Elite Dangerous: Arena – não chega a 400 bilhões de sistemas, mas é grátis (por tempo limitado)

Elite Dangerous: Arena – não chega a 400 bilhões de sistemas, mas é grátis (por tempo limitado)

Você deve ter acompanhado minhas aventuras em Elite Dangerous aqui no XboxPlus. O jogo, um dos melhores e maiores títulos ambientados no espaço sideral já lançados (muitos o chamam também de simulador espacial), é envolvente, gigantesco, cativante, lindo, repleto de belezas e perigos. Elite Dangerous consegue atrair uma gama enorme de jogadores, que se dedicam também a uma enorme variedade de atividades. São piratas, comerciantes, combatentes, mineradores, contrabandistas: todos tentando seu lugar ao sol. Bem, em E:D você escolhe o sol, a estrela, o sistema, a nebulosa. Você traça seu caminho. E é livre para “passear” por cerca de 400 bilhões de sistemas. Você também pode visitar uma enorme variedade de planetas. E neles aterrissar, vale lembrar. São planetas fantásticos, e ainda é possível neles passear com um veículo pra lá de bacana (um SRV). Enfim, E:D é um jogo praticamente sem fim, e se você  aprecia combates entre naves, dogfights em primeira pessoa extremamente movimentados, bem, você deve dar uma olhada no modo de jogo CQC (Close Quarter Combat). Uma experiência Elite: Dangerous de graça O CQC, aliás, também está disponível separadamente para compra, através do Elite Dangerous: Arena. Trata-se de um título originalmente pago, veja bem. E que independe do jogo principal. Entretanto, a Frontier Developments está de bom humor, e quando recebi o press release hoje pela manhã, pensei que não poderia deixar de avisar aos leitores do XBP, tamanha é minha paixão por este título: Elite Dangerous: Arena está de graça, por tempo limitado, no Steam. E, não apenas isso: você pode baixá-lo totalmente de graça, até a próxima segunda-feira, 11 de Julho de 2016....
Elite: Dangerous – expandindo horizontes, continuando a jornada

Elite: Dangerous – expandindo horizontes, continuando a jornada

Olá novamente, caros amigos. Ou, pelos menos, dada a ausência de postagens por tanto tempo, olá novamente, quem quer que você seja, você que porventura está lendo este texto. Leitor que acompanha o site há algum tempo ou novo leitor. Seja muitíssimo vem vindo! Já faz muito tempo desde que publiquei a respeito de Elite: Dangerous aqui no XboxPlus. O último texto a respeito foi publicado há cerca de 10 meses atrás, mas, não, não parei de jogar E:D durante este período. Tenho muitas histórias para contar, muita coisa aconteceu ao Comandante Nyhone Maulerant na galáxia criada pela Frontier Developments durante este tempo. Passei inclusive por momentos de puro terror, digamos, durante os quais fui de pacato e desconhecido piloto a criminoso indesejado em vários sistemas. Iniciei uma jornada ao centro da galáxia (Sagittarius A), a qual foi interrompida após cerca de 6000 anos-luz de “estrada”, devido a um acontecimento bastante especial. Tal acontecimento, bem, foi o lançamento da primeira expansão do jogo. Elite Dangerous: Horizons foi lançado durante o último mês de Dezembro, e trouxe consigo algo que praticamente toda a comunidade de jogadores aguardava com enorme ansiedade: a possibilidade de aterrissar em planetas (a tão falada “Planetary Landings”). O que temos no jogo agora, através da Horizons, é algo espetacular. Tenho comigo, desde seu lançamento, que trata-se de um sonho de infância finalmente realizado. Imagine ser capaz de pegar sua nave, escolher um ponto qualquer, um sistema qualquer, nele entrar e então escolher um planeta qualquer, aleatoriamente, quem sabe, e ir para lá sabendo que poderá nele pousar. Que poderá conferir sua superfície bem de perto. Que...
Elite: Dangerous – devaneios e experiências de um comandante solitário

Elite: Dangerous – devaneios e experiências de um comandante solitário

Às vezes me pego pensando no que Elite: Dangerous tem de tão especial para me fazer “perder” tanto tempo. Quer dizer, a resposta às perguntas que surgem após tal pensamento são várias, e eu consigo entender plenamente o porquê do jogo da Frontier Developments me ser tão caro. Eu nem preciso me preocupar muito com estes porquês, é claro. Afinal, o jogo me diverte bastante, me proporciona momentos excelentes. Enfim, não tenho arrependimento algum, não fico pensando: “-Ah, deveria estar jogando outra coisa ao invés disso”. Muito pelo contrário. Mas mesmo assim fico surpreso com o tanto que estou jogando. Me surpreende o fato de novamente ter encontrado um título extremamente imersivo. Um título que me pegou de jeito, que me cativou bastante. Um título que, pelo menos por enquanto, não enjoa. Jogo todos os dias, cada vez mais fascinado, e o interesse só aumenta. Já escrevi vários textos sobre ele, textos que também acabam sendo “diários de gameplay” (ou diários de bordo?), narrando experiências, acontecimentos (alguns engraçados), etc. Parece que quanto mais exploro o enorme universo aberto do jogo, mais certeza tenho de que há muito mais a ser explorado. OBS: grande parte das screenshots deste texto foram capturadas através da utilização da debug camera, recurso introduzido recentemente no jogo. Experiência de jogo melhorada com um Joystick Hotas Já fazem cerca de 15 dias que estou jogando ED com um Hotas (Hands On Throttle-And-Stick), mais precisamente um Thrustmaster T.flight Hotas X. Apesar de um início bastante conturbado, posso dizer que tudo melhorou bastante. A experiência de jogo foi muito melhorada com o Hotas, a imersão aumentou, e pilotar...
Elite: Dangerous, em breve em um Xbox One perto (ou não) de você

