolherá para você, automática e aleatoriamente.

The Council - Episode 1: The Mad Ones

Na mansão do Mortimer também se encontram outros personagens, incluindo figuras históricas (lembre-se: a aparição destes aqui é meramente ficcional) como por exemplo Napoleão Bonaparte e George Washington. Existem também outros, como por exemplo o misterioso Sir Holm, a Duquesa Emily Hillsborrow e o Cardeal Giuseppe Piaggi. Alguns destes personagens fazem também parte da sociedade secreta à qual Louis e sua mãe pertencem, o que deixa tudo ainda mais instigante.

Vale frisar bem que nossas ações no jogo podem alterar o desenrolar da trama. Opte por ajudar um personagem em detrimento de outro e isto lhe será jogado na cara, momentos mais tarde: você poderá deixar de obter uma ajuda valiosa devido a ter preferido outra pessoa.

Foi o que aconteceu comigo e George Washington (não optei por ele): eu ainda ouvi um “espero que não precise de mim no futuro, meu jovem” (ou algo assim, não me lembro das palavras exatas). O fato, entretanto, é que posteriormente precisei da ajuda do primeiro presidente dos Estados Unidos da América e ele me a negou.

The Council - Episode 1: The Mad Ones

Mortimer é mencionado por diversas vezes durante o primeiro episódio (o único liberado por enquanto), e é um personagem realmente misterioso, principalmente após algumas explorações que Louis e a Duquesa realizam em conjunto. Ele adia aparições, não comparece a jantares, e tudo isto sob um ar de enorme mistério. Ele também parece possuir algum tipo de conexão com Napoleão Bonaparte, conexão esta que parece também fazer com que o caminho do imperador francês se cruze com o da Golden Order de Louis e sua mãe.

A visão que temos do personagem, em terceira pessoa, permite que exploremos toda a mansão (ou quase toda, dependendo do momento) livremente. Podemos buscar por consumíveis, livros, e várias outras coisas, e todo o ambiente é muito bonito, condizendo perfeitamente com algo ambientado no século XVIII. Apenas as animações faciais não são lá muito convincentes, mas isto é facilmente posto de lado quando observamos a complexidade da trama e dos personagens.

Ah, já ia me esquecendo (um exemplo dentre inúmeros outros). Há uma possível situação que pode vir a se tornar embaraçosa, por exemplo: você pode tentar convencer determinado personagem a te entregar uma carta endereçada à sua mãe. Vai de você utilizar sua habilidade nos diálogos e também suas habilidades especiais da melhor maneira possível. Caso consiga, ele te faz prometer que ninguém a não ser sua mãe, Sarah, abrirá a carta.

The Council - Episode 1: The Mad Ones

Posteriormente, você pode optar entre abrir ou não a carta. No meu caso, optei por abrir, e mais tarde o remetente me solicitou a carta novamente, pois desejava realizar algum tipo de adição de informação. E eu já havia aberto a carta, quebrando seu selo. Como proceder? Entregando-a, eu teria revelado minha traição, e sabe-se lá que desdobramentos isto poderia causar. Então, através do uso de habilidades especiais, dos diálogos, etc, consegui convencer o personagem em questão de que, por segurança, eu havia escondido a carta. Que não era seguro com ela andar pelos corredores onde “as paredes pareciam ter olhos e ouvidos”. Ele acreditou e eu me livrei de uma enrascada.

Este foi apenas um exemplo rápido para você ter uma pequena noção de como as coisas se desenvolvem em The Council. Parece que tudo está interligado, uma ação se liga à outra, tudo parece fazer parte de uma teia enorme na qual você se encontra preso mas não quer sair. Os personagens são bem desenvolvidos, e você percebe isto claramente durante os imperdíveis diálogos. Fragilidades, imunidades, traços de personalidade: com tudo isto você poderá se deparar, e sair de cada situação da melhor maneira possível pode, muitas vezes, representar uma tarefa hercúlea.

Cada episódio será dividido em atos. Neste primeiro, foram 5 atos, e ao final de cada um deles, o jogo nos apresenta um relatório interessantíssimo, indicando, nossos sucessos, nossas falhas e também os caminhos/tarefas alternativos (e se os seguimos/realizamos ou não). É aqui também que podemos evoluir nosso personagem, distribuindo os pontos ganhos na árvore de habilidades.

The Council - Episode 1: The Mad Ones

Em The Council, os personagens jogam com você. Brincam com você. Tentam extrair informações de você, informações que, é claro, você talvez deseje manter apenas consigo (e, é claro, você pode fazer o mesmo com quase todos eles). Tudo é muito bem amarradinho, e a chance de que você acabe se frustrando por não ter conseguido obter alguma informação está sempre à espreita.

Há também a presença de ocultismo, no jogo, incluindo uma personagem com transtorno bipolar que foi colocada nas mãos das ciências ocultas em sucessivas tentativas de cura, todas ineficazes, é claro. Há também menção a determinado personagem que parece ter vivido por séculos, mas durante o diálogo onde isto é exposto existe a possibilidade de exploração de outras linhas de pensamento, as quais tornam a situação um tanto quanto mais normal, corriqueira. Tudo é muito interessante, intrigante e intrincado. Louis, além disso, tem visões. Visões estranhas, momentos, também, em que ele parece sair de seu corpo e ir até outros locais, sendo capaz de vislumbrar detalhes de conversas em andamento (seu nariz sangra, após tais visões).

The Council - Episode 1: The Mad Ones

Ficha técnica

Título: The Council – Episode 1: The Mad Ones

Gênero: aventura, RPG

Desenvolvedora: Big Bad Wolf

Publisher: Focus Home Interactive

Data de lançamento: 13 de Março de 2018

Plataformas: Xbox One, PlayStation 4, PC

Versão analisada: PC

Finalizando

The Council representa uma fresquíssima abordagem a um gênero bastante amado por grande parcela dos jogadores. Com seus diferenciais, ele tem tudo para agradar até mesmo a quem é novo na área. O jogo mistura bastante mistério, personagens complexos, trama intrincada e ações que alteram o desenrolar da história de uma forma verdadeiramente única.

O primeiro episódio já foi lançado, e o pacote completo, que dá acesso a todos os cinco, custa R$ 79,90 no Steam. Dê uma olhada. Se você não domina bem o inglês, entretanto, talvez seja melhor pensar duas vezes, uma vez que não existem nem mesmo legendas em português (existem legendas em espanhol, entretanto, caso ajude), e a quantidade de diálogo é enorme.

E vamos aguardar pelo segundo episódio com enorme ansiedade. Enquanto isso, fique com o trailer de lançamento:

 

Poderá gostar também

Pin It on Pinterest