Alguns jogos nos pegam desprevenidos (e nos surpreendem bastante) pela mistura única e inédita de gêneros. Yoku’s Island Express é um destes títulos. Lançado hoje para PC, Xbox One, PlayStation 4 e Nintendo Switch, trata-se de um título que mistura elementos de pinball com plataforma em 2D (alguns veem nele também elementos de metroidvania). Tal mistura pode até não ser nova, mas ela empolga bastante. Grande parte dos puzzles e do próprio progresso no jogo se dá através de flippers, bumpers e altíssimas velocidades, muitas vezes através de viagens de perder o fôlego em apertadíssimos caminhos.

O protagonista é um pequeno besouro preso a uma bola, bola esta que, é claro, é elemento indispensável quando se trata de lidar com todos os elementos de pinball de Yoku’s Island Express. O pequeno protagonista, Yoku, é uma espécie de carteiro em uma ilha muito bonita, repleta de perigos e aventuras. O lugar, a ilha Mokumana, outrora um local pacífico, foi atacado por um mal ancestral e agora é tarefa do pequeno besouro lidar com tudo isto da melhor maneira possível. A ilha Mokumana, vale ressaltar, é também lar de várias divindades antigas.

Yoku's Island Express

Com cenários pintados à mão, Yoku’s Island Express representa uma belíssima experiência. A história está ali apenas para, digamos, encher linguiça, mas temos personagens bastante engraçados e fofinhos, como por exemplo o jardineiro Sandro. E, não: a história “bobinha” não tira o brilho do título. Nem por um momento. Além disso, temos criaturinhas fofinhas espalhadas pelos quatro cantos do cenário, e o personagem principal deve também entregar cartas em diversas caixas espalhadas pela ilha, recebendo frutas como recompensa.

Yoku's Island Express

Vale lembrar que as frutas, no jogo, servem para manter a vida do protagonista: assim que elas acabam, ele morre e tudo recomeça à partir do último checkpoint, os quais, felizmente, estão espalhados aos montes pela ilha. Tudo acontece em um ambiente de mundo aberto, e você é livre para aceitar side-quests onde e quando quiser, lidando com elas também nos momentos em que bem desejar.

Existe uma velha divindade no local, chamada Mokuma, a qual foi atacada e posta para dormir por uma criatura conhecida como God Slayer. Acontece que Mokuma é a divindade que mantém tudo funcionando, tudo no lugar, na ilha, e o ataque do God Slayer deixou uma marca na enorme criatura, a qual parece estar drenando sua energia vital.

Não apenas Mokuma foi atacado pelo God Slayer, mas também outros seres mágicos e enormes de Mokumana Island, como por exemplo o Dipperloar, o “guardião daqueles pequenos demais para protegerem a si mesmos”.

A história é até um pouco mais comprida do que isto. Mokumana Island é uma espécie de refúgio, criado por Mokuma após uma grande maldade aprontada pelo tal do God Slayer. Trata-se de um refúgio, um lugar de paz, que foi novamente sacudido, sacudidela esta, é claro, que é o grande motivo para a aventura que temos em mãos.

Yoku's Island Express

Bem, a tarefa de Yoku, como já deu para perceber, é percorrer a ilha Mokumana de uma ponta a outra, atravessando ambientes os mais diversos, como por exemplo florestas, montes gelados, cavernas e praias. O progresso no jogo está diretamente ligado aos pinballs. Existem momentos, aliás, em que o jogador é encerrado em espécies de “salas” de onde apenas pode sair caso obtenha sucesso no “fliperama”. Bumpers existem aos montes. Objetos que devem ser atingidos para que portais sejam abertos também.

Flippers estão localizados nos mais diferentes lugares, e é sempre bom se familiarizar com os controles e utilizar um controle para jogar (no meu caso, o do Xbox 360). Em tais “salas de pinball”, portas são abertas apenas caso alguns objetivos sejam atingidos, e estes podem variar. Você pode ter, por exemplo, de rebater Yoku e sua bola através de determinado caminho, ou então pode ter de acertar determinadas joias em determinada sequência. E por aí vai.

Yoku's Island Express

Controlar Yoku é bem simples: utilize os analógicos de seu controle e você o movimentará em seu modo “normal”, longe dos pinballs, momentos estes em que ele terá de fazer esforço para carregar a bolinha que será útil mais adiante (e que também é claramente pesada para ele). Agora, durante os pinballs, utilize os gatilhos e seja feliz (ou não, dependendo de suas habilidades com este gênero de jogo). Fica claro, aliás, que toda a ilha engloba um enorme mecanismo, um mecanismo pronto para entrar em ação tão logo cheguemos ao alcance de algum flipper.