Elite: Dangerous, em breve em um Xbox One perto (ou não) de você

A Frontier Developments anunciou durante a GDC 2015 que Elite: Dangerous será lançado ainda este ano para o Xbox One. Não pretendo adquirir o console da Microsoft tão cedo (pelo menos, isto é o que me passa pela cabeça neste momento). Além do mais, o jogo está indo muito bem no PC. Bem demais, devo dizer, considerando o tempo escasso para dividir entre trabalho online e offline, além de diversas outras tarefas (também online e offline). Não nego, entretanto, que o tempo gasto com o jogo é extremamente prazeroso. Você pode conferir mais detalhes a respeito do anúncio no Código Fonte. Confesso que quando ouvi falar a respeito do anúncio fiquei com medo. Medo de que a desenvolvedora passasse a se dedicar mais, em algum momento, à versão de ED para o XONE, deixando um pouco de lado a versão para PC, a versão onde estão concentrados também os antigos fãs da série. A versão que estou jogando. Mas este deve ser um medo infundado, afinal de contas (assim espero). Embora não tenha dito nada a este respeito, David Braben postou no fórum do jogo, e ali diz o seguinte (além de dizer que mais jogadores em mais plataformas significam mais recursos para o desenvolvimento, o que pode ajudar um pouco a acabar com os medos): “Também estou feliz em anunciar que os jogadores no PC, no Mac [sim, também haverá uma versão do título para OS X] e no Xbox One irão compartilhar a mesma narrativa abrangente e o mesmo estado da galáxia. Isto significa mais jogadores ainda contribuindo para as guerras, para as disputas pelo poder e...
Elite: Dangerous – exploração e imersão em uma galáxia “recém nascida”

Elite: Dangerous – exploração e imersão em uma galáxia “recém nascida”

Muita coisa aconteceu desde que publiquei meu último “diário” de Elite: Dangerous. Desde que adquiri minha Lakon Type-6 em Wolf 424 e quase a perdi logo após o primeiro salto para o hiperespaço, em LHS 47. Vale ressaltar que sempre tive algo bem firme em minha mente, desde que comecei a jogar o título da Frontier Developments: o caminho da guerra não é para mim. Admiro bastante quem se dedica a caçar recompensas, quem se engaja em combate após combate, etc. Mas para mim o encanto do jogo está em outros elementos. Em muitos outros. E isto chega a ser até engraçado, porque na última noite meio que quebrei esta “regra”, deliberadamente, e senti enorme prazer ao fazê-lo. Mas vamos por partes. Com a Type-6 transportei cargas as mais diversas entre um sistema e outro, entre diferentes estações, de diferentes facções, ganhando muito dinheiro. Me transformei em um mercador espacial, digamos, e neste “caminho” permaneci por algum tempo. Permaneci focado, digamos. Pude ver meus lucros aumentarem dia a dia. Com o uso da ferramenta “Thrudd’s Trading Tools” fui capaz de maximizar meus lucros, e viagens bastante rápidas, coisa de minutos, me rendiam 80, 90, 150, 180 mil CR. Várias viagens assim, em curtos períodos de tempo, me renderam uma boa fortuna in-game. Asp: Nova nave, novas experiências Já faz algum tempo, aliás, que troquei de nave. Vendi minha Type-6 e adquiri uma Asp. Uma ótima nave, tanto para comércio quanto para exploração. Na verdade, a Asp é também muito boa para combates. Trata-se de uma nave muito mais manobrável que a Type-6, com 6 hardpoints para a instalação de armamento...
Aventuras em Elite: Dangerous – da felicidade à quase desgraça entre um salto e outro

Aventuras em Elite: Dangerous – da felicidade à quase desgraça entre um salto e outro

