Sempre fui fã de simuladores. Jogava Sim City com uma empolgação enorme. Cuidava de minhas cidades com enorme carinho, e confesso que sempre gostei de games que dessem alguma abertura para que eu deixasse a minha marca. Este é um dos motivos pelos quais adoro simuladores. Games que permitem que atividades, profissões e situações do mundo real sejam reproduzidos, “trabalhados” e, quem sabe, aperfeiçoados, “no mundo virtual”.

Recentemente, aproveitando o lançamento de The Sims 3 para os consoles, resolvi comprar a versão do game, chamado por muitos de “simulador de vida”, para PC. Confesso que o jogo assusta, a princípio, devido à sua complexidade. Mas ao mesmo tempo em que assusta, ele deixa os jogadores extasiados devido ao enorme leque de opções que apresenta. Você realmente simulará uma ou várias vidas ao jogar The Sims 3 (e qualquer outro da série, mas me focarei, neste artigo, no terceiro lançamento da franquia).

Como todo bom simulador, The Sims 3 também permite que o jogador crie. E não estou falando apenas de criações “materiais”. Você cria uma “vida virtual” e define o seu futuro. Seus Sims possuem ambições, necessidades, medos, e falhas. Eles morrem e também criam novas vidas. Esta minha pouca experiência com The Sims 3 me fez pensar no quão importante para mim é a possibilidade de criação, em um game. No quanto sinto falta de um LittleBigPlanet no Xbox 360, e no quão frustrado fiquei ao perceber que o Create, da EA, não era bem o que eu pensava.

Talvez seja por este motivo que eu adore Trials HD. Apesar de até hoje não ter criado nenhuma “pista maravilhosa” no XBLA da RedLynx, já passei boas horas criando e testando algumas pequenas pistas, procedimento que me proporcionou, sempre, enorme prazer. Por que os desenvolvedores não lançam mais games com esta “abertura”? Por que não temos games do mesmo nível de LBP lançados para outras plataformas?

Seria medo por parte dos desenvolvedores e distribuidoras? O campo dos simuladores meio que permaneceu restrito aos PC’s, até mesmo devido à questão da jogabilidade, salvo raras excessões. Ok quanto a este respeito. Mas porque não lançarem, para todos os consoles da atual geração, mais games que permitam que o jogador deixe sua imaginação fluir criando coisas? Disseram, há algum tempo, que o Kodu seria, talvez, a resposta da Microsoft a LittleBigPlanet, afirmativa que se mostrou infundada, pois Kodu, além de bem inferior e limitado no quesito “compartilhamento”, não recebeu atenção alguma da Microsoft, nem mesmo na época de seu lançamento, o que acabou fazendo com que ele permanecesse em uma espécie de “limbo”.

Estou sempre em busca de notícias de novos simuladores ou de games que permitam algum tipo de liberdade no tocante à criação. E vocês, também apreciam este tipo de coisa? Quais games/simuladores jogam/apreciam?

Poderá gostar também

Pin It on Pinterest