Yoku pode transitar por vários tipos de locais, incluindo as “salas” que funcionam como pinballs. Ele pode ter de atravessar locais apertados, pode atravessar pontes sobre rios com belas cachoeiras ao fundo, pode atravessar cavernas no subsolo e também pode percorrer túneis a altas velocidades, impulsionado, quem sabe, por algum flipper acionado por um dos gatilhos do controle do jogador. Existem também áreas que Yoku pode atravessar andando, empurrando sua pesada bola, mas estes momentos não são lá de muita importância, até mesmo porque fora dos pinballs pouca ação existe, além dos diálogos com as várias criaturas da ilha Mokumana.

A ilha é bem grande, e existe também a possibilidade de obtermos uma visão expandida da mesma, a qual nos dá uma ideia melhor de onde estão localizados os objetivos e/ou quests. Existem também habilidades especiais que Yoku vai adquirindo com o tempo, como por exemplo uma corneta que é capaz de acordar habitantes dorminhocos ou então de quebrar correntes que envolvem pinballs que podem ser posteriormente utilizados, ou então um aspirador que é capaz de arrebatar estranhas, gosmentas e explosivas criaturinhas que podem ser utilizadas como bombas relógio (os slugs – explodem dentro de alguns segundos).

Determinadas quests são necessárias para que o protagonista consiga ultrapassar determinados obstáculos (itens que devem ser trazidos para satisfazer a vontade de determinado personagem, o qual então libera a passagem). Já outras estão diretamente ligadas à divindade que mantém a ilha nos seus eixos. Não espere muito além de explorar, brincar de pinball e ter conversas pra lá de esquisitas com divertidos personagens: a força e o carisma de Yoku’s Island Express estão mesmo ligados às suas mecânicas de pinball.

Yoku's Island Express

E justamente aqui encontramos um dos grandes problemas do jogo: estamos um um platforming, e queremos jogar um platforming. Apesar da introdução das mecânicas de pinball representar uma muitíssimo bem vinda novidade, elas acabam cansando com o tempo. Junte-se a isso uma certa desorientação depois de algum tempo batendo e rebatendo e retornando ao mesmo lugar caso não sejamos extremamente precisos, e temos algo que pode fazer com que o título da sueca Villa Gorilla acabe cansando.

Yoku's Island Express

Você quer progredir, você sabe para onde deve ir, você tem as ferramentas necessárias em mãos, mas sua habilidade no manejo dos flippers é o que acabará decidindo seu fracasso ou seu sucesso. E se você já jogou algum pinball na sua vida, sabe que muitas vezes não é tão fácil mandar a bolinha com precisão no lugar necessário.

É até mesmo sugerível que você se mantenha distante do título caso não seja lá muito fã de pinballs, ou caso não tenha muita habilidade com eles: tenha certeza, eles representam o cerne do jogo, incluindo durante batalhas contra chefes.

Yoku possui uma bolsa, bolsa esta que serve para que ele carregue algumas bugigangas e também as frutas. Esta bolsa pode receber upgrades de tempos em tempos (tornando-se capaz de carregar mais frutas), como recompensa por quests completadas. Isto é sempre muitíssimo bem vindo, valendo inclusive lembrar que uma das punições nos pinballs é justamente a queda em uma espécie de cama de espinhos que “suga” algumas frutas de sua bolsa. Portanto, espaço adicional para carregar mais e mais frutas nunca é demais.

Yoku's Island Express

Mas não se preocupe muito com isto, porque frutas são dadas aos montes durante cada sessão de fliperama, logo após cada rebatida em bumpers, ao acordarmos criaturas com nossa corneta, ao entregarmos cartas em simpáticas caixinhas de correio espalhadas pela ilha Mokumana, etc.

Yoku’s Island Express, no entanto, pode ser uma agradável, bela experiência, caso você não tenha problema com pinballs e coisas do tipo. Lembre-se apenas de que estes representam o cerne da aventura: todo o progresso se dá através da interação do pequeno besouro com eles (e da respectiva bolinha atrelada a seu corpo, obviamente). O jogo é charmoso, conta com gráficos muito bonitos e uma trilha sonora pra lá de simpática, além disso.

Yoku's Island Express

Ficha técnica

Título: Yoku’s Island Express

Gênero: aventura, plataforma, pinball

Desenvolvedora: Villa Gorilla

Publisher: Team17

Data de lançamento: 29 de Maio de 2018

Plataformas: Xbox One, PlayStation 4, PC, Nintendo Switch

Versão analisada: PC

Yoku's Island Express

O mundo aberto repleto de espaço para exploração, além disso, deixa tudo mais interessante ainda. Você pode fazer o que quiser quando bem entender. Não há nenhuma receita de bolo, aqui, nem tampouco nenhuma ordem certa para a realização das diversas quests apresentadas (pelo menos no princípio).

O jogo já está disponível, por menos de 40 Reais, e abaixo você pode conferir um trailer bem interessante:

Poderá gostar também

Pin It on Pinterest