Não há como negar: Elite: Dangerous é capaz de fazer com que um jogador vá rapidamente da euforia extrema ao desespero total (ou quase) em questão de minutos (ou até mesmo segundos). Seu universo persistente não perdoa. Não esquece. O jogo não hesita quando devemos ser punidos ou absolvidos. Aliás, uma das coisas mais bacanas neste tipo de jogo é justamente isto: a sensação de que estamos fazendo algo meio que perene. O medo, a cautela, a ansiedade, as análises cuidadosas que forçosamente antecedem cada decisão. Não temos como “brincar”, achando que bastará, após a bagunça feita, carregar um save anterior e tudo estará bem novamente. Eu jogo Elite: Dangerous realizando anotações no Evernote e, muitas vezes, até mesmo em papel. Mas até mesmo estes perigos e desastres com os quais podemos nos deparar em ED rendem momentos e histórias fascinantes. E, bem: explodiu sua linda e equipada nave, adquirida após saltos e mais saltos transportando mercadorias de um sistema a outro? Aquela nave na qual você gastou mais de 350.000 CR (ou mais), à qual você havia se apegado tanto? Pague o seguro e obtenha outra igual. “Fácil”. Mas, se você não tiver o valor necessário para tal transação em sua conta bancária, terá de amargar um triste recomeço, com uma Sidewinder básica. Terá, praticamente, de recomeçar. Do zero. É justamente devido a isso que eu recomendo sempre: tenha sempre pelo menos o dinheiro do seguro em sua conta. Tenha mais, se puder, é melhor ainda. Bem, por falar em desastres, perigos, etc, algo nestes moldes aconteceu comigo há uns dias atrás. Um quase desastre, felizmente. E apesar...
Entre Korwey e Alpha Centauri – Elite: Dangerous é lançado

Entre Korwey e Alpha Centauri – Elite: Dangerous é lançado

Hoje, finalmente o estupendo Elite: Dangerous, da Frontier Developments, foi lançado. O lançamento da versão 1.0 do jogo “me pegou” no meio de uma viagem que começou no sistema de Korwey e vai “terminar” em Alpha Centauri. Daí, pretendo seguir para o Sistema Solar. Mais um pedaço da história do CMDR Nyhone Maulerant Desde que adquiri minha Cobra Mk. III, falando nisso, fiz muitas coisas. Viajei por diversos sistemas e perdi dinheiro também. Acabei abandonando um pouco minha rota comercial que envolvia os sistemas de Aulin e Styx, e explorei vários outros sistemas, muitas vezes descobrindo novos corpos celestes para depois vender dados à Universal Cartographics. Infelizmente (e voltando à perda de dinheiro), eu acabei cometendo alguns erros e vendendo mercadorias com prejuízo. Acabei, também, destruindo uma Cobra dentro de uma estação espacial, após uma das últimas atualizações Gamma. Não sei bem ao certo o que aconteceu, mas a atualização bagunçou todo o mapeamento de teclas que eu havia configurado. Até percebi que algo estava errado antes de decolar, mas infelizmente resolvi ir adiante, dentro de uma estação Coriolis, e botões errados, além do desespero, fizeram com que minha nave se chocasse com as paredes violentamente, várias vezes, e explodisse. Bem, dos 60 e poucos mil que estavam em minha conta até aquele momento (eu já havia gastado mais de 370 mil na compra da Cobra), tive de gastar cerca de 26.000 para readquirir tudo novamente, todos os módulos que havia instalado (incluindo o preço de uma nova nave). Coisas da vida. A partir daí, comecei a realizar algumas entregas nos sistemas de Asellus Primus, Chi Herculis, LHS 3006,...
Assista ao espetacular trailer de lançamento de Elite: Dangerous

Assista ao espetacular trailer de lançamento de Elite: Dangerous

Quem acompanha o XboxPlus sabe que estou fissurado em Elite: Dangerous. O jogo da Frontier Developments será lançado no próximo dia 16, mas já está sendo jogado por muita gente. Backers do Kickstarter, compradores de uma versão vendida há até alguns dias atrás que fornecia acesso ao beta (atualmente estamos na fase gama), etc. Já fiz diversas coisas na enorme galáxia de Elite: Dangerous. Já aprendi a aterrissar uma simples Sidewinder (acredite, o processo requer treino), já comprei e vendi muitas coisas, já estive em uma longa jornada durante a qual explorei bastante e já adquiri uma nave Cobra MK III e participei de combates. O jogo é fabuloso, podemos viajar livremente através de uma miríade de sistemas solares. São 400 bilhões de sistemas, e estações espaciais funcionam como abrigos temporários quando estamos cansados, bem como servem para realizarmos reparos nas naves, reabastecermos, ficarmos por dentro das últimas notícias da galáxia e, claro, para pegarmos trabalhos, que podem ser desde simples entregas até a eliminação de certos alvos. E hoje a Frontier Developments divulgou o trailer de lançamento de Elite: Dangerous, o qual é realmente espetacular. Para quem está jogando, é sensacional ouvir os sons externos da nave, ou melhor, ouvir os sons do lado de fora, enquanto a opção de câmera externa não é implementada (me pergunto o quão fiel, aliás, este trailer é neste quesito). O trailer começa exibindo um comandante (no caso, um de nós – vamos sonhar) indo de encontro à sua nave. Logo depois aparecem outros. Outras naves, também. Este início parece ser dentro de uma estação Coriolis, e logo em seguida temos cenas...
Pág 1 de 212

Pin It on Pinterest